quarta-feira, 22 de junho de 2011

- UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA..... ADULTOS


VISITAS EM 24 HORAS AO BLOGUE


22 de Jun de 2011 00:00 – 22 de Jun de 2011 23:00


Visualizações de páginas por país
Portugal
....................................154
Brasil
.........................................32
Itália
..........................................19
Alemanha
....................................12
Estados Unidos
..............................5
Reino Unido
..................................3
Malásia
.........................................2
Bélgica
..........................................1
Espanha
.........................................1
França
...........................................1
TOTAL...230 
 
.


PRODUTO AGRO-BIO


video
.
Como dizer que te amo?!


21 - EXPRESSÕES POPULARES SEU SIGNIFICADO

 

Comer muito queijo

 

 

Significado: Ser esquecido; ter má memória.
Origem: A origem desta expressão portuguesa pode explicar-se pela relação de causalidade que, em séculos anteriores, era estabelecida entre a ingestão de lacticínios e a diminuição de certas faculdades intelectuais, especificamente a memória.
A comprovar a existência desta crença existe o excerto da obra do padre Manuel Bernardes "Nova Floresta", relativo aos procedimentos a observar para manter e exercitar a memória: «Há também memória artificial da qual uma parte consiste na abstinência de comeres nocivos a esta faculdade, como são lacticínios, carnes salgadas, frutas verdes, e vinho sem muita moderação: e também o demasiado uso do tabaco».
Sabe-se hoje, através dos conhecimentos provenientes dos estudos sobre memória e nutrição, que o leite e o queijo são fornecedores privilegiados de cálcio e de fósforo, elementos importantes para o trabalho cerebral. Apesar do contributo da ciência para desmistificar uma antiga crença popular, a ideia do queijo como alimento nocivo à memória ficou cristalizada na expressão fixa « comer (muito) queijo».



3 - PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE





PEDRO CARVALHO



Há mais na Caixa do que você imagina


É um ‘slogan’ publicitário da Caixa Geral de Depósitos, mas que podia ser utilizado para mostrar a forma como os sucessivos governos têm usado e abusado do banco público.

O caso mais recente, retratado na edição de hoje do Diário Económico, é mais um exemplo de que a vocação da Caixa não se limita a dar e receber crédito ou a financiar a economia e as PME. Também serve para tapar os buracos do défice. Foi assim no passado e é assim no presente.

Na sequência da transferência do fundo de pensões da PT para o Estado, que também serviu para tapar grande parte do défice do ano passado, ficou acordado que a operadora fizesse mais uma transferência de 450 milhões até 20 de Dezembro deste ano. Dada a necessidade urgente de ‘cash' nos últimos meses para pagar salários e outros compromissos, o Estado pediu à Caixa que "adiantasse" o dinheiro devido pela PT, ajudando assim a equilibrar o saldo das contas públicas.

Esta não é a primeira vez que a Caixa ajuda a desenrascar as contas públicas. Ainda todos se lembram quando em 2004, o então ministro das Finanças, Bagão Félix, aprovou a transferência de 2,5 mil milhões do fundo de pensões da CGD para a CGA para manter o défice abaixo dos 3%.

Faz-me lembrar aquela música do António Variações: "Quando a cabeça não tem juízo" a Caixa "é que paga".

Mas há mais na Caixa do que você imagina: o papel que a Caixa desempenhou no resgate ao BPN, injectando cinco mil milhões de liquidez e colocando administradores a trabalhar em ‘part time'; a recente venda do edifício sede na João XXI ao próprio fundo de pensões do banco com uma mais-valia de 103,7 milhões; empréstimos e operações com uma racionalidade económica duvidosa como a compra de 10% das acções da Cimpor ao empresário Manuel Fino, por um valor 25% superior ao do mercado; ou ainda créditos a conhecidos empresários da nossa praça para comprar acções de um banco concorrente. E não nos podemos esquecer das participações detidas pela Caixa em empresas como a PT, REN, EDP, BCP ou Zon que, em muitos casos, não têm uma lógica de investimento para rentabilizar, mas sim para parquear posições de empresas onde o Estado quer continuar a ter influência. E isto tudo para não falar dos aumentos de capital (que só contam para a dívida pública e não para o défice) que o Estado muitas vezes faz na Caixa e noutras empresas públicas para receber, por portas travessas, o mesmo dinheiro através de chorudos dividendos, estes sim a contar para o défice.

