segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

- UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

 
A professora pergunta aos seus alunos nomes 
de coisas que acabem em "dor" e que comam coisas.

O Ricardo diz:
-Predador!!!
A professora responde:
- Muito bem, come as suas presas.
O Paulinho diz:
-O aspirador.
A Professora:
- Bravo. Que imaginação, na verdade podemos dizer que come o lixo.
No fundo da sala grita o Joãozinho:
-Vibrador!!!
A professora dá um pulo, quase cai da cadeira e responde:
-Joãozinho que é isso?!!!!  Vibrador não come nada!!
E diz o Joãozinho muito depressa:
-Come, come sim fessora. A minha irmã tem um lá em casa e vive dizendo que o vibrador come as pilhas num instante!!!!

enviado por J. MILHAZES

ARTE DA PROTUBERÂNCIA

video


enviado por J. COUTO

NUREYEV

DEAN ORNISH - OS NOSSOS GENES NÃO SÃO O NOSSO DESTINO



clique em 'subtitles' para legendar em português

ALMORRÓIDA CABULENTA


Quase 35% dos alunos de 15 anos 
chumbou pelo menos uma vez no Básico

Quase 35 em cada 100 alunos portugueses de 15 anos repetiram pelo menos um ano de escolaridade durante o Ensino Básico, segundo um estudo da Comissão Europeia divulgado hoje, segunda-feira, e que analisou 31 países.

Segundo o relatório "Taxas de Retenção durante a Escolaridade Obrigatória na Europa", Portugal regista relativamente àquele indicador uma taxa de 34,5%, apenas ultrapassada por quatro países: Bélgica -- Comunidade Francesa (37,1%), França (36,5%), Luxemburgo (36,1%) e Espanha (35,3%).

O estudo abrange todos os estados-membros (31), Islândia, Noruega, Turquia e Liechtenstein, e analisa de forma comparativa como é que as retenções são aplicadas nas escolas dos vários países.

É concluído que a este nível as práticas variam muito entre países: o facto de o aluno repetir um ano de escolaridade pode depender mais da cultura educativa do que efectivamente do seu desempenho.

"A existência de uma cultura de retenção é a razão pela qual a prática é mais usada em determinados países. Nestes, a ideia de que a repetição é benéfica para os alunos continua a prevalecer. Na Europa, é sobretudo na Bélgica, Espanha, França, Luxemburgo, Holanda e Portugal que esta convicção persiste", lê-se no documento.

A progressão automática está estabelecida oficialmente em países como a Islândia e Noruega e na Bulgária e Liechtenstein ao nível do primeiro ciclo.

Nos restantes países, excepto no Reino Unido, a retenção é permitida por legislação, mas existem alguns limites à sua utilização, como a progressão automática nos primeiros anos da escola ou um limite do número de vezes que um aluno pode repetir o mesmo ano de escolaridade.

"Progresso insuficiente é em todos os casos a principal razão para que um aluno seja retido. No entanto, em alguns países, outros critérios como as faltas e o comportamento podem ser tidos em consideração", acrescenta.

Por outro lado, a Comissão Europeia verificou que na maioria dos países analisados a maior influência nessa decisão é a dos professores, enquanto a opinião dos encarregados de educação têm um papel menor.

Por outro lado, nos países onde é atrasada a entrada de alunos no ensino obrigatório por falta de maturidade e desenvolvimento, acaba por se verificar igualmente a retenção.

Em Portugal, a idade é o único critério de admissão de um aluno no ensino obrigatório e a retenção é proibida do 1.º para o 2.º ano do 1.º ciclo do Ensino Básico.

IN "JORNAL DE NOTÍCIAS"
07/02/11

O ASSALTO

VICTOR ÂNGELO






Dos Alpes para baixo

As dores de cabeça de quem está em Davos relacionam-se também com o peso crescente de fontes não-tradicionais de poder - as ONG, as redes sociais e certos media como a Al Jazeera e o Wikileaks

O encontro anual de Davos, que agora está a decorrer, não tem a Tunísia inscrita na ordem do dia. Nem qualquer outro país da África do Norte ou do espaço árabe. A agenda mostra que as empresas globais e os principais paladinos do liberalismo económico internacional têm outras preocupações.

