sábado, 12 de novembro de 2011

- UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA..... ADULTOS

 
Uma loira volta a casa depois de ter ido fazer compras e ouve barulhos esquisitos vindos do seu quarto.
Entra no quarto e encontra o marido deitado na cama, completamente nu, inundado em suor e com a respiração acelerada.
"O que é que tens?" pergunta, aflita.
"Acho que estou a ter uma crise cardíaca" responde ele.
A loira sai rapidamente, vai ao hall, onde estava o telefone, e liga para o INEM.
Mas antes de lhe responderem, o seu filho de 4 anos aproxima-se e diz:
"Mãe, mãe. A tia Tereza está escondida no teu armário e está toda nua".
A loira pousa o auscultador e volta novamente ao quarto, abre o armário e, claro, encontra lá a sua irmã, completamente nua e agachada.
"Oh, sua grande vaca !!!! - grita-lhe - Então o meu marido está a ter uma crise cardíaca e tu continuas a brincar às escondidas com a criança!"
 
.

Espermatozóide Romântico




.


Vamos ser radicais e 
SÓ COMPRAR PORTUGUÊS

Já que somos tão "maus" e "trabalhamos tão pouco"
Vamos ver se os alemães e finlandeses gostam !


Vamos ajudar a recuperar o país, é preciso fazer a nossa parte 
código "560" 
CÓDIGO DE BARRA DOS PRODUTOS PORTUGUESES

.
HOMO




PORQUE EM PORTUGAL NÃO SE FAZEM CAMPANHAS DESTAS???


.

1 -  DANÇAS NATIVAS
AZTECAS


DANÇA DO JAGUAR 



.

REQUERIMENTO

Eu, o Pénis, venho por este meio exigir um aumento de salário, apresentando as seguintes razões:
· Faço esforços físicos;
· Trabalho a grandes profundidades;
· A cabeça é a primeira coisa que uso em tudo o que faço;
· Não gozo fins-de-semana nem feriados;
· Trabalho num ambiente húmido;
· Trabalho num local com iluminação e ventilação deficientes;
· Trabalho com temperaturas elevadas.


Resposta

Senhor  Pénis,
Após a análise do seu pedido, e levando em consideração os argumentos por si apresentados, a Administração rejeita o seu pedido pelas seguintes razões:
O senhor não trabalha 8 horas seguidas
Adormece após breves períodos de trabalho;
Nem sempre segue as ordens da equipa de gestão; Não permanece na sua área de serviço e é visto muitas vezes em visita a outras localidades;

O senhor não toma a iniciativa - necessita de ser pressionado e estimulado para começar a trabalhar;
O seu local de trabalho fica bastante sujo após o seu turno de trabalho;
Nem sempre obedece a normas de segurança necessárias, como a utilização de roupa de protecção;
Irá reformar-se antes dos 65 anos;
É incapaz de fazer turnos duplos;
Por vezes, abandona a sua área de trabalho antes de ter completado as tarefas que lhe foram atribuídas;
E, como se tudo isto não bastasse, o senhor tem sido constantemente visto a entrar e a sair do seu local de trabalho carregando dois sacos de aparência suspeita...
Com os melhores cumprimentos

A Administração

RUMINANDO


video


.

1 - PAI RICO PAI POBRE





Qual é a sua relação com o dinheiro? Onde voce esta posicionado no quadrante do fluxo de caixa? Como voce ganha dinheiro? Voce tem ativos ou passivos?
Veja onde voce se posiciona na relacao com o dinheiro e tente mudar de vida!


.


5 - CIDADES FANTASMAS



 

As TV's cá do burgo não  editaram estes comentários 




.

FERNANDA PALMA



Extradição de nacionais

Na maioria dos Direitos é excluída a extradição de nacionais, tal como sucede entre nós por força da própria Constituição (artigo 33º, nº 1). A razão de ser deste regime é a afirmação da soberania de cada Estado, que não poderia deixar os seus cidadãos à mercê do poder punitivo de outros Estados sem se diminuir perante eles e a comunidade internacional.