Deveríamos aproveitar a recente discussão da campanha eleitoral sobre o papel que a Caixa deveria ter na economia para, com privatização ou sem privatização, esvaziar a Caixa de todo o tipo de instrumentalização e lóbis e transforma-la num autêntico banco de fomento e com os recursos canalizados para as empresas e sectores que mais podem contribuir para as exportações e para o crescimento económico. Era já um bom começo deixar cair aquele acordo tácito que existe entre Governo e oposição, em que quando um nomeia o governador do Banco de Portugal, o outro escolhe o presidente da CGD.


 Subdirector

IN "DIÁRIO ECONÓMICO"
21/06/11

39 - IPSIS VERBIS



ASSUNÇÃO ESTEVES
Presidente da Assembleia da República


"Somos nós o cais da esperança que num domingo de Junho saiu de casa para nos escolher e da esperança que não saiu, que é dos cidadãos que lá bem no fundo esperam para se reconciliar com a política"


"São tantos os projectos, as expectativas, as inquietações que connosco se sentam e que exigem de nós que cultivemos com os domínios da vida das pessoas concretas formas de comunicação contínua muito para além do tempo das eleições e do espaço dos partidos. Verdadeiramente o que se nos exige é a reinvenção da democracia"


"O Parlamento deverá legislar, fiscalizar, representar, mas também, pela mão de cada um dos seus deputados fazer a sociedade ela mesma gerar o político"

IN "Discurso de tomada de posse" 
21/06/11


2 – VELA ENFUNADA
 





 

ALMORRÓIDA FRAUDULEIRA



Fraude atinge 40% da despesa 
do Estado com medicamentos


por Catarina Duarte e Lígia Simões


Num ano negro para a despesa do Estado com remédios, 40% é atribuída à fraude.

Do total das despesas do Estado com a comparticipação de medicamentos no Serviço Nacional de Saúde (SNS) em 2010, 40% é potencial fraude, conclui uma auditoria da Inspecção Geral das Finanças (IGF) ao sistema de prescrição e conferência de facturação de medicamentos do SNS.

De acordo com o relatório de actividades de 2010 da IGF, a que o Diário Económico teve acesso, "para um valor de comparticipação do SNS de três milhões de euros, cerca de 1,2 milhões de euros (40% daquele valor), foi identificado como potencialmente irregular". O total de despesas irregulares detectadas nos vários sectores do Estado soma 27 milhões de euros, a que acresce mais 52 milhões de euros não relevados contabilisticamente pelas entidades alvo de auditorias.

A IGF já tinha alertado em relatórios anteriores para a fraude no sector dos medicamentos, o motivou, aliás, participações da IGF ao Ministério Público.

Os valores agora apurados referem-se apenas a uma amostra de três milhões de euros, dos quais 1,2 milhões são identificados como irregulares. Ou seja, a fraude neste sector poderá atingir valores bem mais gravosos. Em 2010, a despesa do Estado com medicamentos vendidos nas farmácias chegou aos 1,6 mil milhões de euros.

IN "DIÁRIO ECONÓMICO"
22/06/11

TOKIO HOTEL




38 - IPSIS VERBIS


DURÃO BARROSO

“Quando era primeiro-ministro, no dia em que terminei o meu mandato, o défice [orçamental] estava, de facto, abaixo dos 3,0 por cento [...] e a dívida [pública], se me recordo bem, estava nos 57 ou 58 por cento, portanto abaixo do limite de 60 por cento do PIB"


“Nessa altura [2004] eu estava a tentar que o meu país fizesse esforços e algumas pessoas não concordavam com esses esforços”
IN "PÚBLICO"
21/06/11

NR: Foi por estas razões que foi para o "  desígnio do tacho" europeu

.


O PADRE NOVATO


video


1 - TUNING’S DELIRANTES








4 – PENAS COLORIDAS






3 - BIBLIOTECAS  EUROPEIAS

 .

 .

 .


20 - AZARES






TENHA UM BOM DIA............