Este ano, o ponto de partida do Fórum Económico Mundial, a designação oficial da reunião de Davos, é o reconhecimento da incerteza e da mudança, como sendo as duas principais vertentes, na atualidade das relações internacionais. Dizem os grandes deste mundo que existe "uma nova realidade". Complexa, instável, em constante mutação, difícil de prever. Acrescentam que, no tempo presente, há uma tendência para pôr tudo em causa. Incluindo o papel dos Estados. A instabilidade traz novas ameaças e riscos, quer a nível político quer nos domínios económicos, empresariais e sociais. Há, por outro lado, uma multiplicação dos centros de poder. A geopolítica está em transformação, as áreas de influência dos Estados mais poderosos estão a ser contestadas. As dores de cabeça de quem está em Davos relacionam-se, igualmente, com o peso crescente de fontes não-tradicionais de poder, como certas Organizações Não-governamentais, as redes sociais cibernéticas e os media de alcance global, de que a Al Jazeera TV é o exemplo mais recente. Sem esquecer, claro, a erupção de contrapoderes, como é o caso de Wikileaks.

Tudo isto é verdade. São os receios de quem vê as coisas de cima, com tempo para as grandes questões estratégicas. Parecem, para quem não anda no cume dos Alpes, questões abstratas, meras justificações para que os poderosos tenham a oportunidade, uma vez mais, de passar uns dias a fortalecer as suas redes de contactos. Não será bem assim. Mas, quem anda nas praças de Tunes, ou nas ruelas de Argel, acaba por ter uma outra visão da vida, mais imediata, focada na sobrevivência.

Muito se tem escrito sobre a situação na Tunísia, o desemprego dos jovens, a pobreza, a corrupção do grupo dirigente, a repressão política, os riscos do fundamentalismo religioso. Factos importantes, todos esses, sem dúvida. Porém, no fundo, o que existe na Tunísia e noutros países vizinhos, é a combinação explosiva de três ingredientes determinantes: um crescimento demográfico acelerado, com multidões de jovens sem chances de encontrar emprego; uma urbanização desumana, sem um mínimo de condições; e a negação da participação política. Ou seja, à precariedade, à falta de perspetivas, à insegurança absoluta perante o futuro, junta-se a repressão da iniciativa individual, reduzindo o espaço de manobra de cada um e impedindo a responsabilização política dos cidadãos. Deste modo, a frustração social é canalizada contra o pequeno círculo de dirigentes. A revolta popular é profunda e genuína. No caso concreto da Tunísia, o poder está na rua, ainda não surgiram os líderes que uma situação destas deveria fazer emergir. Por que será? Entretanto, a rua não vai aceitar qualquer pacto com o que resta do regime anterior.

Haverá quem fale nestas coisas, nos intervalos dos grandes debates, nos salões de Davos. E quem diga que a Argélia, o Egito, o Iémen, países com situações semelhantes e capazes de seguir um caminho paralelo ao da Tunísia, são terras longínquas, que pouco contam no comércio mundial. Seria um erro pensar assim. Sobretudo no quadro de um fórum que afirma que a interdependência entre nações é uma das características do tempo presente. E que o contágio é, na era da internet, como fogo em palha seca.

IN "VISÃO"
27/01/11

3 - PORQUE O ANTIGO EGIPTO SE DESMORONOU

APROVEITE ESTA IDEIA

Os seus sapatos ainda têm muito para andar!

