terça-feira, 12 de julho de 2011

- UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA


 QUEM TEM UM MARIDO DESTES...



Querida,

Muito obrigado pela tua linda e carinhosa carta. Podes ter a certeza de que eu sei tratar de mim, por isso, não te preocupes comigo.
Durante a tua ausência, não se tem passado nada de especial cá em casa.

Enquanto estás fora, tenho preparado o meu próprio almoço, e todos os dias me espanto de como tudo tem saído bem!...Já que estou sempre com pressa, ontem decidi fazer batatas fritas. Já agora, diz-me uma coisa: era preciso descascar as batatas?

Enquanto estavam a fritar, aproveitei para ir buscar uns brioches à padaria. Quando voltei, o esmalte da frigideira tinha derretido. Nunca pensei que o estupor da frigideira aguentasse tão pouco. E tu que me dizias que o Teflon aguentava tudo e mais alguma coisa!Já consegui tirar toda a fuligem da cozinha, mas o nosso gato Fred, é que ficou preto que nem um tição, e agora tosse o dia inteiro... Desde esse dia entra em pânico e foge quando mexo nas panelas ou abro o bico do fogão. Já que pelo menos uma vez por dia preciso de uma refeição mais elaborada, quando estou a fazê-la, o Fred some-se e só aparece passadas umas horas...

Diz-me outra coisa: quanto tempo é que é preciso para cozer os ovos? Eu já os pus a ferver há duas horas, mas mesmo assim, continuam duros que nem uma pedra! Também queria que me dissesses se se pode aproveitar leite queimado. Queres que o guarde na despensa até tu voltares?Na semana passada teve um pequeno contratempo ao cozinhar umas ervilhas. Vou-te contar: agarrei numa lata e decidi aquecê-la. Mas, infelizmente, explodiu dentro do microondas. A porta do microondas foi projectada para fora da cozinha e foi dar contra a nossa pequena estufa de inverno, que claro, ficou partida, assim como a janela. Como a janela estava fechada (preciso de a fechar antes de começar a cozinhar, senão os bombeiros aparecem outra vez), a porta do microondas arrancou-a também, tal foi a força. Por sua vez, a lata de ervilhas, parecia um foguete a levantar voo!...
Atravessou o tecto e foi embater na filha do Freitas, o nosso vizinho de cima. Parece-me que ela ficou bem.

Outra coisa: já te aconteceu a louça suja ficar com mofo? Como é que isto se pode dar em tão pouco tempo? Afinal, tu foste de férias no mês passado, mas parece que foi ontem! Aliás, atrás do lava-louças há montes de bichos; daqui a pouco até vai dar para fazer um documentário e vendê-lo ao 'National Geographic'... De onde é que saíram tantos bichos cheios de pernas? Puseste alguma coisa que não devias lá atrás? Bom, isto acabou por fazer com que eu tomasse uma atitude e lavasse a louça.Por favor não me insultes, meu amor, mas aquele lindo serviço de jantar de porcelana da tua avó, já era... Eu realmente não contava com isso, afinal de contas parecia tão robusto e sólido! Bom, talvez eu tenha exagerado um bocadinho ao pôr o lava-louças no 'programa completo com centrifugação'... Aliás, a máquina de lavar roupa também se escangalhou. A faca de aço temperado que eu pus lá dentro, sem querer, estragou o cilindro durante a centrifugação, porque ficou presa na parede interna. Quanto ao cilindro, atravessou a parede de tijolos, fazendo um pequeno buraco, e foi aterrar no jardim.Durante um dos almoços, sujei a carpete persa com molho de tomate. Sempre me disseste que as manchas do molho de tomate são impossíveis de tirar. Ficas a saber, meu amor, que com um bocadinho de aguarrás, sai tudo, mas mesmo tudo, inclusivamente, a lã e a seda da carpete.

O frigorífico estava a fazer muito gelo, por isso, tive que o descongelar. Tenho que te ensinar uma coisa: o gelo sai facilmente se o raspares com uma espátula de pedreiro! Só não sei é porque é que agora passou a aquecer... O iogurte, a água com gás e o champanhe, explodiram.Sabes, querida, na passada quinta-feira, esqueci-me de, ao sair, fechar à chave a porta de casa. Alguém deve ter entrado, porque faltam algumas coisas de valor, entre elas, aquele colar de marfim que o teu bisavô trouxe da expedição a África, no século XIX. Mas, como tu costumas dizer, o dinheiro não dá felicidade, e tudo o que é material, é efémero. O teu guarda-vestidos também está vazio, mas penso que não devem ter levado muita coisa, já que, sempre que saímos, tu dizes que não tens nada que vestir...

