segunda-feira, 25 de julho de 2011

- UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA


O PODER DE UM TELEFONEMA

O António liga para casa numa tarde, para saber o que a esposa vai fazer para o jantar.
- Alô? - diz uma vozinha de criança.
- Olá, querida, é o papá. A mamã está perto do telefone?
- Não, papá., tá lá em cima no quarto com o tio Zorze .

Após alguns segundos, o fulano diz:
- Mas querida, você não tem nenhum tio chamado Zorze !!!
- Tenho, tenho! E ele está lá em cima no quarto com a mamã.
- Tá bom, então quero que você faça o seguinte: suba as escadas a correr , bata á porta do quarto com força e grite para a mamã e para o tio Zorze que o meu carro acabou de parar na frente de casa.
- Tá bem, papá, eu vou lá!
Alguns minutos depois, volta a menina:

- Já fiz o que o papá disse!
- E o que aconteceu?
- Bem, a mamã pulou da cama toda nua e começou a correr pelo quarto gritando, tropeçou no tapete e caiu pela janela da frente, e agora acho que ela está morta, não responde nada e sangrou muito...
- Oh, meu Deus!!! E o tio Zorze ? -
- Ele pulou da cama também todo nu, estava muito assustado, e pulou pela janela do fundo para dentro da piscina, mas ele deve ter esquecido que o papá esvaziou a piscina na semana passada para limpar, daí ele bateu com a cabeça no fundo e agora está lá, morto também...
Uma longa pausa, o António diz:

- Piscina??? Por acaso o telefone dai é o 239 123 456???
- Não!
- Ah! Desculpe, foi engano!!!

.
6 - FILOSOFIAS





.
3- A Indústria da Música Exposta




A Indústria da Música Exposta é uma série que trata de conspiração em Hollywood, divididas em algumas partes, sem previsão de conclusão, que enfoca principalmente as situações estranhas na mídia. A primeira parte aborda o Controle Mental Monarca, que é necessário que todos entendam o conceito para poder prosseguir assistindo à série. Essa parte mostra quais seriam as possíveis vítimas monarcas e porque eles têm se comportado de uma forma "excêntrica". As vítimas monarcas são usadas para propagar a Nova ordem Mundial e é dessa forma que tem sido desde o início do projeto.


.


HOJE NO
" O PRIMEIRO DE JANEIRO"


Décadas de queda da indústria naval
Em algumas décadas, em Portugal, esta indústria passou de 26 mil empregados para os cerca de mil trabalhadores atuais.

A indústria naval portuguesa já empregou 26 mil pessoas mas, hoje, restam os Estaleiros Navais de Viana do Castelo como a última grande empresa de um setor que nunca se conseguiu levantar após a chegada dos construtores asiáticos. O contra-almirante Victor Gonçalves de Brito, um dos maiores especialistas em indústria naval, recorda que o pico do setor foi atingido em meados dos anos setenta. Desde então o setor só tem perdido postos de trabalho, empresas e encomendas, até aos cerca de mil trabalhadores atuais 'Maior produtividade, menores custos de produção e condições de mercado distorcidas', são os motivos na alteração do mercado. Há cerca de 40 anos, só nos estaleiros de Viana do Castelo (ENVC), a construção e reparação naval empregava mais de 2500 trabalhadores, na LISNAVE mais de 8500 e em Setúbal (SETENAVE) cerca de cinco mil. A estes somavam-se ainda 3400 trabalhadores no Arsenal do Alfeite e cerca de dois mil espalhados por outros estaleiros. 'Portugal apenas deverá aspirar à construção de navios em nichos dentro dos nichos, aproveitando situações pontuais de ocasião', afirma. 'Portugal deixou de ser competitivo', admite, assinalando que o País não tem custos de produção baixos, produtividade ou sequer capacidade de gestão 'adequadas', Entre o 'nicho tecnológico', ao alcance de Portugal, conta-se, defende ainda, a aposta nas renováveis, 'sobretudo grandes estruturas oceânicas de energia'.


* A pesada herança do cavaquistão


.

Emiliano Salinas

Una respuesta ciudadana a la violencia





O filho do ex-presidente mexicano Carlos Salinas num veemente protesto contra o crime organizado no seu país

.