Vamos participar? E ainda ganhamos espaço lá em casa... 
Sapatos, botas, ténis, chinelos, sandálias... Todos eles fazem parte das nossas vidas, até que um dia nos deixam de servir, gastam-se ou deixamos de usá-los.
Neste sentido, e para evitar que deixe de "dar corda" aos seus sapatos, a empresa de reparação de calçado Botaminuto lançou a campanha solidária "Sapatos com Histórias", que convida as pessoas a desfazerem-se dos sapatos que já não usam e deixá-los em qualquer loja desta cadeia. Depois de arranjado, todo o calçado é encaminhado para instituições de solidariedade social e ajuda a aquecer os pés frios de Norte a Sul do país.
Até 15 de Fevereiro, participe nesta iniciativa e entregue os seus sapatos usados, de adulto ou criança, no ponto de recolha mais perto de si. Poderá ainda partilhar a história do seu par de sapatos nas redes sociais!
É tempo de ajudar...dê os seus sapatos a quem não os tem!


CLIQUE EM "SAPATOS COM HISTÓRIAS" PARA VER PONTO DE ENTREGA

Sabia que este é o 4ºano consecutivo que a Botaminuto promove esta campanha e que, em 2010, conseguiu angariar 9000 pares de sapatos?

1 - MÚSICA NA RUA

FLUX

HOMEM VIOLA UMA VACA (MESMO)




Zavala: Homem é apanhado em flagrante 
a manter relações sexuais com uma vaca


Um indivíduo de quarenta anos de idade foi encontrado em flagante a manter relações sexuais com uma vaca na região de Nhabete, distrito de Zavala, província de Inhambane.
Tudo começou quando o homem se dirige para o local onde uma manada de gado bovino encontrava-se a pastar. Depois de uma exame cuidadoso, ele escolhe aquela que lhe pareceu a melhor entre todas as vacas ali existentes, após o que a desvia para um local que achou ideial para satisfazer o seu apetite sexual.
Para lograr uma relação mais cómoda, o homem foi obrigado a laçar as patas do pobre animal, ao mesmo tempo que a prendia numa árvore próxima.
O caso foi descoberto pelo dono da manada quando, por alturas da recolha dos animais para o curral, deu pela falta da cabeça. Pensou que o animal tivesse sido roubado, como amiúde acontece na região. Após encetar uma busca, seguindo o rastro do animal, eis que o dono dos animais se vê perante uma cena no mínimo insólita: o “ladrão” afinal não havia roubado a vaca; encontrava-se, isso sim, em cima dela, em pleno coito.

Descoberto, o “touro” ainda tentou encetar uma fuga ao se ver descoberto, tendo sido neutralizado minutos depois por populares que se aperceberam no acontecimento. Já no posto policial, para onde o caso foi encaminhado, as autoridades não encontraram matéria criminal, optando por aconselhar os protagonistas do caso – o ofendido e o homem feito “touro” – a entenderem-se “como família”.
O dono da vaca recusa-se a receber de volta a vaca “violada”, exigindo em troca um animal sem as “impurezas” do violador de vacas.
Sabe-se também que o homem é acusado de, num passado não muito distante, ter também mantido relações sexuais com uma cabra.

IN "A VERDADE"
02/02/11
MOÇAMBIQUE

FESTIVAL DE NEVE E GELO

video

"LAM" VOA PARA PORTUGAL

LAM inicia dois voos semanais 
para Lisboa a partir de Abril

Maputo – A Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) apresentou quarta-feira em Maputo o
início dos voos intercontinentais para Lisboa em Abril, quatro vezes por semana, uma parceria com a TAP que marca “uma nova etapa de internacionalização da LAM”. Actualmente, os quatro voos semanais entre Moçambique e Portugal são assegurados por um acordo de “code-share” com a TAP, que em Janeiro já tinha anunciado o fim da ligação directa entre Lisboa e Joanesburgo a partir de Junho, passando esta a ser feita via Maputo. A decisão de iniciar voos regulares para Lisboa já tinha sido confirmada à Lusa em Março passado pelo director comercial da LAM,
Adérito Macaba, mas só quarta-feira foi lançada publicamente, durante a gala da companhia moçambicana que premiou os melhores agentes de viagem, turismo e carga em 2010. A partir de 01 de abril, a LAM passará a realizar dois voos semanais para a capital portuguesa com uma aeronave B767- 300, pelo preço de 19.521 meticais (cerca de 439 euros), sendo que os restantes dois serão efectuados pela TAP.
“Com esta rota, alargamos os nossos horizontes, oferecendo ao mercado mais uma opção nas suas deslocações para a Europa, via Lisboa, bem como para os destinos na América Latina, em particular o Brasil, através do entendimento estabelecido entre a LAM e a TAP, para a realização de quatro voos semanais”, adiantou o presidente da companhia moçambicana, José Viegas.