Por essa razão, diversos países têm resistido à entrega de nacionais, no âmbito da cooperação judiciária, à escala europeia e internacional. Porém, após a revisão constitucional de 2001, Portugal passou a admitir a extradição de nacionais, em condições de reciprocidade, nos casos de terrorismo e criminalidade internacional organizada (artigo 33º, nº 3).

O nosso quadro constitucional e legal tem permitido uma cooperação eficaz, sobretudo no âmbito da União Europeia, em que vigoram laços muito estreitos, baseados no reconhecimento mútuo de sentenças e no mandado de detenção europeu. Mas Portugal exige sempre que a Ordem Jurídica do Estado requisitante dê garantias de um processo justo e equitativo.

Esta exigência deve ser a trave mestra da extradição de nacionais. Não existe uma uniformização tal de regras nos diversos Estados que permita entregar um cidadão a um qualquer poder punitivo sem que o Estado de que ele é nacional se certifique de que serão respeitadas as garantias de defesa e aplicadas penas justas a factos dignos de tutela penal.

Aliás, a Constituição também coloca restrições à extradição de estrangeiros encontrados em Portugal. A perseguição por motivos políticos, a aplicabilidade da pena de morte ou de pena que cause lesão irreversível à integridade física e a falta de garantia de que não será aplicada prisão per-pétua constituem causas impeditivas da extradição de estrangeiros.

Porém, quando um Estado não pode extraditar uma pessoa que é perseguida pela prática de um crime tem o dever de a julgar, como resulta, expressamente, do artigo 5º do Código Penal português após a revisão de 1998. Segue-se a máxima latina "aut dedere aut judicare". Ou se extradita ou se julga – só assim o Estado coopera na realização da Justiça Penal.

Corre no Brasil um processo contra um português que é alegado autor de homicídio. A nossa lei e os nossos tribunais são competentes para julgar o suspeito que, tal como a vítima, é português e vive em Portugal. Basta, aliás, a nacionalidade do suspeito ou da vítima para chegar a tal conclusão. Ao Ministério Público cabe instaurar o processo após adquirir a notícia do crime.

Professora Catedrática de Direito Penal

IN "CORREIO DA MANHÃ"
06/11/11

.

BOLOS DE DIVÓRCIO
















































.

.
PARTIDO DA SINCERIDADE



video



.

4 - Gigantes da Engenharia


Raul Midon




.


Olha a gripezinha, 
acabadinha de apanhar


video


.
 YORKSHIRE TERRIER







Classificação F.C.I.:
Grupo 3 - Terriers Seção 4 - Terriers de Companhia
Padrão FCI no - 86 - 19 de maio de 2009.
País de origem: Grã-Bretanha
Nome no país de origem: Yorkshire Terrier
Utilização: Companhia, sem prova de trabalho

ORIGEM E EVOLUÇÃO
O surgimento desta raça está atrelado a fatos históricos ocorridos na Grã-Bretanha, mais precisamente na Escócia, antes de seu reconhecimento oficial. Ao fim do século XI, servos e trabalhadores adquiriram a permissão de criarem cães, porém seu tamanho não deveria ultrapassar o de um aro metálico de sete polegadas de diâmetro, o que acredita-se ter sido possível fator para o início dos cruzamentos artificias que deram origem às raças posteriormente chamadas de terriers. Nessa época o cão que passasse sem problemas por este aro era considerado pequeno o suficiente para não caçar, já que a classe servil à qual pertenciam seus donos não tinha o direito à caça de subsistência.