...apertar o cinto não chega, 
                            use suspensórios



COMPRE JORNAIS



agora somos Homo asnus
Descobertos os fósseis mais antigos 
de Homo sapiens na Europa
Os humanos modernos ou vieram de África, onde apareceram há cerca de 150 mil anos, iniciando a sua diáspora pela Terra há 50 mil anos. Ou surgiram em vários locais, a partir do Homo erectus, que saíra de África há 1,8 milhões de anos. Mas não existiam na Europa, pelo que a descoberta destes fósseis permitirá compreender as migrações dos primeiros humanos modernos e a sua chegada às portas do continente europeu, onde entraram então em contacto com os Neandertais, extintos há 28 mil anos.
O arqueólogo Alexander Yanevich, da Academia Nacional das Ciências da Ucrânia, descobriu vestígios arqueológicos na gruta Buran-Kaya (na cordilheira da Crimeia), que servia de abrigo, e agora publicou os resultados na revista PLoS One. Em escavações, em 2001, 2009 e 2010, encontraram-se duas centenas de fragmentos de ossos humanos e dentes, além de ferramentas líticas, peças de adorno pessoal em marfim e restos de animais.
As datações por radiocarbono concluem que os fósseis humanos têm 32 mil anos: “São as mais antigas provas directas da presença de homens anatomicamente modernos [no Sudeste da Europa], num contexto arqueológico bem documentado”, escreve a equipa de Yanevich.
Os ossos também têm marcas de cortes, o que dá pistas sobre os comportamentos culturais do Homo sapiens: a equipa pensa deverem-se a rituais fúnebres e não a práticas canibais ligadas à alimentação.
"PLoS One/PÚBLICO"

resover o imbróglio
Federação vai passar a receber verbas 
da preparação olímpica
O Comité Olímpico de Portugal (COP) vai passar a pagar diretamente à Federação Portuguesa de Vela (FPV) as verbas relativas ao Projeto Olímpico Londres2012, afirmou esta terça-feira à Lusa o presidente do COP, Vicente Moura.
O impasse terá sido desbloqueado hoje, no seguimento de uma reunião entre Vicente Moura e o presidente do IDP, Luís Sardinha. O responsável do COP espera que na segunda-feira o dinheiro passe a estar à disposição da FPV.
"A situação em termos legais está esclarecida e a partir de hoje tenho condições para entregar as verbas devidas ao Projeto [Olímpico Londres2012] diretamente à Federação Portuguesa de Vela", disse Vicente Moura.
Vicente Moura explicou que a FPV voltará a gerir todas as verbas referentes ao Projeto Olímpico, tal como acontecia antes de o Governo ter suspendido o Estatuto de Utilidade Pública Desportiva à federação.
"RECORD"

olha que novidade
Estado incapaz de fiscalizar 
corrupção nas autarquias
Relatório do Ministério da Justiça reconhece "lacunas" e "falhas de funcionamento" no combate ao crime económico.
A Inspecção-Geral das Autarquias Locais (IGAL) admite a sua incapacidade para realizar, sequer, uma inspecção por mandato a cada um dos 279 municípios do continente e, muito menos, para avançar com acções-surpresa.
A entidade lembra que conta apenas 31 inspectores quando se previa que fossem 110.
A informação surge num relatório do Ministério da Justiça (MJ) que analisa a capacidade de o Estado em combater a corrupção depois de em Setembro o Parlamento ter aprovado oito medidas de reforço contra este tipo de crime.
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

os últimos tostões
Certificados de Aforro perdem 18 milhões por dia
Só nos primeiros cinco meses do ano, o Estado já perdeu quatro vezes mais em Certificados de Aforro do que o estimado no OE para 2011.
Em apenas cinco meses os Certificados de Aforro (CA) já perderam quatro vezes mais do que o estimado no Orçamento do Estado para 2011. No documento, o Estado estima uma perda líquida de 500 milhões de euros nos CA este ano. Só em Maio, os resgates líquidos somaram 536 milhões de euros, enquanto desde o início do ano as perdas ascendem a 1,994 mil milhões de euros. As amortizações líquidas nos primeiros cinco meses de 2011 são já superiores à fuga registada no conjunto de 2009 e 2010. Nesses 24 meses, o Estado viu sair dos seus cofres 1,7 mil milhões de euros.
Só neste produto, o financiamento do Estado regista já um buraco de 1,5 mil milhões de euros, o qual dificilmente poderá ser compensado através do produto de poupança do Estado concorrente, os Certificados do Tesouro (CT). Até Maio, os CT captaram 528 milhões de euros, em linha com o orçamentado para o ano de 2011, onde está previsto o encaixe líquido de 993 milhões de euros.
"DIÁRIO ECONÓMICO"