Bom, vou ficar por aqui, mas amanhã conto-te mais coisas! Espero que te descontraias bastante no SPA e que gozes muito o teu descanso.

Beijos mil, com muito amor, do teu Afonso que muito te ama!

P.S.: A tua mãe veio cá ver como estavam as coisas, e teve um enfarte. O velório foi ontem à tarde, mas eu preferi não te contar nada para não te estragar as férias e aborrecer-te desnecessariamente. Afinal de contas, tens que aproveitar as tuas férias e voltares muito descontraída do teu SPA.

Beijos, do teu dedicado marido.

.

REFRESCANTE


DILEMA MUITO SÉRIO




ESTAMOS SEMPRE A TEMPO






,

NOVAS DE MOÇAMBIQUE



CLIQUE 2XS PARA AMPLIAR



1 - REALIDADE E FICÇÃO










enviado por TO CUNHA


SENTIR MELHOR






 Estamos errados se pensarmos que a alegria emana somente das relações humanas. Ela existe um pouco  em tudo o que nos cerca e também por isso devemo-nos sentir felizes

JOÃO CÉSAR DAS NEVES




Obrigado, sr. ministro!


Há dias um pobre pediu-me esmola. Depois, encorajado pela minha generosidade e esperançoso na minha gravata, perguntou se eu fazia o favor de entregar uma carta ao senhor ministro. Perguntei-lhe qual ministro e ele, depois de pensar um pouco, acabou por dizer que era ao ministro que o andava a ajudar. O texto é este:

"Senhor ministro, queria pedir-lhe uma grande ajuda: veja lá se deixa de me ajudar. Não me conhece, mas tenho 72 anos, fui pobre e trabalhei toda a vida. Vivia até há uns meses num lar com a minha magra reforma. Tudo ia quase bem, até o senhor me querer ajudar.

Há dois anos vierem uns inspectores ao lar. Disseram que eram de uma coisa chamada Azai. Não sei o que seja. O que sei é que destruíram a marmelada oferecida pelos vizinhos e levaram frangos e doces dados como esmola. Até os pastelinhos da senhora Francisca, de que eu gostava tanto, foram deitados fora. Falei com um deles, e ele disse-me que tudo era para nosso bem, porque aqueles produtos, que não estavam devidamente embalados, etiquetados e refrigerados, podiam criar graves problemas sanitários e alimentares. Não percebi nada e perguntei-lhe se achava bem roubar a comida dos pobres. Ele ficou calado e acabou por dizer que seguia ordens. Fiquei então a saber que a culpa era sua e decidi escrever-lhe. Nessa noite todos nós ali passámos fome, felizmente sem problemas sanitários e alimentares graves.

Ah! É verdade. Os tais fiscais exigiram obras caras na cozinha e noutros locais. O senhor director falou em fechar tudo e pôr-nos na rua, mas lá conseguiu uns dinheiritos e tudo voltou ao normal. Como os inspectores não regressaram e os vizinhos continuaram a dar-nos marmelada, frangos e até, de vez em quando, os belos pastéis da tia Francisca, esqueci-me de lhe escrever. Até há seis meses, quando destruíram tudo.

Estes não eram da Azai. Como lhe queria escrever, procurei saber tudo certinho. Disseram-me que vinham do Instituto da Segurança Social. Descobriram que estava tudo mal no lar. O gabinete da direcção tinha menos de 12 m2 e na instalação sanitária do refeitório faltava a bancada com dois lavatórios apoiados sobre poleias e sanita com apoios laterais. Os homens andaram com fitas métricas em todas as janelas e portas e abanaram a cabeça muitas vezes. Havia também um problema qualquer com o sabonete, que devia ser líquido.

Enfureceram-se por existirem quartos com três camas, várias casas de banho sem bidé e na área destinada ao duche de pavimento (ligeiramente inferior a 1,5 m x 1,5 m) não estivesse um sistema que permita tanto o posicionamento como o rebatimento de banco para banho de ajuda (uma coisa que nem sei o que seja). Em resumo, o lar era uma desgraça e tinha de fechar.

Ultimamente pensei pedir aos senhores fiscais para virem à barraca onde vivo desde então, medir as janelas e ver as instalações sanitárias (que não há!). Mas tenho medo que ma fechem, e então é que fico mesmo a dormir na rua.