HOJE NO
" DIÁRIO ECONÓMICO"
 
Rendas actualizadas desde 2006 são inferiores a três mil
‘Troika’ quer nova legislação até final do ano. Governo prevê que rendas sejam actualizadas por negociação privada.

Nos últimos cinco anos os senhorios actualizaram menos de três mil rendas antigas. Um valor muito incipiente já que a meta prevista, quando o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) entrou em vigor em Junho de 2006, era de 20 mil rendas por ano. Tendo em conta o objectivo inicial, desde a entrada em vigor das novas regras, apenas 2,7% das rendas foram actualizadas, ainda que o anterior Governo tenha revisto anualmente o objectivo em baixa.

A nova lei pretendia simplificar o processo de actualização das rendas antigas e de valores muito baixos. No total existem 429 mil rendas anteriores a 1990. Os dados foram fornecidos pelo Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) ao Diário Económico, que salvaguarda, contudo, que o número de rendas actualizadas pode ser superior aos dados que constam da plataforma do IHRU. Isto porque "nem todas as actualizações de renda estão registadas na Plataforma embora aí tenham sido iniciadas e atribuído o respectivo coeficiente de conservação", uma vez que "os senhorios não estão obrigados a fazer a comunicação de actualização de renda".

Na tentativa de mudar aqueles resultados, o memorando de entendimento entre a ‘troika' e Portugal prevê que o Governo apresente, até ao final do terceiro trimestre, medidas para alterar o NRAU, sendo que no final do ano já terá de haver uma proposta de lei entregue na Assembleia da República. Segundo o documento da ‘troika', o plano de reforma deve introduzir medidas que facilitem a eliminação dos mecanismos de controlo de rendas e que reduzam o prazo de pré-aviso de rescisão dos contratos de arrendamento, além de prever a agilização dos processos de despejo. Algumas destas medidas já tinham, aliás, sido colocadas em marcha pelo Governo de Sócrates em negociações com os restantes parceiros sociais.

O Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território nada adiantou em relação às medidas que estão a ser preparadas, avançando apenas que "é um assunto que ainda está em estudo". Mas o programa de Governo vai ao encontro de algumas daquelas medidas. O Executivo quer que o mecanismo de actualização de renda dependa das condições de habitabilidade do imóvel e que resulte da negociação privada entre senhorio e arrendatário, sendo acompanhada de regras de protecção social, para os inquilinos com maiores dificuldades económicas. O objectivo é permitir a convergência do valor da renda para montantes mais actualizados.


* O negócio do arrendamento deve ser bom para ambas as partes


.

MANUEL CATARINO



Licença para matar

Havia todos os motivos para tirar a arma a António Oliveira – o reformado da PSP que na terça-feira acertou com três tiros num cabo da GNR.

Há pelo menos um ano que António Oliveira dava sinais de ter um fraquinho por sacar do revólver e puxar o gatilho – espécie de demência que faz dele um perigo público: um tipo instável e conflituoso, como aconselham as regras do bom senso e a prudência, não pode andar armado.

A PSP, que licencia e fiscaliza o uso e porte de arma, não reparou que António Oliveira era um fanfarrão com uma perigosa fé no seu revólver – tanto que ameaçou dois militares da GNR na sequência de um vulgar acidente de trânsito. O caso chegou a tribunal. António Oliveira foi condenado por injúrias e agressões aos militares da Guarda. Também a Justiça, lida a sentença, não se interessou por saber se ele tinha licença de uso e porte de arma de defesa – e o ‘cowboy’ continuou alegremente autorizado a andar armado. Até que fez uso do revólver. Agiu por ódio e vingança. Só não matou por sorte. Por negligência da PSP e do tribunal tinha licença para matar.

IN "CORREIO DA MANHÃ"
21/07/11


2 - PUBLI-INSÓLITO

Roupa de homem devidamente apreciada por uma especialista de moda

.


HOJE NO
" DIÁRIO DE NOTÍCIAS"


Empresas multadas por contratar ilegais
aumentaram 12% em 2010
Os processos de contra-ordenação a empresas por contratação de imigrantes ilegais aumentaram 12 % em 2010, face ao ano anterior, revela um relatório do SEF, que no mesmo ano negou a entrada de 2.000 pessoas em Portugal.

