domingo, 14 de agosto de 2011

- UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

 
Três cachorros se encontram na sala de espera do veterinário. Um dobermann, um pastor alemão e um São Bernardo.

Conversa vai, conversa vem, o pastor pergunta para o dobermann:

- Por que você está aqui? 

- Sabe como é... Muito tempo tomando conta da casa, estava na secura e, ontem, a cunhada de meu dono levou a cachorrinha dela em casa. Não deu outra: tracei a coitada. Resultado: meu dono, aquele filho da puta, mandou me castrar.

- E você, pastor?

- Foi mais ou menos a mesma coisa... A falta de uma cadelinha me fez perder a cabeça. Foi uma amiga de minha dona lá em casa e não teve jeito. Agarrei a perna dela e me ralei todo nela... Um tesão... Mas, como nem pé de mesa eu tenho perdoado, a minha dona mandou me castrar também...

Os dois, percebendo que o São Bernardo escutava a conversa atento, perguntaram, quase ao mesmo tempo:

- E você aí, o que tá fazendo aqui?

- É, foi a secura também... Meu dono chegou todo molhado, porque choveu muito, tomou uma ducha bem quentinha, um banho de loção Nívea Baby, talquinho ali, creminho aqui e caiu de bruços na cama, exausto, quase desfalecido, coitado... Foi aí que eu não agüentei: pulei em cima dele e mandei ver...

- E aí ele te mandou castrar também? - perguntaram os dois, ao mesmo tempo...

- Não, não, mandou aparar minhas unhas...
 



.

A grande diferença entre homem e mulher...




palavras para quê?


.

De cabeça perdida


Uma prática comum para tirar fotografia nos anos de 1920 parece ter voltado à moda. É o “horsemaning”, que já é apontado como o novo planking (ou, quem sabe, o planking seja uma espécie de “novo horsemaning”). Entrar na onda é simples: só vai precisar de mais dois amigos e, é claro, uma máquina fotográfica.














E ESTA DE 1920



.



NÃO LEVE A VIDA 
TÃO A SÉRIO !!!!!!
 
DANCE...




enviado por A. DIAS

.

FILIPA ESPERANÇA



Ainda a reabilitação urbana

Aqui fica um levantamento de algumas das insuficiências do Regime Jurídico da Reabilitação Urbana, que se desejam sejam ultrapassadas

Uma das medidas aprovadas pela Resolução de Conselho de Ministros 20/2011, de 23 de Março, e acolhida no Memorando de entendimento da troika com o governo anterior, consiste na simplificação dos procedimentos administrativos tendentes à renovação de prédios urbanos, visando a eliminação de obstáculos, para diminuição de custos e mais rápida realização, também no sentido de facilitar a obtenção de financiamento.

Ora, muito embora o Regime Jurídico da Reabilitação Urbana (RJRU) a que se refere o Decreto-Lei n.o 307/2009, de 23 de Outubro, também tenha sido aprovado com o intuito de estimular os particulares para a revitalização das cidades, a aplicabilidade deste RJRU não veio a revelar-se isenta de problemas. Neste sentido, aqui fica um levantamento de algumas das insuficiências do RJRU, que se deseja sejam ultrapassadas.

Ao introduzir o conceito de "área de reabilitação urbana", enquanto área identificada, mediante diagnóstico específico, de reconhecida necessidade de reabilitação integrada, com definição dos objectivos de acção, o RJRU determinou que tal definição fosse promovida pelos municípios através de instrumento próprio ou de plano de pormenor de reabilitação urbana. Apenas quando a área de reabilitação urbana fosse definida por plano de pormenor, as operações urbanísticas promovidas por particulares, nesse âmbito, ficariam isentas de licença e sujeitas ao regime de mera comunicação prévia, por articulação com o Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação (RJUE).

Acontece que as especificidades destas áreas de reabilitação urbana implicam planos de pormenor com conteúdos materiais muito exigentes, o que, em última análise, acaba por frustrar esta possível simplificação de procedimento. De salientar que, caso a área de intervenção abranja imóvel classificado ou em vias de classificação e respectivas zonas de protecção, o que em centros históricos urbanos acontecerá não raras vezes, o plano de pormenor tem também de perseguir os objectivos e fins de salvaguarda do património cultural, jamais implicando que as operações urbanísticas que aí venham a realizar-se fiquem isentas de licença.

Assim, o procedimento mais célere e menos burocrático de comunicação prévia a que estas operações urbanísticas podem, eventualmente, ser sujeitas fica comprometido se as autarquias, tendo de delimitar as áreas de reabilitação urbana, optarem por instrumento próprio, como deverá suceder, em vez de recorrerem ao plano de pormenor, de maior exigência técnica.

A este propósito, a Resolução do Conselho de Ministros 20/2011 procura ultrapassar esta dificuldade, referindo no seu preâmbulo que o procedimento especial, muito simplificado, de controlo prévio das operações urbanísticas que venha a ser criado será aplicável a edifícios localizados em áreas de reabilitação urbana ou construídos há mais de 30 anos, sempre que se trate de obras que preservem as fachadas e mantenham a altura do edifício. A resolução refere ainda no seu preâmbulo que o procedimento de delimitação, pelos municípios, das áreas de reabilitação urbana deverá também ser simplificado. Resta saber se estas ideias positivas referidas genericamente no preâmbulo serão efectivamente acolhidas, dependendo o seu sucesso da forma como venham a ser desenvolvidas.

Sendo unânime que a reabilitação urbana é o caminho a seguir e que o caminho se faz caminhando, veremos se a marcha acelera desta vez.

Advogada

IN "i"
12/08/11

.


PREOCUPAI-VOS



"Quando o Superman tem que rezar, meus caros, é porque a coisa tá feia..."
 
.

Vamos lá Praticar!!!




Já agora, menos de 75% é para ir prá escolinha novamente... 

Ç

 Handel
Per le porte del tormento




.


3- MEIA IDADE





ASSALTO CHINÊS 
À MADEIRA DE MOÇAMBIQUE
clique 2xs para ler bem



IN "MEDIAFAX"
11/08/11

.


6 – Imaginária é a ponte entre 
hoje e amanhã




CERIMÓNIA ÁRABE






.


HOJE NA
" VISÃO"


ONU: 
Jovens portugueses podem candidatar-se a vagas na organização até Setembro
Nova Iorque, 14 ago (Lusa) -- As Nações Unidas recebem até 10 de setembro ofertas de candidatos portugueses até 32 anos, num concurso internacional de preenchimento de vagas nos departamentos de comunicação, administração e outros.

Tal como países lusófonos como o Brasiou Angola, Portugal é um dos países incluídos este ano no "Programa de Jovens Profissionais" da ONU, para preenchimento de até 150 posições na organização internacional, segundo disse à Lusa Lynne Goldberg, do departamento de Recursos Humanos da ONU.

"Vai haver oportunidades nos Departamentos ou gabinetes para pessoas que têm habilitações de jornalismo e cursos de relações públicas, administração empresarial, estatística e e assuntos humanitários, ou relacionados", adiantou Goldberg em declarações em Nova Iorque.


* Esta oportunidade é para emigração de luxo


.



  7– ARTE URBANA






.


BOM DIA


.