é p'ra ajudar...
Campanha vai ser 'pouco animadora '
Os aguaceiros de maio causaram estragos nas culturas, especialmente nas do tomate para a indústria, hortícolas e vinha, levando o INE a prever uma campanha cerealífera de outono/inverno 'pouco animadora', e uma 'quebra generalizada', nas produtividades. As sementeiras de primavera estão muito atrasadas devido ao excesso de precipitação e as áreas semeadas são inferiores às do ano passado mas, apesar disso, as previsões agrícolas do INE apontam para aumentos das áreas de milho e girassol e para a manutenção das superfícies de arroz, de tomate para indústria e de batata Com as debulhas atrasadas e diminuição da produtividade, o INE prevê, com exceção do centeio, quebras nos rendimentos unitários dos cereais praganosos de 10 por cento para o trigo mole, trigo duro, triticale e cevada, enquanto para a aveia o decréscimo deve rondar os cinco por cento.
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

parecia tão boa pessoa
João Pedroso redigiu contratos que o beneficiaram
João Pedroso, constituído arguido na sequência de negócios com o Ministério da Educação chefiado por Maria de Lurdes Rodrigues, também acusada pelo MP, chegou a redigir ele próprio minutas contratuais no âmbito da ajudicação que o iria beneficiar.
A conclusão é da 9.ª Secção do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa do Ministério Público (MP), no âmbito do processo em que, para além do advogado e da ex-ministra, já foram acusados do crime de prevaricação Maria José Matos Morgado, chefe de gabinete da governante, e João da Silva Baptista, nomeado por Maria de Lurdes Rodrigues para secretário-geral do Ministério.
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

o pinto sorri
Real Madrid entra na corrida a Falcao
Colombiano assume ligação ao empresário Jorge Mendes. Chelsea tem concorrência, mano a mano entre colossos.
Como se já não bastassem os golos que marca e até a própria expressão corporal que lhe dá aquele ar de acrobático matador da área que ainda mais impressiona e desperta a cobiça dos grandes clubes europeus, Falcao vê agora as asas reforçadas para voar do dragão a qualquer momento e para qualquer grande destino.
Isto porque como deixou ontem bem expresso no Twitter, o seu representante legal para o mercado doméstico e internacional passou a ser a Gestifute do super-empresário português Jorge Mendes. «O senhor Cláudio Mossi não tem nenhuma relação comigo, tudo o que ele possa dizer sobre mim são especulações», oficializou finalmente el tigre a ruptura com aquele que era o seu agente directo da empresa Sivori & Associados, que geria a carreira desportiva do avançado colombiano.
«Sou representado pela Gestifute e o meu manager é o Jorge Mendes! Não percebo os jornais que entrevistam outras pessoas que não têm qualquer ligação comigo», desfez, de uma vez por todas, o equívoco. Cláudio Mossi não assumiu o desenlace e ainda ontem prestava declarações como representante oficial de Radamel Falcao mas a verdade é que o homem certo é agora Jorge Mendes.
"A BOLA"

vai-se mal obrigado
Maior espera por cirurgia aos ossos
Ortopedia, Cirurgia vascular e as Cirurgias à cabeça e pescoço (inclui Otorrino e Estomatologia) são as especialidades nas quais os doentes esperam mais tempo por cirurgia: quase quatro meses, refere o Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde no Serviço Nacional de Saúde.
Segundo o documento, os pedidos feitos pelos centros de saúde para uma primeira consulta de Oftalmologia e Endocrinologia/Nutrição nos hospitais públicos foram os que apresentaram maiores dificuldades de acesso. Para Oftalmologia, menos de metade (45%) das consultas foram realizadas dentro do tempo médio de resposta, enquanto em Endocrinologia – especialidade necessária aos diabéticos – foram pouco mais de metade (64%) as consultas feitas no prazo recomendado.
"CORREIO DA MANHÃ"

a sem vergonha dos tachos e conluios
PPP custam mais 1,3 mil milhões até ao fim do ano
O Estado terá que pagar quase 1,3 mil milhões de euros em encargos com as parcerias público-privadas (PPP) ainda este ano, sobretudo em reequilíbrios financeiros às concessões rodoviárias. Segundo o relatório da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças (DGTF), no primeiro trimestre o saldo entre encargos e receitas referente a estes projectos foi de 251,5 milhões de euros, uma descida de 13,8% face ao período homólogo, realça o documento.
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