Estes dados constam do Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo (RIFA), elaborado pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que indica que, em Dezembro de 2010, houve um decréscimo global de 11,9% nos processos de contra-ordenação contra cidadãos, realçando-se, porém, o aumento de 12,28% das participações contra empresas, por empregarem ilegalmente estrangeiros. No domínio do controlo de estrangeiros, foram registadas 7.425 notificações para abandono voluntário, (menos 7,17% do que no ano anterior) e foram instaurados 729 processos administrativos de expulsão, o que também representa uma diminuição de 10,22% comparativamente a 2009.

Contudo, perto de 600 cidadãos estrangeiros beneficiaram do programa de apoio ao retorno voluntário, um aumento de 46,7%, sendo o Brasil o país mais representativo. Foi negada a entrada em Portugal de 2.068 pessoas, nomeadamente provenientes do Brasil, Angola, Guiné-Bissau, Senegal e Venezuela, entre outros, o que representa uma redução de 19,34% face a 2009 e que confirma "a tendência decrescente assinalada desde 2004". O relatório mostra que "não houve alterações dignas de registo em termos dos fluxos migratórios irregulares para Portugal durante 2010, face aos anos precedentes, verificando-se a clara predominância dos fluxos da América Latina, esmagadormente provenientes do Brasil". O continente africano é o segundo mais relevante, em termos de proveniência de fluxos irregulares. Ao nível da Europa de Leste, a Ucrânia continua a ser representativa. Na área da investigação criminal, regista-se o predomínio da criminalidade relacionada com o uso de documentação falsa ou falsificada, o casamento de conveniência e o auxílio à imigração ilegal.

O SEF concluiu a investigação de 348 processos-crime e, quanto à nacionalidade, prevalecem os arguidos portugueses, brasileiros, cabo-verdianos, guineenses e indianas. O relatório lembra o processo "Trufas-Odessa", que levou à condenação de seis arguidos, de nacionalidade ucraniana, em penas entre um ano e sete anos de prisão efectiva, pelos crimes de associação de auxílio à imigração ilegal, auxílio à imigração ilegal e falsificação ou contrafacção de documento. E pela primeira vez, uma pessoa colectiva foi condenada por auxílio à imigração ilegal e falsificação ou contrafacção de documento.

Em 2010 foi atribuído o direito de residência a 19 vítimas de crimes de auxílio à imigração ilegal, tráfico de pessoas e lenocínio. O documento indica também que foram registadas 572 detecções de fraude documental relativas à utilização de documentos de viagem, de identificação e de residência, menos 15,63% do que em 2009. Quanto às acções de controlo de fronteiras, o SEF controlou 10.286.998 pessoas, das quais 9.059.580 nas fronteiras aéreas e 1.727.418 nas fronteiras marítimas. Os valores corresponderam ao controlo de 68.066 voos e de 34.502 embarcações.

No controlo da permanência, foram promovidas 9.615 acções de fiscalização, tendo sido dada continuidade às "operações de grande impacto", através da realização de 15 operações desta natureza, focalizadas em objectivos estratégicos determinados.


* Xico-esperteza, xenofobia etc.....


.


6– OS MESTRES DO DINHEIRO




A história de como os Bancos Privados se tornaram a mais poderosa e infame dominação do mundo.Aborda o papel dos bancos na história e atualmente. Vindo desde a criação das primeiras Casas de Moeda na antiga Roma até hoje em dia. Como os bancos controlam as nações, impelindo-as as guerras e escravidão do povo através de dívidas e juros para paga-las.
O que as principais guerras na Europa e resto do mundo, desde Napoleão a Segunda Guerra Mundial tem em comum?Tudo isso é abordado exaustivamente num documentário mais do que completo sobre a milenar história da nossa escravidão pelo sistema monentário dos banqueiros.

.

52 - IPSIS VERBIS



VITOR GASPAR
Ministro de Estado e das Finanças


"as previsões apontam para nove trimestres consecutivos de recessão e uma contracção acumulada de 4%". 

