segunda-feira, 25 de abril de 2011

- UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA



6 - LIDAR COM ATREVIDOS


3 - NÃO ME OBRIGUEM A VIR PARA A RUA GRITAR



Zeca Afonso. O Homem e a Obra marcaram toda uma geração de portugueses. E deixaram uma herança social e cultural às gerações seguintes. Todos temos um pouco de Zeca Afonso, um homem cujo génio ultrapassa qualquer época ou catalogação. Um homem cuja mensagem é veiculada por letras que se revelam sempre actuais.

Eu sou aquilo que fiz. Zeca Afonso deu-nos tanto que agora é a nossa vez de lhe darmos algo. Este programa de homenagem ao Zeca Afonso é uma retribuição por tudo aquilo que ele nos deu.

A SubFilmes convidou por isso vários artistas de áreas criativas contemporâneas para criarem uma obra de arte especialmente para Zeca Afonso um filme, uma música, um desenho, uma animação de motion graphics. Será essa a interpretação, a homenagem, o tributo de cada um desses artistas.
Assim, podemos ter uma colagem de um artista de street art, uma reinterpretação de um tema do Zeca ou uma produção de teatro. Rádio Macau, Nancy Vieira, Couple Coffee, Vicious 5, Raquel Tavares na música; a companhia de teatro Primeiros Sintomas; a dupla de videojamming Daltonic Brothers; Target e Mosaik no street art; Quebra-Diskos no turntablism; etc.

Além disso, foram gravadas várias tertúlias, cuja conversa gira à volta da importância do Zeca enquanto músico e activista, mas principalmente à volta da figura humana que foi o Zeca.

A aposta forte deste programa reside numa abordagem de conteúdos que pretende captar por um lado a actualidade da mensagem do Zeca e por outro a faceta mais humana da sua vida.

De: | Criado: 21 de Mar de 2009

OLÁ AMIGOS










Escreva-nos "apxxdxdocorreio@gmail,com"

OBRIGADO

TANGO


P O R Q U Ê?


PEDRO TADEU

PEDRO TADEU

O carácter destes políticos 

é mesmo assustador

Se fossemos todos uns anjos, discutíamos as soluções dos problemas do País apenas em função do maior ou menor valor que atribuíamos às propostas que os políticos apresentam ao povo.
Poderíamos até encarar, sem preconceitos, soluções menos ortodoxas ou menos banais, pois estaríamos abertos a modelos ideológicos e de construção de sociedade diferentes do que se impôs e que, pelas contradições que incorpora, caminha cíclica e inevitavelmente para crises do tipo que agora vivemos.
Justificávamos assim o nosso voto pelas ideias, apenas pelas ideias, conforme as achássemos melhores ou piores... Mas isso era num mundo de anjos.
Como não somos anjos mas sim pessoas, na hora da decisão do voto contam as ideias e muitas outras coisas. Por exemplo, os nossos próprios interesses particulares - quando votamos, votamos também naquilo que achamos que nos beneficia mais ou prejudica menos. E não ignoramos aquilo que julgamos ser a personalidade ou o carácter das pessoas que se propõem governar-nos - e, por isso, votamos nos que achamos mais competentes, mais honestos, mais capazes, pois sem essas qualidades até as melhores ideias nos conduzem ao inferno.
Por isso, não é irrelevante, de maneira alguma, termos dados objectivos sobre a personalidade dos políticos. Por isso, é útil ao eleitorado perceber como eles se comportam socialmente, como é o seu processo decisório, com quem se relacionam, como gerem a sua vida particular, como reagem face à adversidade...

Nos últimos tempos tivemos informação clara e transparente sobre o carácter de alguns políticos. Compreendemos o alcance perigoso do egocentrismo de Fernando Nobre. Detectámos ser Passos Coelho capaz de mentir acerca das conversas que teve com José Sócrates. Já apanhámos o primeiro-ministro, nem sei quantas vezes, em seis anos de múltiplas contradições, de constantes suspeitas perigosas. Voltámos a ver como a pura estupidez estoirou politicamente com Otelo Saraiva de Carvalho (com estilhaços para muita boa esquerda). Olhamos perplexos para um Presidente da República que aceita, sem tugir, ralhetes, embora indirectos, de um comissário europeu. Vemos todos os dias Teixeira dos Santos deitar para o lixo a credibilidade técnica que tinha, numa incrível atitude de total falta de amor-próprio.