Falando no início da cerimónia, José Viegas explicou que os voos para Portugal vão “marcar uma nova etapa de internacionalização da marca LAM”, possibilitando à companhia estar em condições de, “em 2013, ampliar e expandir os seus negócios para outros mercados que não Lisboa”, como São Paulo, no Brasil.
Por outro lado, acrescentou, através do acordo com a TAP, que a partir de Junho deixa de voar para Joanesburgo, o Aeroporto Internacional de Maputo vai ser “potenciado” como “porta de entrada na África Austral, beneficiando a LAM, que terá que adequar a oferta na região austral”.
Assim, as ligações entre as capitais moçambicana e sul-africana passarão a ser feitas pela LAM, com equipamento próprio e em “code-share” com a companhia portuguesa, a partir de Lisboa.

IN "BOLETIM LUSA"
04/02/11

3 - DIVERTIDOS NA GUERRA





3 - AS PAREDES DO PREC








TENHA UM BOM DIA............



...e cuidado, os aldrabões "andem" aí


COMPRE JORNAIS

o prémio por sermos pacíficos
Revoltas árabes ajudam turismo
O turismo algarvio será beneficiado com as revoltas no Egipto e na Tunísia. Isto porque os turistas estão a desistir de fazer férias nesses países, por falta de segurança, e muitos devem optar pelo Sul de Portugal.
"Temos vindo a ser contactados por operadores internacionais, que cancelaram as operações naqueles países e pretendem destinos alternativos para recolocar as reservas de clientes", refere Nuno Aires, presidente do Turismo do Algarve.
Este responsável espera, por isso, que a região registe "um acréscimo da procura turística", embora "ainda não seja possível saber qual a sua dimensão". O clima de insegurança no Egipto e na Tunísia "pode ter um efeito de contágio em relação ao outros países vizinhos, e o turismo é muito sensível a estas questões", explica.
"CORREIO DA MANHÃ"

e que ganhe a corrida...
Efacec acelera para carregar 
carros eléctricos em todo o mundo
"A Efacec quer posicionar-se como uma das primeiras empresas fornecedoras de infra-estruturas de carregamento rápido para veículos eléctricos a nível mundial", afirmou Luís Filipe Pereira.
Enquanto a indústria automóvel lança os primeiros carros eléctricos, a Efacec aposta na criação de infra-estruturas de carregamento rápido para veículos movidos a eletricidade com o objectivo de ser um dos principais actores neste mercado.
"A Efacec quer posicionar-se como uma das primeiras empresas fornecedoras de infra-estruturas de carregamento rápido para veículos eléctricos a nível mundial", afirmou à Lusa o presidente da comissão executiva, um desafio que vai apresentar na terça-feira, no Congresso das Exportações, em Santa Maria da Feira, organizado pela AICEP Portugal Global.
Em declarações à Lusa, Luís Filipe Pereira destacou que "Portugal tem tido um papel pioneiro [no sector da mobilidade elétrica], estando convicto que "tratando-se de um mercado nascente, pode vir a ter relevo no futuro. A mobilidade eléctrica ainda está a nascer, mas a Efacec está a investigar, desenvolver para criar mais tarde um negócio que pode ser rentável e exportável".
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