boa ferramenta
Facebook dos doentes já tem 
107 mil "amigos" a partilhar sintomas
Podia ser John F. Kennedy a falar-lhe: não pergunte o que as redes sociais podem fazer à sua saúde, mas antes o que pode fazer por ela neste microcosmos. Depois de dezenas de estudos alertarem para impactos negativos, como a deterioração das relações reais e o aumento dos divórcios (nos EUA o Facebook é citado numa em cada cinco separações), chegou uma constatação mais optimista sobre efeitos das redes sociais. Doentes e profissionais de saúde estão cada vez mais conscientes da importância da internet para prevenir e ultrapassar doenças.
Nos Estados Unidos, uma rede social só para doentes, médicos e investigadores reunia ontem mais de 107 mil utilizadores - incluindo 48 portugueses. A comunidade PatientsLikeMe está online desde 2005, criada por três investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts. O irmão de dois deles, Stephen Heywood, foi diagnosticado, aos 29 anos, com esclerose lateral amiotrófica e depressa a família percebeu que comunicar com outros doentes e conhecer as suas experiências seria a melhor forma de prever e preparar a evolução da doença. Um motivo mais do que razoável para criar uma rede social e uma ideia que, desde então, só teve eco nos milhares de pessoas a tentar perder peso, campeãs na criação de aplicações.
O primeiro utilizador português da PatientsLikeMe inscreveu-se em 2006. A única forma de aderir à rede é estar doente ou ser especialista. Depois é possível ver a evolução dos utilizadores que sofrem da mesma patologia, no caso deste utilizador nacional, uma doença neuromuscular rara chamada esclerose lateral primária. Além de discutir ideias, o perfil dos utilizadores permite ver como evoluíram desde os primeiros sintomas e como se sentem em termos sociais, psicológicos e físicos.
"i"

37 - IPSIS VERBIS

MIGUEL PORTAS


Defendo que a renovação tem de passar pela saída dos quatro fundadores. Dois deles, de alguma forma, já o fizeram: Fernando Rosas saiu de deputado, eu saí da comissão política, fico só na Mesa Nacional. Penso que inevitavelmente, com o tempo, chegará aos outros dois. Dito isto, isso não significa que o Bloco fique órfão. Pelo contrário, a única maneira de o BE evitar isso é ter a inteligência de fazer essa renovação no tempo certo. Mas também por isso o problema não se punha como o Daniel o pôs: derrota, mau resultado, demito-me e abre as primárias para saber quem ganha. Pensar assim é não conhecer as características do partido.



Como o Louçã não há ninguém, mas o Bloco podia ser dirigido de outra forma, criativa e adaptada aos tempos novos, com uma série de quadros, com menos 30 anos, beneficiando da experiência dos mais velhos. É preciso ver que nem sempre o Bloco teve a figura do coordenador nacional.
No Bloco deixou de haver uma direcção intocável. Tem os méritos dos acertos e também a dos desacertos. Vejo isso com bons olhos. O BE, devido aos acertos, foi tendo uma espécie de democracia iluminada, e deste ponto de vista são sempre melhores as democracias que as ditas cujas iluminadas. O BE está confrontado com a absoluta necessidade de discutir. Não é possível aguentar a lógica de divisão e confronto da pluralidade que compõe o Bloco. Aconselharia um enorme bom senso dos dirigentes e dos militantes. As forças políticas são instrumentais, mas custa muito fazer forças políticas e não tentar superar os problemas de 13 anos de desgaste.

IN "i"
(EXCERTO DE ENTREVISTA)
22/06/11

CAMILO PESSANHA
1867-1926



Floriram por engano as rosas bravas
No inverno: veio o vento desfolhal-as...
Em que scismas, meu bem? Porque me callas
As vozes com que ha pouco me enganavas?

Castellos doidos! Tão cedo cahistes!...
Onde vamos, alheio o pensamento,
De mãos dadas? Teus olhos, que um momento
Prescrutaram nos meus, como vão tristes!

E sobre nós cahe nupcial a neve,
Surda, em triumpho, petalas, de leve
Juncando o chão, na acrópole de gelos...

Em redor do teu vulto é como um veo!
¿Quem as esparze—quanta flôr—, do ceo,
Sobre nós dois, sobre os nossos cabellos?

.

27 - REFLEXÃO

 

 


2 - PENSADORES 
 
 

JORNAIS DE HOJE


COMPRE JORNAIS










BOM  DIA