Mas há esperança. Fui ontem, depois da missa, visitar o lar novo que o senhor prior aqui da freguesia está a inaugurar, e onde talvez tenha lugar. Fiquei espantado com as instalações. Não sei o que é um hotel de luxo, porque nunca vi nenhum, mas é assim que o imagino. Perguntei ao padre por que razão era tudo tão grande e tão caro. Afinal, se fosse um bocadinho mais apertado, podia ajudar mais gente. Ele respondeu que tinha apenas cumprido as exigências da lei (mais uma vez tem a ver consigo, senhor ministro). Aliás o prior confessou que não tinha conseguido fazer mesmo tudo, porque não havia dinheiro, e contava com a distracção ou benevolência dos inspectores para lhe aprovarem o lar. Se não, lá ficamos nós mais uns tempos nas barracas.

Senhor ministro, acredito que tenha excelentes intenções e faça isto por bem. Como não sabe o que é a pobreza, julga que as exigências melhoram as coisas. Mas a única coisa que estas leis e fiscalizações conseguem é criar desigualdades dentro da miséria. Porque não se preocupam com as casas dos pobres, só com as que ajudam os pobres."


IN "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"
11/07/11


NR: MAGISTRAL


1 - DICAS QUE SALVAM





A série Dicas que Salvam foi realizada em parceria com o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará (Brasil) e a TV Jangadeiro de Fortaleza

.

Comissão de Cidadãos  para os 
Direitos Humanos

What We Believe




Para visitar CCHR's Declaration of Mental Health Rights click aqui http://3.ly/lz9

CCHR International é uma associação sem fins lucrativos, responsável por produzir mais de 150 leis de protecção individual, contra o abuso de práticas psiquiatras corceivas.
CCHR tem uma longa história de combate contra as prescrições forçadas, e electrochoques em doentes, abuso de prescrição de drogas para crianças e internamento clínico para dissidentes políticos.

12 - O DIA DA TERRA






.

ALMORRÓIDA DEPENDENTE


Quase metade dos portugueses 
seriam pobres sem o apoio do Estado

por Augusto Freitas de Sousa e Margarida Bon de Sousa

Um quinto da população com maiores recursos ganha 5, 6 vezes mais do que os mais de dois milhões de portugueses em risco de pobreza

Os números do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento de 2011 ainda não se conhecem, mas segundo as análises, previsões e comentários dos especialistas, o risco de pobreza dos portugueses já ultrapassou os 17,9 % registados em 2009. Os indicadores do Instituto Nacional de Estatística (INE) de 2010, relativos a 2009, foram ontem conhecidos e a principal conclusão é que se não fossem os apoios do Estado, as pensões de reforma e de sobrevivência, quase metade dos portugueses (43,4%), seriam pobres.

O facto de uma parte substancial destas pessoas receber pensões de reforma ou de sobrevivência faz com que esta percentagem caia para os 26,4%, menos 17 pontos percentuais. Os restantes apoios concedidos pelo Estado, incluindo abonos de família e rendimento de inserção social, coloca o indicador da pobreza em 17,9 %.

Os dados do INE, que mede regularmente estes indicadores, mostram que sem as pensões e os restantes apoios, em 2009 já 25,3% da população nacional estaria em risco de pobreza ou exclusão social.

De acordo com este inquérito, a taxa de risco de pobreza correspondia à proporção de habitantes com rendimentos anuais por adulto inferiores a 5 207 euros em 2009 (cerca de 434 euros por mês), sensivelmente igual ao salário mínimo nacional em vigor naquele ano.

Este limiar, ou linha de pobreza relativa, corresponde a 60% da mediana da distribuição dos rendimentos monetários líquidos equivalentes.

O risco de pobreza para a população mais idosa subiu naquele ano relativamente ao inquérito de 2009 para 21%, contra os 20,1% de 2008. O mesmo sucedeu para a população desempregada, onde foi registada uma percentagem de risco de 36,4%.

"Três" riscos Apesar do inquérito de 2010 revelar uma melhoria nas assimetrias (melhor distribuição de riqueza), relativamente ao rendimento monetário líquido, manteve-se a tendência já registada em anos anteriores de descida dos mais baixos recursos.

E como em anos anteriores, as taxas de risco de pobreza mais elevadas observaram-se nos agregados constituídos por um adulto que vive sozinho (30,1%),por um adulto que vive sozinho com pelo menos uma criança dependente (37,0%) e por dois adultos com três ou mais crianças (33,2%), enquanto os agregados constituídos por três ou mais adultos sem crianças mantiveram a taxa de risco de pobreza mais reduzidas, 9,1%.