para que bolsos foi o dinheiro????
Responsáveis pelo Plano Nacional de Saúde vão extinguir mais de trinta programas
Dos 40 programas nacionais de prevenção e controlo de doenças. O Ministério da Saúde vai manter em funcionamento apenas cinco ou seis. A oncologia, as doenças cardiovasculares, o VIH/Sida, a diabetes, a saúde materna e infantil ou a prevenção de acidentes são alguns dos serviços que, de acordo com o Diário de Notícias, não vão ser extintos.
Esta redução que tem estado a ser discutida no âmbito do Plano Nacional de Saúde 2011-2016 vai depender das prioridades "definidas através dos anos de vida potencial perdidos por cada doença", disse ao jornal a alta-comissária da Saúde, Maria do Céu Machado.
A justificação da extinção de alguns dos serviços tem que ver com o facto de muitos dos programas não terem saído do papel, apesar de terem recebido financiamento.
"i"

alguém desconfia porquê???
Portugueses são os que menos confiam no 
Governo
Os portugueses são os que menos confiam no Governo entre um grupo de 23 países analisados num barómetro que avalia o nível de confiança nas empresas, Governo, ONG e media, que hoje será divulgado.
De acordo com o Edelman Trust Barometer 2011, que pela segunda vez inclui Portugal, apenas nove por cento dos 203 inquiridos afirmou confiar no executivo, revela a Lusa.
Face a 2010, o “Governo é a única instituição cujo nível de confiança se reduz”, refere o estudo. No ano passado, 27 por cento dos inquiridos afirmou confiar no executivo, um valor que desceu para nove por cento.
Entre os mais desconfiados nos Governos estão os irlandeses (20 por cento) e os alemães (33 por cento), enquanto os chineses (88 por cento) se mostram os mais confiantes.
Na mesma linha, Portugal “é o segundo país que atribui menos credibilidade a um representante do Governo ou regulador”, sendo apenas superado pela Indonésia, numa tabela liderada pelo Brasil.
Os portugueses consideram os técnicos das empresas (como cientistas ou engenheiros) os porta-vozes mais credíveis e os presidentes executivos os segundo menos credíveis.
Já as Organizações Não Governamentais (ONG) são as instituições em que os portugueses mais confiam (69 por cento), seguidas pelas empresas (47 por cento) e os meios de comunicação social (39 por cento).
"PÚBLICO"

com mérito
Michelle Brito conquista 
1.º torneio da carreira
A tenista portuguesa Michelle Larcher de Brito conquistou este domingo o torneio ITF Del Mar Financial Partners Inc. Open, na Califórnia, depois de bater na final a norte-americana Madison Brengle em três sets (3-6, 6-4 e 6-1), num encontro que durou cerca de duas horas.
O arranque de jogo foi complicado para a tenista nacional, sofrendo logo um break por parte da norte-americana, 3.ª cabeça de série do torneio. Brengle avançou para uma vantagem mais segura, sofrendo apenas uma quebra de serviço para 5-3, respondendo logo depois para fechar o primeiro parcial em 6-3.
"RECORD"

 a teoria da globalização resulta
Há perto de 200 destinos 
no mundo que acolhem criminosos
São 191 os territórios que não extraditam criminosos para Portugal. Trabalho da justiça é facilitado 
no espaço Schengen

O combate ao crime em Portugal é realizado cada vez mais em cooperação, no sentido de evitar a fuga de criminosos, nomeadamente a sua saída do espaço Schengen. Mesmo assim, por vezes, há foragidos, cujo número a Polícia Judiciária (PJ) não divulga, que acabam por não responder perante a justiça refugiando-se em paraísos - há 191 no mundo - com os quais Portugal não tem qualquer relação em termos policiais e judiciais.
Ainda recentemente, a propósito do processo Casa Pia, o ex-inspector da PJ Dias André disse que Carlos Silvino podia fugir para o Brasil, já que os acordos de extradição que existem são muito limitados, e a justiça portuguesa podia perder-lhe o rasto.
No total, são 191 os territórios, uma grande parte ilhas perdidas no Índico e Pacífico, com os quais Portugal não tem qualquer acordo de extradição. Nem Portugal nem a generalidade dos países do mundo. O Belize, os Camarões, o Suriname e a Indonésia são dos destinos mais procurados por quem foge à justiça.
O problema, como explicou ao DN o director adjunto da PJ Pedro do Carmo, é que "as regras são conformes ao tipo de legislação de cada país e há certos crimes que não são considerados como tal noutras legislações". É o caso da corrupção e burla. Mesmo assim, a PJ emite mandados de captura internacionais e o trabalho investigatório é feito pela Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal), cujo objectivo é assegurar e desenvolver a assistência recíproca entre as autoridades de polícia no quadro da legislação existente nos diferentes países e no espírito da Declaração Universal dos Direitos do Homem. No caso de o paradeiro de um criminoso ser detectado, a Interpol estabelece e desenvolve todas as institui- ções capazes de contribuir para a prevenção e repressão das infracções de direito comum.
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