"os parceiros europeus estão determinados a continuar a apoiar os estados em necessidade. Contudo,  este auxílio é condicionado ao cumprimento das condições inscritas no programa de ajuste económico e financeiro"


IN "IX  Forum da Banca e Mercado de Capitais"
excerto de discurso
25/07/11



HOJE NO "RECORD"


Palavras de Luisão caíram mal
direção contava com contenção verbal do central
As declarações que Luisão proferiu à chegada ao Aeroporto da Portela não agradaram aos dirigentes do Benfica. Nos últimos dias os responsáveis do clube encarnado têm tentado fazer passar a mensagem que o central continua feliz em Lisboa, logo, contavam que o jogador ontem optasse pela contenção verbal.

Desta forma, ao admitir publicamente a intenção de sair, o camisola 4 das águias fez ruir a estratégia da administração da SAD que passava por manter um clima de pacificação na véspera do primeiro jogo oficial. Recorde-se que a participação na Liga dos Campeões é considerada prioritária devido ao encaixe financeiro que assegura.


* Fofocas lampiónicas


.

DIABO NA CRUZ



.

ALMORRÓIDA DE AFECTO



Casa para 404 menores/ano
Um criança adotada por dia em Portugal

Em média é adotada uma criança por dia em Portugal, um projeto que deixou de ser exclusivo dos casais. Em abril, 385 pessoas sozinhas estavam inscritas nas listas nacionais de adoção, representando cerca de um quinto dos processos. Em Portugal existem atualmente pouco mais de 500 crianças em condições de ser adotadas, mas são mais de dois mil os processos de candidatos a futuros pais. De acordo com os últimos dados do Instituto de Segurança Social (ISS), desde junho de 2006 até abril deste ano foram adotadas em Portugal 2022 crianças. Ou seja, todos os anos 404 menores encontraram uma nova família. A maioria dos futuros pais sonha em adotar um bebé órfão mas muitas das crianças em condições de adotabilidade são meninos 'marcados por histórias de vida bastante complicadas', explicou fonte do ISS.


IN "O PRIMEIRO DE JANEIRO"
25/07/11

 
HOJE NO "PÚBLICO"


Manifesto de Breivik: cerca de 11 mil “traidores” 
portugueses deveriam morrer
No manifesto de 1500 páginas atribuído a Anders Behring Breivik, o norueguês fala em campanhas de “ataque decisivo” com antraz que deveriam ter como alvo cerca de 11 mil “traidores” em Portugal (10.807). Na Alemanha esse número de traidores identificado ascenderia aos 82.820.

“Se conseguirmos estabelecer um laboratório na Europa e se conseguirmos o equipamento adequado, seremos capazes de lançar uma campanha de ataque decisivo. Esta operação irá envolver pelo menos 21 indivíduos (dependendo de já termos ou não a quantidade necessária de antraz) e irá requerer uma lista completa dos traidores de categoria A e B (o autor não explica a diferença entre uns e outros)”. Para levar a cabo a tarefa, Breivik estimava que seriam precisos “entre um a dois gramas de antraz por pessoa”, que seriam expostas a esta substância letal através de cartas.
No extenso documento, Portugal (identificado como tendo uma população muçulmana variando entre os 5 e os 7 por cento) é assinalado globalmente como um país de “prioridade moderada” nos ataques anti-islâmicos, ao contrário de países como França e Alemanha, que são classificados como tendo prioridade “muito alta”.

O autor indicava anteriormente, numa tabela, a percentagem de população muçulmana existente em Portugal em 2009 (2% - 3%) e projectava a sua evolução para os anos 2030 (8%), 2005 (16%) e 2070 (32%).
Às tantas o autor refere-se a Durão Barroso. Quando se propõe a enumerar dez razões para o fim da União Europeia acaba, num dos pontos, a criticar o ex-primeiro-ministro dinamarquês Anders Fogh Rasmussen, que escolheu ser secretário-geral da NATO em vez de continuar no seu posto. E depois acrescenta: “Uma coisa semelhante aconteceu em Portugal, onde o primeiro-ministro [Durão Barroso] respondeu aos apelos dos líderes da Alemanha e da França e não ao seu próprio eleitorado”.