Pensões Segundo o INE, "o contributo das transferências sociais reduziu em 8,5 pontos percentuais a proporção da população em risco de pobreza, significando um aumento deste contributo face ao ano anterior (cerca de 6,5 pontos percentuais).

Isto é, com as pensões pagas em 2008, 24,3 por cento estavam em risco de pobreza e, em 2009, também depois das transferências das pensões, o número aumentou para 26,4%.

Segundo o Instituto, os resultados do inquérito para os indicadores Europa 2020 indicam, em 2008, uma proporção de 25,3% de indivíduos em risco de pobreza ou exclusão social: "indivíduos em risco de pobreza ou vivendo em agregados com intensidade laboral per capita muito reduzida ou em situação de privação material severa".

Em 2010, 22,5% dos indivíduos residentes em Portugal viviam em situação de privação material, com uma diferença de mais um ponto percentual face ao valor de 21,5% registado no inquérito de 2009. O número médio de itens em falta para a população em privação material, ou seja, a intensidade da privação material era de 3,6 em 2010. 

IN "i"
12/07/11

JULIETTE GRECO




.


2 - CENÁRIOS DA  NATUREZA









.



3 - Como funcionam os mecanismos 

de busca na Internet






Um par de estalos é pedagógico





4 - OUTDOORS DO MUNDO





.

DOAÇÃO



video




OBRIGADO CARACOLETA

TENHA UM BOM DIA............



...prometem, prometem 
          mas não prometem nada!!


COMPRE JORNAIS


 estrada da justiça
Conselho Superior da Magistratura 
aprova movimento anual de juízes
O plenário do Conselho Superior da Magistratura delibera, esta terça-feira, sobre a proposta final de movimento anual de juízes, que este ano irá abranger 350 magistrados judiciais, segundo disse à Lusa fonte do CSM.
Serão ainda movimentados cerca de 140 juízes desembargadores, número que inclui os magistrados judiciais promovidos e os que serão colocados como auxiliares nos vários tribunais da Relação.
Durante a reunião de hoje serão ainda apreciadas as reclamações apresentadas ao projecto de movimento judicial anteriormente divulgado.
O movimento anual ordinário de juízes não abrange o Supremo Tribunal de Justiça, em que o preenchimento de vagas é feita por concurso público, ao qual, além de magistrados judiciais, podem concorrer magistrados do Ministério Público e juristas de reconhecido mérito.
O CSM é o órgão de administração, gestão e disciplina dos juízes, sendo presidido por inerência pelo presidente do Supremo Tribunal de Justiça.
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

e era uma maçã pôdre...
Chelsea aperta o cerco a Moutinho
João Moutinho pode tornar-se numa excelente fonte de receitas para o FC Porto. O nome do internacional português circula agora com insistência redobrada na imprensa inglesa e a associação ao Chelsea ganhou expressão suplementar devido à lesão sofrida por Essien.
À falta do ganês, que se lesionou seriamente e tem paragem prevista para seis meses, André Villas Boas encontra no portista e seu ex-jogador a solução perfeita.
Que o novo manager dos blues é adepto confesso das qualidades de João Moutinho não soa a novidade a ninguém. Que o centro-campista está em alta na bolsa de apostas da formação londrina também não se trata de uma notícia de última hora, pois bastou Roman Abramovich pagar os 15 milhões da cláusula de rescisão de André Villas Boas para o médio virar atracção dos media britânicos, a exemplo do que sucede com Falcao e Hulk, rostos já bem conhecidos pelos leitores de jornais de Inglaterra, sejam tablóides ou ditos de registo sério, por todos serem apontados como potenciais reforços do Chelsea para a nova temporada.
"A BOLA"


serenamente
Hospitais devem retirar objectos 
que interfiram na opção de abortar
A Inspeção-Geral das Actividades em Saúde (IGAS) recomenda aos hospitais públicos que retirem dos gabinetes onde atendem mulheres para interrupção voluntária da gravidez objectos que possam interferir com a escolha das utentes.
No relatório da IGAS é feita a recomendação para que os objectos alusivos à infância ou do foro religioso sejam removidos dos gabinetes médicos e de apoio psicológico e social onde é prestado atendimento às utentes que pretendem realizar uma interrupção voluntária da gravidez.
A inspeção diz ainda que as unidades de saúde devem criar um telefone directo para a consulta hospitalar da interrupção voluntária da gravidez (IVG), de modo a "facilitar o cumprimento dos prazos legais".
Deve existir também um contacto disponível de um profissional de saúde, em horário útil, para esclarecer possíveis dúvidas "durante todo o processo de IVG, minimizando o recurso desnecessário ao serviço de urgência".
"CORREIO DA MANHÃ"