Até o século XVIII a maioria dos britânicos trabalhava na agricultura mas, com o advento da revolução industrial, houve grandes mudanças na vida familiar e muitos, ao lado de seus cães, deixaram o campo para se transferirem ao Condado de Yorkshire, onde cresceram pequenas comunidades ao redor das minas de carvão, dos moinhos têxteis, e das indústrias de lã.[1] Mais diretamente ligado ao surgimento dos yorkshires, dita uma raça relativamente recente, estão os cruzamentos entre vários cães de pequeno porte já conhecidos desde então, que se aglomeraram junto a seus donos nas proximidades destes centros de trabalho. De todas as teorias sabidas a mais aceita fala de cruzamentos naturais entre black and tan, skye terrier, dandie dinmont e até mesmo maltês, todas tradicionalmente conhecidas como caçadoras em tocas, e que estavam presentes nas regiões de Manchester e Leeds, ocupadas pelo novo cenário que surgia de crescimento urbano.
Nessas comunidades, com destaque para a composta pelos operários de West Riding, estes cães passaram a ser vistos não apenas como animais de companhia em casa e nas minas de carvão, mas como úteis rateiros na caça aos roedores que se escondiam por baixo dos terrenos das casas, e nas competições de bar, nas quais estes caninos disputavam o posto de maior matador de ratos em apostas para posteriormente serem vendidos como valiosas peças.
Bem sucedido como companheiro e caçador, chamou a atenção de criadores que, entusiasmados, iniciaram um novo processo seletivo na busca de um melhoramento do padrão e das características de beleza e como rateiro. Estes processos iniciais, acredita-se, foram os que geraram o primeiro cão projetado e produzido com sucesso, cujo comportamento deveria ser corajoso, o tamanho diminuto e a aparência bela.
Fisicamente estes cães acabaram por pesar entre 5 e 7 kg e tinham o pelo macio e rajado, como ainda pode ser visto na raça moderna.
A criação da específica raça é creditada ao cavalheiro inglês Peter Eden, um notável criador da época e respeitado juíz de competições oficiais. De sua posse faziam parte exemplares de palagem longa e acetinada azul e fulva, bem como o ancestral de um dos mais conhecidos yorkshires de exposição da época, além de ter-lhe sido atribuído o primeiro registro de um yorkshire no Livro de Criação, sob o nome "terrier escocês de pêlo curto e yorkshire".
No século seguinte ao início do êxodo para as cidades, por volta do ano de 1861, o yorkshire foi apresentado pela primeira vez à nação inglesa em Birmingham, quando desfilou como variedade especial de uma outra raça. Alguns anos mais tarde apareceu em sua primeira exposição canina, foi reconhecido como raça pelo American Kennel Club, e inserido no Britsh Kennel Club sob o nome de yorkshire terrier, cujo primeiro padrão previa dois grupos distintos: um para os exemplares de até 2,3 kg, preferidos para companhia, e outro para os de até 6 kg, prediletos para a caça aos roedores. Em 1898 foi criado o primeiro clube dedicado restritamente à raça.

Ao fim da Era vitoriana a raça atingiu ascensão social por ter sido escolhido pela rainha Vitória como seu cão de estimação, passando então a figurar como companhia das senhoras aristocratas e da alta burguesia, que ornamentavam seus animais de acordo com o modelo da roupa que usavam no dia. A partir de então o ora caçador eficiente tornou-se em definitivo um cão de companhia de luxo, como se vê modernamente ao lado de celebridades. Foi devido ao seu diminuto tamanho - ele é o menor de todos os terriers[6] - e aparente fragilidade, que o yorkshire, quase sempre chamado apenas de york, manteve sua popularidade no mundo, sendo frequentemente escolhido por pessoas que moram em casas pequenas ou apartamentos para serem suas companhias. Graças a sua personalidade, entretanto, também é animal preferido por donos que ocupam grandes mansões, não se limitando então aos que possuem reduzidos espaços.
O yorkshire terrier, como conhecido nos dias mais próximos, difundiu-se por todo o mundo. Em 1932 apenas trezentos foram registrados no Kennel Clube Britânico, ao passo que em 1957 este número subiu para 2 313 e, em 1970, chegou a ser a raça mais popular da Inglaterra. Na década de 1990 atingiu o ápice de exemplares em lares, ao atingir os 25 665. Contudo este número reduziu-se próximo da metade em apenas quatro anos.
No ano de 2009 foi eleita uma das dez raças mais populares do mundo em pesquisa que ressaltava seu temperamento corajoso, seu companheirismo e o seu tamanho, próprios para companhia sem restrição de idade.