Mais à frente, Durão Barroso é nomeado directamente, numa passagem da autoria de um Fjordman. “Em Maio de 2008, o Presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, disse que o Islão faz parte da Europa e condenou o conceito de choque de civilizações. ‘O Islão faz parte da Europa. É importante percebermos isto. Não devemos ver o Islão como algo de fora da Europa. Já temos uma importante presença do Islão e de muçulmanos entre os nossos cidadãos’, disse Barroso numa conferência de imprensa. (...) Eu acho isto especialmente triste uma vez que Barroso, antes de se tornar no líder não eleito da UE, era primeiro-ministro de Portugal, um país que esteve durante séculos sob o jugo islâmico. Será que os Portugueses sentem a falta do seu estatuto de dhimmis [pessoas não-muçulmanas que vivem num país governado pela lei islâmica]?”
Adiante, o autor elabora uma tabela em que indica, por país, o grau de doutrinação a que estão sujeitos os seus cidadãos em termos de multiculturalismo. Eslováquia e Eslovénia estão no topo desta tabela que vai de 1 a 90. Portugal aparece mais ou menos a meio, com 40.

Numa parte consagrada à identificação dos partidos políticos dos diferentes países que apoiam o multiculturalismo, o autor refere as seguintes formações portuguesas que apoiarão os “marxistas culturais, os humanistas suicidas e os capitalistas globalizados”: Partido Socialista, Partido Social-Democrata, Partido Comunista Português, Bloco de Esquerda e Partido Ecologista "Os Verdes". Todos estes partidos estão correctamente identificados com os nomes em Português e respectiva tradução para inglês.
Mais à frente o autor enumera também os partidos portugueses nacionalistas ou “contra-imigração”: Centro Democrático e Social - Partido Popular (identificado como “moderado”), Partido Nacional Renovador, Frente Nacional (identificado como micro-partido radical), Partido Popular Monárquico e Partido da Nova Democracia.

* O povo norueguês não merecia esta tragédia


.


5 - SAHARA HUMANIZADO










.

HOJE NO
"i"


Pais que procuram a melhor educação 
para os filhos só podem ser trafulhas
Falsificar documentos, arrendar casas, abdicar da tutela 
dos filhos ou pressionar directores são esquemas 
usados para escolher a escola pública