um governador a sério
Banco de Portugal menos pessimista 
nas previsões do que a troika
A produção, medida pelo PIB, vai cair 2% este ano, projecta o Banco de Portugal, integrando já nos seus cálculos o imposto extraordinário anunciado pelo Governo. Um valor que está marginalmente acima do previsto pela troika em Maio, que apontava para uma quebra de 2,2%.
A projecção ligeiramente mais optimista do Banco de Portugal, divulgada hoje no Boletim Económico do Verão, é, fundamentalmente, explicada pelo consumo privado, que, em vez de cair 4,4%, como previa a troika, deverá registar uma redução de 3,8%.
A autoridade de supervisão explica esta diferença com o facto de as famílias terem reduzido o seu consumo, no segundo trimestre deste ano, muito menos que o previsto pelos economistas do FMI, do BCE e da Comissão Europeia que estiveram em Portugal.
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

mais generais que índios
Governo tem 11 600 chefes. 
Um por cada 45 trabalhadores do Estado
Para cada 45 trabalhadores há um dirigente nos organismos do Estado. Se Passos cumprir o prometido, 1725 que podem ser dispensados. Veja o vídeo do autor
O novo governo tem muito por onde cortar se estiver realmente empenhado, como tem prometido, em reduzir os cargos dirigentes dos serviços centrais e regionais. O Estado emprega meio milhão de pessoas (521 524) e quase 11 600 são dirigentes. Se Passos Coelho for ao limite do que promete no programa do governo - cortar até 15% entre "cargos dirigentes e de serviços" - a redução de chefias pode ultrapassar os 1700 funcionários. Por agora a realidade é uma: por cada 45 trabalhadores há um chefe, segundo os dados que o i conseguiu cruzar entre balanços sociais, planos de actividades, relatórios e contas disponíveis nos sites de cada organismo.
Dezasseis ministérios (ver caixa) têm sob a sua alçada quase 300 serviços, mas é o Ambiente a liderar as pastas com maior número de dirigentes por funcionários - para cada 10,4 trabalhadores, há em média um chefe (cargos superiores e intermédios). A Economia está logo abaixo (11,07), seguindo-se a área do Trabalho e Segurança Social (11,3) e a Cultura com um rácio de 13,7.
No outro extremo está o Ministério da Administração Interna (MAI), que tutela a PSP, e atinge o rácio de um chefe para cada 212 trabalhadores. Números que são explicados pelo facto de nos dados consultados pelo i apenas se contabilizarem os dirigentes superiores e intermédios e, no caso das polícias e também na GNR, os cargos directivos assumirem outra denominação. A Saúde surge logo a seguir com uma média de um director para cada 123 funcionários.
"i"

menos consumo, mais desemprego
Imposto extraordinário no Natal deve 
provocar perdas de 500 a 600 milhões no comércio
As regras do corte no subsídio vão ser apresentadas esta semana, na quinta ou sexta-feira, pelo ministro das Finanças, Vítor Gaspar.
O comércio, com destaque para o tradicional, deverá perder entre 500 a 600 milhões de euros com a diminuição de rendimentos das famílias na altura do Natal, provocada pelo novo imposto extraordinário anunciado pelo Governo, cujos detalhes serão conhecidos esta semana.
São estas as estimativas da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), que teme um agravamento da crise no sector. A grande distribuição também está preocupada com o impacto da medida, que irá refrear o consumo numa altura essencial para as vendas de várias empresas.
"Se o Governo vai encaixar 800 milhões de euros com esta medida, cerca de dois terços desse dinheiro era aquele que seria gasto pelos consumidores na fase final do ano", explicou ao PÚBLICO João Vieira Lopes, presidente da CCP. Os dados do INE mostram que as despesas de consumo final são maiores no último trimestre do ano, contribuindo para 22 por cento do PIB anual.
"PÚBLICO"