elementar...
Risco de Portugal 
é dos que mais sobe no mundo
O juro cobrado pelo mercado para absorver dívida portuguesa avança para os 7%, depois de Berlim ter rejeitado flexibilizar o fundo.
A cotação dos ‘credit-default swaps' (CDS) sobre obrigações do Tesouro a cinco anos, instrumentos que servem para proteger as posições detidas em dívida portuguesa, negoceiam acima dos 400 pontos, segundo dados da Bloomberg. Quanto mais alta a cotação do CDS, maior a percepção de risco.
A cotação actual é de 407,39 pontos, mais 2,3 pontos pontos face a sexta-feira, o que indica que os investidores estão a pagar 407,39 mil euros por ano para proteger uma posição de 10 milhões de euros de dívida a cinco anos. O valor máximo dos CDS sobre dívida nacional foi atingido a 10 de Janeiro, altura em que negociaram nos 546 pontos. É a terceira subida mais acentuada em todo o mundo, depois da Grécia e da Venezuela.
"DIÁRIO ECONÓMICO"

com o desemprego que grassa...
Estágios nas Câmaras
Procura 18 vezes superior à oferta
O secretário de Estado da Administração Local, José Junqueiro, revelou que houve '19 mil candidaturas concretizadas', à quarta edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Local, 'uma procura 18 vezes superior à oferta', O Governo disponibilizou dois mil lugares, para 1330 candidaturas das Câmaras, que vão pagar apenas 30 por cento do estágio, que custa 11.400 euros.
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

dêem meios às nossas polícias
Traficantes tinham frota de "lanchas voadoras"
Duas empresas que simulavam o aluguer de barcos para esconder o tráfico de drogas tinham 11 lanchas-voadoras, dois armazéns arrendados, carros e telefones por satélite. A rede está agora a responder em tribunal, no Barreiro. Dos 12 arguidos um é português.
O processo começou a ser julgado no Tribunal do Barreiro, mas apenas quatro dos arguidos, que se encontram em prisão preventiva, estão sentados no banco dos réus. Os outros estão fugidos ou não foram localizados pelas autoridades para serem notificados.
Os 12 arguidos integravam uma das mais importantes redes detectadas em Portugal, tendo-lhes sido apreendidas sete toneladas de haxixe, pela Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes (UNCT) da Polícia Judiciária (PJ), num trabalho conjunto com a Polícia Nacional espanhola.
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

 assim não entra mosca nem sai asneira
Gilberto Madail em silêncio após reunião
Durou mais de três horas a reunião da direcção da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), que teve em cima da mesa a análise à prestação da Selecção Nacional no Campeonato do Mundo de 2010.
No final do encontro, que decorreu na sede do organismo, em Lisboa, o líder da FPF, Gilberto Madail, escusou-se falar aos jornalistas presentes, remetendo quaisquer explicações para um comunicado que será divulgado através do site do organismo.
"A BOLA"

7 - NÓS E OS ANIMAIS


3 - ESTÁ À VENDA, MAS ONDE??








4 - DEZ GRANDES IDEIAS


CLIQUE PARA AMPLIAR



enviado por D.A.M.

JORNAIS DE HOJE


COMPRE JORNAIS










BOM DIA