Pai ou mãe que se preze faz tudo pelos filhos. E quando chega o momento de eleger a melhor escola pública o instinto maternal/paternal é capaz de superar os mais difíceis obstáculos. Pais preocupados com a educação dos filhos chegam ao ponto de falsificar documentos, arrendar casas ou abdicar da tutela dos seus filhos só para terem direito a uma vaga na escola que consideram ser a ideal.
Pais que a todo o custo querem matricular os seus filhos nas suas escolas preferidas não se importam de madrugar para serem recebidos pelo director. Nem sequer ficam constrangidos por continuar a insistir, na esperança que um director possa ser vencido pelo cansaço. Quando se trata da educação dos miúdos, uma boa parte dos pais começa a mexer os cordelinhos seis meses, ou até mais, antes do início do ano lectivo.
A escola pública é uma livre escolha até certo ponto. Só entram os filhos com os pais a trabalhar ou a morar na área de abrangência do agrupamento, a não ser que sejam portadores de deficiências ou tenham irmãos a frequentar o mesmo estabelecimento de ensino. Caso contrário, sujeitam-se à lei das vagas.
As inscrições para o próximo ano lectivo estão feitas, mas só no final deste mês é que as direcções determinam quem são os novos alunos a entrar nas escolas. Só que, muito antes desta data, já os pais andam a rondar os directores. Vale quase tudo. Da chantagem psicológica ao "choradinho", até à teimosia sem limites, conta Maria do Rosário Gama, que até Junho dirigiu a secundária Infanta D. Maria (Coimbra), a escola pública mais bem colocada nos rankings dos exames nacionais: "É uma pressão muito grande, que este ano começou logo em Março. Cheguei até a ter um pai à porta da minha casa a dizer que não arredava pé enquanto o seu filho não entrasse para a escola."
Furar a lei O "assédio desmedido" não é contudo a estratégia mais comum, esclarece a professora que se aposentou este ano. Indicar o nome de outro familiar a residir mais próximo da escola para encarregado de educação do seu filho ou falsificar a morada são os subterfúgios mais recorrentes para furar a lei: "As escolas não têm como investigar todos os processos, a não ser que se deparem com casos flagrantes, como já aconteceu há uns anos ter cinco alunos de famílias diferentes a residir na mesma morada."
Na secundária José Gomes Ferreira, em Lisboa, desde Maio que o director diz receber todas as manhãs entre cinco e seis pais ansiosos por saber o que é preciso fazer para os seus filhos entrarem na escola. "Querem conhecer como funciona a escola, quais são os critérios. Eu percebo a ansiedade deles, mas digo--lhes que mais não posso fazer do que aplicar as normas", conta Manuel Esperança.
Se Maio é muito cedo, noutra escola bem classificada nos rankings nacionais, os telefonemas, os emails ou os faxes dos pais começaram a chover logo em Janeiro. As solicitações no início do ano servem apenas para os pais perceberem se as suas moradas coincidem com a área de influência da escola. Só depois é que surgem as tentativas para contornar as regras, explica o director de uma escola básica da Grande Lisboa que só contou ao i as trafulhices dos pais sob a condição de manter o anonimato.
Nesta escola os documentos são passados a pente fino, garante o director, mas esse zelo tem um preço. "São muitas e muitas horas que perdemos a verificar os processos. Diria que, se as informações estivessem correctas, metade dos alunos, ou até mais, tinha pais separados e entregues a familiares, o que seria grave e obrigar-me-ia a alertar a Comissão de Protecção de Menores", ironiza.
E, mesmo assim, ainda há quem consiga enganar este director: "No ano passado, um pai veio ter comigo para dizer que ter o filho na minha escola saiu caro mas valeu a pena." Sendo a escola pública gratuita, o director estranhou o queixume e só ficou esclarecido com a confissão do encarregado de educação: "Arrendou uma casa, pagou dois meses de caução e mesmo assim está convencido de que foi a melhor opção."
Lei omissa. Detectar fraudes é, no entanto, um trabalho que poucas escolas conseguem fazer, adverte Manuel Esperança. A actual lei, aliás, nem sequer especifica que o encarregado de educação tem de ser o pai ou a mãe e, por isso, esse é um dos principais trunfos usados. "Em boa parte dos casos, quando os pais nomeiam o avô ou a avó como encarregado de educação nem considero que seja fraude, tendo em conta que os alunos passam a maior parte do tempo com eles", defende o director da secundária José Gomes Ferreira.
Em casos de falsificação de documentos será sempre possível pedir comprovativos, mas perante a quantidade de processos para analisar, esse controlo nunca é rigoroso, admite Manuel Esperança. Carlos Santos, da secundária Dr. Joaquim de Carvalho, na Figueira da Foz, assegura que exige comprovativos para tudo: recibos de água, luz, renda e tudo o que dificulte a fraude: "Estou na direcção desta escola há 14 anos e nunca tive um ano em que não tivesse de me deparar com pais a reclamar."

* Realmente comovente este amor paternal a ensinar aos filhos os primeiros passos do manual da trafulhice


.

29 - GUIA DOS CURIOSOS






HOJE NO
" JORNAL DE NEGÓCIOS"



Concursos não garantem despartidarização da 
Administração Pública
O Estatuto do Pessoal Dirigente muda cada vez que um Governo toma posse. Passos Coelho garante agora que este passará a ser realmente meritocrático. Os especialistas aplaudem o empenho do primeiro-ministro mas lembram que a questão é complexa.
Falta de transparência no processo de escolha, multiplicação de cargos, submissão aos interesses partidários, criação de uma elite impenetrável. As desvantagens do sistema de nomeação política dos altos dirigentes estão identificadas no País, que aplaude a intenção de reduzir a intervenção directa do Governo na escolha das chefias do Estado. Mas o caminho anunciado por Pedro Passos Coelho não está isento de riscos. Numa versão minimalista, a alteração das regras não garante, por si só, maior independência da Administração Pública. Já numa versão radical, pode virar-se contra o feiticeiro, alimentando focos de poder corporativo que resistam a um ambicioso programa de reformas.


* Alguma corporação partidária portuguesa quer perder tachos e mordomias???


.