OS YORKSHIRES NA CULTURA HUMANA
Os yorkshires são presença constante na cultura humana desde que surgiram como caçadores em miniatura na Europa. Úteis, foram usados como rateiros nas sujas vilas britânicas que nasciam ao redor das grandes fábricas. Ao notar sua eficiência enquanto trabalhador, o homem passou a usa-lo em competições de rateiros em bares da região de Yorkshire: quanto maior o número de ratos apanhados, maior era o valor do vencedor. Atrelado a este valor estava também a busca por cães menores, mais ágeis, belos e versáteis, sempre com o foco no lucro. Quando por volta de 1859 surgiram as primeiras exposições, os pequenos cães já eram os favoritos na Inglaterra, sendo então acasalados entre si, para gerarem exemplares ainda menores e puros.
Após os esforços de aperfeiçoa-los, os yorkshires começaram a conquistar inúmeros títulos e prêmios ao redor do mundo em pistas de glamour e exposições de raças. Do maior campeão da raça e um dos primeiros a se destacar permaneceram seus trinta filhotes, cujo padrão é bastante semelhante ao estabelecido pela FCI, e cujo neto conquistou o primeiro título norte-americano em exposições
Bem como ocorrido com inúmeras raças, a yorkie teve sua criação prejudicada durante a Segunda Guerra Mundial, quando praticamente parou de ser desenvolvida após se tornar popular na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos. No entanto, sem sofrer com inúmeras baixas ou com o perigo da extinção, sua criação foi retomada com o fim da guerra, em 1945. 
Famoso, tornou-se o cão ideal de muitos lares, seja por sua beleza, seja por sua personalidade. Por vezes considerado uma raça da moda, pode ser facilmente visto na companhia de celebridades como Xuxa, Gisele Bündchen e Brett Favre.

Entre os yorkshires que se destacaram na sociedade humana, pode-se citar Smoky, que serviu na Segunda Guerra Mundial. Encontrada em 1944 por um soldado americano na Nova Guiné, pensou-se que ela pertencia aos japoneses. Como a cadela não entendeu nenhum dos comandos na língua oriental, bem como na língua inglesa, foi vendida ao Cabo William A. Wynne, acompanhando-o em campo de batalha, acondicionada em sua mochila durante as patrulhas aéreas. Tendo aprendido truques, Smoky passou a entreter as tropas durante as viagens da Austrália à Coreia. Com o fim da guerra, mudou-se para os Estados Unidos com seu dono, onde teve sua história contada em um jornal e onde acabou por tornar-se famosa. Por dez anos Smoky viajou por todo o país fazendo apresentações e aparecendo em programas de TV. Faleceu em 21 de fevereiro de 1957, aos aproximados quatorze anos. Em 11 de novembro de 2005, Dia do Veterano, foi inaugurado um monumento no Cleveland Metroparks, na Reserva de Rocky River, em Ohio, em sua homenagem. A escultura mostra a cadela sentada dentro de um capacete de guerra. Em Cleverland existe ainda um memorial, no qual vê-se sua foto e lê-se a seguinte passagem: O menor soldado da Segunda Guerra Mundial e o mais famoso cão de guerra.

Outro destacado yorkshire foi Blairsville Royal Seal, também conhecido por "Tosha", apelido ganho de seus admiradores. Criado por seu proprietário Sr. Brian Lister e sua esposa, Rita, foi considerado o "rei entre os cães". Tosha ficou conhecido por sua presença, sentida até mesmo por um novato. Seal foi um dos mais famosos cães de pista de todos os tempos e, durante sua carreira de exposições, conquistou 50 CCs, sob os olhos de 50 juízes diferentes; foi best in show por 12 vezes, e por 16 vezes reserva de best in show; conquistou 33 prêmios de Melhor de Grupo; e foi ainda o Top Dog de todas as raças durante dois anos consecutivos, tornando-se assim o antepassado de muitos campeões, caracterizando, ainda hoje, um diferencial nos pedigrees de alguns yorkshires atuais. Morreu aos quinze anos de idade, em 1988, mesmo ano em que seu recorde de CCs fora quebrado por Osman Sameja, que encerrou a carreira com 52, embora admita-se hoje que alguns resultados foram duplicados.