a festa na estrada
Catorze equipas na Volta a Portugal
A Lampre volta a ser a única equipa do ProTour a participar na Volta a Portugal, cujo percurso é apresentado hoje. Num ano em que a modalidade vive a sua pior época de sempre, a mais importante corrida nacional volta a ficar de fora das opções dos grandes conjuntos, muito por culpa também da calendarização. Situada após o final do Tour e antes do início da Vuelta, a Volta não é, pois, propícia à presença das grandes equipas.
O pelotão será composto por 14 equipas e do estrangeiro vêm também equipas do 2.º escalão da UCI, o Profissional, e que são a espanhola Caja Rural, a britânica Farnesi, a italiana Acqua e Sapone. Já do escalão mais baixo, o Continental, estão previstas as presenças da Katusha (Rússia), da Chipotle (EUA/versão da Garmin) e LA Pomme (França). Marcará também presença uma equipa búlgara, onde compete Danail Petrov, assim como a Seleção Nacional, para além das quatro equipas continentais nacionais: LA-Antarte, Onda-Boavista, Barbot-Efapel e Tavira-Prio. Fica a faltar um nome, anunciado provavelmente hoje. A Geox, de David Blanco – igualou o recorde de quatro triunfos de Marco Chagas –, pode ser hipótese, mas a proximidade com a Vuelta deverá constituir-se um entrave.
"RECORD"

negócios à porta's
Portugal vai mesmo ter de pagar mil milhões de euros
Conselho Consultivo da PGR aconselha Governo a renegociar contrato com alemães. Mas Portugal vai mesmo ter de pagar mil milhões de euros.
O Estado deve avançar, quanto antes, para uma renegociação do contrato das contrapartidas relativo à compra dos submarinos. Porém, a eventual nulidade do contrato, ainda que parcial, em nada afectará o acordo para a compra das duas embarcações. Portugal tem mesmo de pagar mil milhões de euros.
Estas são, em síntese, as conclusões de um último parecer do Conselho Consultivo da Procuradoria-Geral da República (CCPGR), homologado pelo ex-ministro da Defesa, Santos Silva, a 30 de Maio, seis dias antes das eleições legislativas. A decisão cabe agora ao novo ministro da Defesa, José Pedro Aguiar Branco, que ainda, segundo o seu gabinete de imprensa, está a "estudar" o assunto.
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

assalto desmascarado
Bancos fazem penhoras ilegais a pedido do Fisco
No ano passado, o Provedor de Justiça recebeu 
116 queixas relacionadas com execuções fiscais

Os bancos continuam a penhorar os saldos de contas bancárias dos clientes, à margem da lei. A denúncia é, uma vez mais, reafirmada pelo Provedoria de Justiça, no âmbito das penhoras ordenadas pelo fisco e Segurança Social.
O alerta consta do relatório desta instituição referente em 2010, onde dá conta que a lista das preocupações dos contribuintes é liderada por problemas relacionados com execuções fiscais, tema que levou a 116 queixas no ano passado, à semelhança de outras tantas relativas a problemas relacionados com a tributação em IRS. O Provedor, Alfredo José de Sousa, pede a intervenção do Governo e do regulador nas penhoras ilegais realizadas pelos bancos.
"No que diz respeito aos problemas relacionados com execuções fiscais, o mais recorrente é, sem dúvida, o da violação de limites de impenhorabilidade, seja por algumas deficiências na emissão de ordens de penhora, seja - na esmagadora maioria - por graves deficiências na execução dessas mesmas ordens", aponta o relatório da Provedoria de Justiça referente a 2010 que, em matéria de fiscalidade, revela a existência de 462 queixas.
"DIÁRIO ECONÓMICO"

fruto da "teixarada"
Mais dois dias para propostas de compra
Os interessados na compra do BPN têm mais dois dias para apresentar propostas, cabendo depois ao Estado decidir até dia 30, confirmou o presidente do banco. 'As propostas são apresentadas até dia 13', frisou Francisco Bandeira, reiterando a convicção de que 'vai haver mais do que uma proposta', embora até agora não tenham sido entregues. A administração do banco terá depois alguns dias para olhar as propostas e 'criar condições que permitam ao Estado identificar a melhor', explicou o presidente da administração do BPN.
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

.

OLÁ AMIGOS











Escreva-nos para "apxxdxdocorreio@gmail,com"

OBRIGADO
BOM ALMOÇO




1 - PÁTIOS DE CÓRDOBA








24 - RESPOSTAS DE MADRE TERESA DE CALCUTÁ


 

20 - CÓDIGOS DOS ÍNDIOS

 

 

JORNAIS DE HOJE



COMPRE JORNAIS














BOM  DIA