10 - STURGIS










HOJE NO
" CORREIO DA MANHÃ"



Nuno Crato recebeu novo “herói nacional”
"Este resultado é inacreditável e estamos aqui para o receber como se recebem os futebolistas, ele é um herói nacional". Nuno Crato, ministro da Educação e Ciência, fez questão de receber e abraçar ontem, no aeroporto de Lisboa, Miguel Santos, de 16 anos, primeiro medalha de ouro português nas Olimpíadas Internacionais de Matemática. À chegada de Amesterdão, os seis elementos da equipa, que venceu ainda duas medalhas de bronze, tinham familiares à espera, com faixas de apoio.
"Isto foi um bocado inesperado, mas foi o resultado de muito trabalho", disse Miguel Santos, aluno do 10º ano na Escola Secundária de Alcanena, frisando que "todos os resultados de Portugal se devem sobretudo ao projecto Delfos" da Universidade de Coimbra, cujos professores preparam os jovens para as provas.
Raúl Penaguião, 18 anos, da Secundária de Santa Maria (Sintra), obteve o bronze. Questionado pelo CM sobre quem o inspirou, não hesitou: "O Miguel [Santos]. Só tem 16 anos, mas muita intuição e grandes ideias". De bandeira portuguesa na mão, Ana Vale, mãe de Raúl, criticou o sistema de ensino. "Os programas das escolas são muito rígidos e desmotivam estes alunos, que já estão muito à frente. Sem o Delfos, não conseguiriam", disse. Nuno Crato, que em 2010 recebeu a equipa como presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática, afasta estes dos resultados no resto do País: "Entre os melhores, conseguimos estes resultados extraordinários, que traduzem o esforço de muita gente. Já os resultados nacionais deixam muito a desejar, há muito por fazer". À margem da recepção, Crato confirmou que apresenta esta semana aos sindicatos de professores uma proposta de novo modelo de avaliação.


* Não é futebol, é campeão olímpico de matemática e tem o ministro à sua espera, estamos em Portugal?


.

Greve numa bomba de combustível





.

HOJE NA
" A BOLA"


Manuel Fernandes inicia hoje 
funções de assessor da SAD
Manuel Fernandes prepara-se para assumir hoje, formalmente, a função de assessor da SAD do Sporting. A antiga glória do clube de Alvalade gozou um curto período de férias e, apurou A BOLA, inicia agora o trabalho num cargo em ligação directa com o administrador da sociedade leonina, Luís Duque.
Manuel Fernandes, recorde-se, foi um dos trunfos eleitorais de Godinho Lopes e começa então a exercer funções na estrutura do futebol delineada pelo agora presidente do Sporting.
Ontem o eterno capitão leonino marcou presença numa iniciativa organizada pelo Solar do Norte, que decorreu na Fundação Cupertino Miranda, no Porto, mas não quis falar sobre as funções que está prestes a assumir.


* Assessorias...


.

3 - BÉBÉS  DIVERSIFICADOS









HOJE NO
" JORNAL DE NOTÍCIAS"



Publicações nas redes sociais tramam 
candidatos a emprego

Uma empresa norte-americana especializou-se em verificar nas redes sociais o passado de candidatos a empregos. Tudo o que foi dito nos sete anos anteriores à candidatura é escrutinado para verificar a idoneidade dos possíveis funcionários.

Saber o que um candidato a um emprego numa firma fez no passado é algo comum. De forma natural, os empregadores precisam de saber a experiência profissional e académica dos futuros funcionários, mas uma nova tendência está a surgir nos EUA, revela o jornal "New York Times", com os empregadores a exigirem que os funcionários passem num teste ao seu passado nas redes sociais.

Criada há um ano, a empresa Social Intelligence especializou-se em verificar as informações publicadas nas redes sociais pelos candidatos a empregos. No dossiê entregue aos clientes, consta informação profissional de relevo, mas também dados sobre referência racistas ou a drogas na Internet, ou mesmo se publicou fotografias ou vídeos explícitos nas redes sociais.

"Não somos detectives", diz Max Drucker, director-executivo da Social Intelligence, ao jornal norte-americano. "Toda a informação que juntamos esta disponível publicamente na Internet", garante o responsável da empresa.

Como exemplo, Drucker lembra um candidato que procurava comprar na Internet um analgésico que apenas pode ser vendido mediante receita médica, ou então, recorda o director-executivo da empresa, o caso de uma candidata a um emprego num hospital que tinha publicado online fotografias explícitas. Depois da investigação da empresa, a mulher não conseguiu o emprego a que se candidatava.


* Uma PIDE internauta

*

14 - AMIGOS





1 - SUPER GRAFFITIS











.
 
3- PROFISSÕES D' OUTRAS ERAS







JORNAIS DE HOJE