Algo bom ou ruim para seu desenvolvimento como raça, outros três yorkshires ficaram famosos após figurarem, em 2005, no Livro dos Recordes como os menores cães vivos do mundo: Pequeno Pinóquio e Whitney foram marcados com, respectivamente, 10,3 cm no comprimento e 7,6 cm na cernelha. No entanto, como de fato o menor cão do mundo em ambas as medidas, esteve o yorkshire do britânico Arthur Marples, que adulto mediu 9,5 cm no comprimento e 7,11 cm na cernelha. No cinema figurou ao lado de Audrey Hepburn em Funny Face; Na tv, esteve ao lado de Carmen Electra no programa Til Death Do Us Part: Carmen and Dave; E na literatura, foi Yorky em Fred Basset de Alex Graham.

APARÊNCIA GERAL: de pelagem longa; o pelo cai perfeitamente reto, repartido por uma linha que se estende da trufa à extremidade da cauda, de maneira igual para cada lado. Muito compacto e de contorno definido, porte imponente (empinado), o
que lhe confere um ar importante. O conjunto de suas formas revela vigor e um corpo bem proporcionado.

COMPORTAMENTO/TEMPERAMENTO:.alerta,,inteligente terrier de companhia. Cheio de vivacidade e disposição.
A inteligência canina é campo ainda sob estudos. Contudo, uma das listas mais conhecidas foi a elaborada pelo veterinário e neuropsicólogo, Stanley Coren, na qual divide a inteligência dos cães em três: adaptativa (capacidade de resolver problemas), instintiva (comportamento ditado geneticamente) e de obediência (capacidade de obedecer a comandos). Nesta listagem, o yorkshire terrier ocupa a 27ª posição, ao lado do chesapeake bay retriever e do puli, sendo classificado o mais inteligente entre os terriers, duas colocações a frente do segundo representante deste grupo, o airedale terrier, bem como qualificado como um cão de trabalho acima da média.

Sua personalidade, apesar do tamanho reduzido, é em geral vista como aventureira. É ainda classificado como um pequeno animal cheio de energia, bravo, leal e esperto. Ainda sob aspectos gerais, é um canino de temperamento descrito como carinhoso e afável, características primordiais para o sucesso como cão de companhia em lares ao redor do mundo. Por seu tamanho, é capaz de conviver com crianças, embora não aprecie o convívio com outros cães, já que é um animal territorial. Tal adjetivo o torna um bom cão de guarda, sempre alerta e atento, apto a dar sinal ao menor dos ruídos. Esta qualidade é também vista como um defeito, já que o alarme é dado através de latidos constantes. Qualificado como ativo, é ainda independente, já que não tem como preferência ficar no colo de seu dono, embora não goste de passar muito tempo sozinho. De acordo com classificação geral de adestramento canino, o yorkie é um animal que apresenta desafio de obediência moderado a donos inexperientes.

Presente nos lares desde a Revolução Industrial, é um cão bastante popular ainda nos dias de hoje, sendo considerado o cão de raça miniatura mais popular do mundo. No Brasil é desde 2001 a raça número um; Em 2007, figurou como a terceira raça mais popular em Portugal; E, em 2009, foi eleita a terceira raça mais popular em todo o mundo embora, três anos antes, também tenha sido o primeiro colocado em lares da Espanha.

Versáteis e facilmente adaptáveis, estes são animais criados para viverem dentro de um apartamento ou em uma fazenda. No entanto, requerem cuidados não importando onde seus donos desejem morar. Até os seis meses de vida ou até que seja vacinado, é indicado que o yorkie permaneça dentro de casa, a fim de evitar doenças e o próprio ambiente externo em si, no qual poderá cavar, rastejar e fuçar. Como animal ativo, necessita ainda de exercícios diários, não apenas para desenvolver sua musculatura e suas habilidades instintivas, mas também para manter-se calmo e obediente, o que evita o estresse e, consequentemente a depressão.[56]

CABEÇA
REGIÃO CRANIANA
Crânio: mais para pequeno e plano, não muito proeminente ou arredondado.
REGIÃO FACIAL
Trufa: preta.
Focinho: não muito longo.
Maxilares/Dentes: perfeita, regular e completa mordedura em tesoura. Os dentes são bem colocados em maxilares de igual comprimento.
Olhos: de tamanho médio, escuros, brilhantes, com expressão inteligente e de inserção frontal. Não proeminentes. Bordas palpebrais escuras.
Orelhas: pequenas, em forma de “V”, portadas eretas, sem serem muito afastadas, revestidas de pelagem curta, de cor fulvo saturado e intenso.

