quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

31 - UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA


O telefone toca, à noite.

Marido: "Se for para mim, diga que eu não estou em casa."

Mulher responde: "Ele está em casa."

Marido: "Mas... que diabos!"

Mulher: "Era para mim!"

CONCLUSÃO PRECIPITADA


CONCLUSÃO PRECIPITADA
Enviado por minatel. - Sitcom, pegadinhas e vídeos de comédia stand-up.

4 - CORPOS URBANOS


URBAN BODIES/CORPI URBANI from marzio mirabella on Vimeo.

3 - EXPRESSÕES POPULARES SEU SIGNIFICADO


TER PARA OS ALFINETES
Significado: Ter dinheiro para viver.
Origem: Em outros tempos, os alfinetes eram objecto de adorno das mulheres e daí que, então, a frase significasse o dinheiro poupado para a sua compra porque os alfinetes eram um produto caro. Os anos passaram e eles tornaram-se utensílios, já não apenas de enfeite, mas utilitários e acessíveis. Todavia, a expressão chegou a ser acolhida em textos legais. Por exemplo, o Código Civil Português, aprovado por Carta de Lei de Julho de 1867, por D. Luís, dito da autoria do Visconde de Seabra, vigente em grande parte até ao Código Civil actual, incluía um artigo, o 1104, que dizia: «A mulher não pode privar o marido, por convenção antenupcial, da administração dos bens do casal; mas pode reservar para si o direito de receber, a título de alfinetes, uma parte do rendimento dos seus bens, e dispor dela livremente, contanto que não exceda a terça dos ditos rendimentos líquidos.»

AS SUAS PEGADAS INFINITAS





video

VITOR RAÍNHO


 Humor, 
       religião 
             e gays


O humor sempre foi um campo muito fértil em polémicas e a linha entre o aceitável e o condenável sempre foi também muito ténue.

Os profissionais têm temas que gostam de parodiar e à cabeça aparece invariavelmente a religião. Não foi assim há tanto tempo que um cartunista dinamarquês viu decretada uma fatwa - sentença de condenação à morte - por ter desenhado o profeta Maomé com um turbante encimado com uma bomba. Desde então, Kurt Westergaard tem vivido com a sombra da morte.

Tirando os radicais islâmicos, os humoristas sofrem na pele sempre que entram por caminhos considerados politicamente incorrectos. Herman José foi censurado e retirado do ar da RTP em 1988 quando fazia entrevistas históricas no seu programa Humor de Perdição. A razão nunca foi totalmente apurada, embora se tenha escrito que as referências a uma hipotética homossexualidade do rei D. Sebastião tenham estado na origem no cancelamento do programa quando estava pronta a entrevista seguinte à Rainha Santa Isabel.

Curiosamente, são a sexualidade e a religião os principais factores de desunião no que ao humor diz respeito. Pode gozar-se com chefes de Estado e com todo o tipo de governantes, mas sempre que se entra nos campos citados, a história muda de figura. E até penso que é mais fácil gozar com a Igreja Católica do que com algum gay assumido ou encapotado. Ainda esta semana, na cerimónia de apresentação dos Globos de Ouro de Hollywood, em que os jornalistas estrangeiros fazem as suas escolhas, o apresentador de serviço, Ricky Gervais - um reconhecido provocador nato -, mereceu a reprovação de meio mundo por ter feito trocadilhos em que envolvia religião e sexo. Falando dos filmes que tinham ficado fora das nomeações, Gervais referiu-se a eu Amo-te Phillip Morris, em que dois heterossexuais fazem de gays, «ao contrário de alguns cientologistas famosos». Foi o suficiente para se saber que no próximo ano o apresentador será outro. Ninguém tem de dizer o que quer que seja sobre a sua sexualidade, mas também é ridículo que não se possa brincar com isso. Gervais não foi, por exemplo, condenado por ter achincalhado Charlie Sheen, um heterossexual muito dado nos últimos tempos a uma mistura de orgias, álcool e droga.

A liberdade de criação não pode estar prisioneira do politicamente correcto. Cada um tem direito a ser o que quiser. Heterossexual, homossexual, bissexual, o que bem entender. A vida a cada um pertence. O humor é de todos.

P.S. - Sobre a morte de Carlos Castro muito se disse. Mas nenhum artista a quem ele prometeu desfazer a carreira quis falar em on. Em Portugal ainda há muito pudor sobre os mortos...

IN "SOL"
24/01/11

ALMORRÓIDA GOVERNANTA








 NÃO SE APONTA QUE É FEIO....

Há políticos que nos surpreendem, por vezes da pior forma.
Desta vez, durante um acalorado debate na televisão belga, a vice-primeira-ministra Laurette Onkelinx cometeu aquilo a que poderemos chamar de gaffe corporal... Então não é que a número dois do executivo da Bélgica mostrou, em pleno debate, o dedo médio - o que é considerado um gesto obsceno - em vez do indicador? É caso para dizer que se a moda pega por cá...