Não podemos exigir aos políticos que sejam uns anjos. Mas olhar para este panorama que estamos a viver e esperar que daqui saiam líderes capazes, verdadeiros estadistas, isso sim, é ser totalmente anjinho.

IN "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"
19/04/11

ZÉ SOCRAS TEM MAIS ENCANTO

TRÊS REALIDADES 
DO 25 DE ABRIL

TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL (%)
1960 - 77,5 %
2008 -  3.3 %


POPULAÇÃO COM 15 ANOS OU MAIS SEM ESCOLARIDADE  (%)
1960 - 65,6 %
200/01 - 9,2 %


MULHERES COM 15 ANOS OU MAIS COM O ENSINO SUPERIOR (%)
1960 - 0,4 %
200/01 - 8,7 %

Fonte: FUNDAÇÃO FRANCISCO MANUEL DOS SANTOS

A - INVENTOS DA ANTIGUIDADE 
5 - AGENTES SECRETOS
 

3 - ALMORRÓIDA ESCLARECIDA FICA MAIS PREVENIDA


PSP alerta para nova técnica de roubar utilizadores de Multibanco


A PSP alertou, quinta-feira, para casos de "cash trapping" nos terminais Multibanco, em que é usado um objecto para bloquear a saída das notas para enganar quem tenta fazer um levantamento e ficar com dinheiro.


Registando casos de "cash trapping" em Coimbra, Lisboa e várias localidades algarvias, a PSP aconselha na sua página na Internet cuidado aos utilizadores de terminais Multibanco, recomendando que verifiquem se há sinais de estes terem sido "vandalizados, alterados ou modificados".

Segundo a Polícia de Segurança Pública (PSP), o "cash trapping" faz-se colocando um objecto plástico ou metálico - uma espécie de régua - na ranhura de saída das notas que impede que estas saiam mas que permite recuperá-las puxando pelo objecto.

A intenção é "ludibriar uma pessoa que pretende levantar dinheiro e que julga que o equipamento está avariado".

As pessoas são levadas a desistir da operação e abandonam o local, permitindo aos suspeitos retirar o objecto e ficar com o dinheiro, refere a Polícia, que recomenda que não se vão embora e chamem a Polícia, recusando ajuda de quem "sugere que volte a marcar o código".

A PSP já deteve desde Março três pessoas pela prática deste crime.
IN "JORNAL DE NOTÍCIAS"
21/04/11

GRANDOLA VILA MORENA EM CASA DE SARAMAGO



El sábado de la semana pasada tuvimos la fortuna de conocer a Joao Afonso, el sobrino de José Alfonso. Fué en la biblioteca de Saramago en Tías -Lanzarote-. Allí coincidió el grupo de artistas que visitaba la isla con motivo del concierto de Luis Pastor y su nuevo disco Duos. Fue una reunión íntima que terminó acariciada por poemas y canciones. Y no pude evitar coger la cámara y ponerme a grabar para socializar el pasaje. 

Radiocable.com 

NR: Não sabemos que dia, que semana ou ano aconteceu este momento, mas a sua beleza toca-nos e por isso a editamos

5 - VIAGEM AO FUNDO DA TERRA






GUERNICA

JAMES BOND by VISA

17 - GUIA DOS CURIOSOS

clique duas vezes para ler melhor



5 - OS AGRICULTORES







GÓMEZ NAHARRO




En el 20 aniversario de la muerte de Jose Afonso, el cantautor español Miguel Ángel Gómez Naharro nos recuerda 'Grândola vila morena', que en Portugal el 25 de abril de 1974, dio la señal para iniciar la Revolución de los claveles y que a su vez propició la llegada de la democracia. Vídeo de David Gómez Burgos.
 1 - AMIGOS
que importa o tamanho

14 - ESTÁ À VENDA MAS ONDE???







IMAGINAÇÃO





BOM  DIA