PESCOÇO: de bom comprimento.
TRONCO: compacto.
Dorso: nivelado.
Lombo: bem firme.
Costelas: moderadamente arqueadas.

CAUDA: anteriormente era costume ter a cauda cortada.
Cortada: de comprimento médio, com muito pelo; de cor azul mais escuro que o restante do corpo, especialmente na extremidade da cauda. Portada um pouco mais alta que o nível do dorso.
Não Cortada: com bastante pelo, de coloração azul mais escuro que o restante do corpo, especialmente no final da cauda. Portada um pouco mais alta que o nível do dorso. Tão reta quanto possível. O comprimento deve dar ao cão uma aparência balanceada.

MEMBROS
Anteriores: pernas retas, bem revestidas de pelagem castanho dourado intenso, levemente mais claro nas pontas que nas raízes, não ultrapassando acima do nível dos cotovelos.
Ombros: bem inclinados.
Posteriores: vistos por trás, membros perfeitamente retos. O joelho é moderadamente angulado. Bem revestidos de pelagem castanho dourado intenso, cujas pontas são alguns tons mais claros que as raízes, não ultrapassando acima do nível dos joelhos.
PATAS: redondas; unhas pretas.

MOVIMENTAÇÃO: livre, com boa propulsão. Anteriores e posteriores trabalham corretamente direcionados para a frente, mantendo a linha superior nivelada.

PELAGEM
Pelo: no tronco, o pelo é moderadamente comprido, perfeitamente reto (sem ondulações), brilhante; de textura fina e sedosa, nunca lanosa. Na cabeça, é longo, de cor castanho dourado intenso, e de cor mais saturada nas faces, na base das orelhas e no focinho, onde o pelo é bem longo. A cor castanho da cabeça não deve alcançar o pescoço, bem como não pode haver mescla de pelos escuros ou
encarvoados na cor castanho em qualquer parte do corpo.
COR: azul aço escuro (não azul prateado), estendendo-se do occipital à raiz da cauda, jamais mesclados de pelos fulvos, bronze ou escuros. No peito, a pelagem é de um castanho intenso e brilhante. Todos os pelos de cor castanho são mais escuros na raiz que no meio, ficando ainda mais claros nas pontas.

PESO: até 3,1 quilos.

NOTAS:
• os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem descidos e acomodados na bolsa escrotal.

IN:
" Confederação Brasileira de Cinofilia" 
WIKIPÉDIA

.

ESCOLHAS DE FIM DE SEMANA E DO MÊS


COMPRE JORNAIS E REVISTAS
















.

7 - MICROCOSMOS

imagens  de insectos, partes do corpo humano e artigos domésticos 

Microcosmos: coloured scanning electron micrograph (SEM)

A ponta da lingua (proboscis) duma borboleta-colibri (Macroglossum stellatarum)


PERGUNTAS!!!





Ele perguntou ..... O que fizeste a todo o dinheiro que te dei para a mercearia?


Ela respondeu .... Vira-te e olha para o espelho !


A CANOA


video



.
ESPAÇO NAVE TERRA
SEMANA 13


 
Episódio da série Espaçonave Terra, que mostra as relações entre a Terra, o Sol e os planetas do Sistema Solar, e as conseqüências dessa relação para a vida em nosso planeta - cada episódio equivale a uma semana do ano.

NR: Os episódios anteriores desta série foram inseridos nos sábados precedentes às 13h00

ANGOLA


video
VEJA EM TELA CHEIA

ANGOLA É MUITO BELA

.
.



11 CONSCIÊNCIA 


PESADA
 
 


 

CANO CRISTALES

O RIO COLORIDO


video



BOM DIA