IN "CORREIO DA MANHÃ"
02/02/11 »»» 00H30

4 - VETERANOS






APROVEITE ESTA IDEIA

Os seus sapatos ainda têm muito para andar!

Vamos participar? E ainda ganhamos espaço lá em casa... 
Sapatos, botas, ténis, chinelos, sandálias... Todos eles fazem parte das nossas vidas, até que um dia nos deixam de servir, gastam-se ou deixamos de usá-los.
Neste sentido, e para evitar que deixe de "dar corda" aos seus sapatos, a empresa de reparação de calçado Botaminuto lançou a campanha solidária "Sapatos com Histórias", que convida as pessoas a desfazerem-se dos sapatos que já não usam e deixá-los em qualquer loja desta cadeia. Depois de arranjado, todo o calçado é encaminhado para instituições de solidariedade social e ajuda a aquecer os pés frios de Norte a Sul do país.
Até 15 de Fevereiro, participe nesta iniciativa e entregue os seus sapatos usados, de adulto ou criança, no ponto de recolha mais perto de si. Poderá ainda partilhar a história do seu par de sapatos nas redes sociais!
É tempo de ajudar...dê os seus sapatos a quem não os tem!


CLIQUE EM "SAPATOS COM HISTÓRIAS" PARA VER PONTO DE ENTREGA

Sabia que este é o 4ºano consecutivo que a Botaminuto promove esta campanha e que, em 2010, conseguiu angariar 9000 pares de sapatos?

PAULO DE CARVALHO & MAFALDA SACHETTI

PREVENÇÃO RODOVIÁRIA

3 - ANTIGOS ANÚNCIOS FRANCESES







1 - ACONTECE





INFORMAÇÃO MUITO ÚTIL


CAROS VISITADORES

"Poesia incompleta" 
Livraria ao Principe Real

Actualmente existe, em Lisboa, uma livraria absolutamente única no país: uma livraria integralmente dedicada à poesia. Sucede, contudo, que, apesar de fantástica, ela encontra-se com alguma dificuldade em sobreviver. 
O que não se compreende: tem à sua frente um jovem livreiro que, além de extremamente eficiente, como verão, possui um
total conhecimento do que está a vender: conhece os autores, as edições, tudo.
A livraria de que vos falo chama-se Poesia Incompleta, fica na Rua Cecilio de Sousa nº 11 (Príncipe Real) e vai com certeza ser uma revelação para quem a visitar. Abrange todas as épocas e o que não tem, o Mário, o dito livreiro, arranja, normalmente - e com uma brevidade que, no mínimo, surpreende.
Peço-vos - a vos que sois leitores, presumo - que façam uma visitinha a este sitio, que não pode de maneira nenhuma fechar e que, pela sua qualidade, vai-se tornar, mais tarde ou mais cedo, como aliás disse Vasco Graça Moura, num local de culto. 
Isto, claro, se não fechar, coisa que, passando a palavra e recomendando a amigos este tão singular espaço, podemos evitar.

enviado por J.V.A.

6 - EXPOSIÇÂO UNIVERSAL »»» PARIS 1900


ÚLTIMA EDIÇÃO DA SÉRIE

CLIQUE PARA AMPLIAR







TENHA UM BOM DIA............


...embora  rodeado de mentiras

COMPRE JORNAIS

CORRER BEM O QUÊ, TEM PÉ DE ATLETA???
Braz da Silva: 
«Candidatura irreversível se tudo correr bem»
A candidatura de Braz da Silva às eleições do Sporting será apresentada formalmente na próxima segunda-feira, segundo confirmou o próprio a Record, depois de ontem se ter reunido em Madrid com Jose Angel Sanchez, diretor-geral executivo do Real.
“Os nossos apoios são cada vez mais e melhores, a onda que se gerou à volta da candidatura é grande”, disse o empresário, de 50 anos, que controla a Finertec e a Construtora do Tâmega. “Se tudo correr bem, a candidatura é irreversível”, sublinhou.
"RECORD"

CONTAS POR BAIXO...
236 portugueses por dia 
ficaram desempregados em 2010
Desemprego manteve-se em Dezembro nos 10,9%, num sinal de estabilidade, mas com uma subida de 0,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Portugal já é o quinto país com a maior taxa da UE.
Por dia, cerca de 263 portugueses caíram no desemprego entre Dezembro de 2009 e igual período do ano passado. No final do ano que terminou, estavam nessa situação cerca de 600 mil desempregados, mais 46 mil do que no período homólogo.
Os dados de Dezembro último, medidos pelo Eurostat, revelam, no entanto, alguns sinais de estabilidade. Apesar de a taxa de desemprego ter aumentado 0,6% face ao mesmo mês do ano passado, manteve-se inalterada nos 10,9% em relação a Novembro último, revelou ontem o organismo de estatística da Comissão Europeia.
Mesmo assim, a taxa de desemprego portuguesa situa-se, nesta matéria, 1,3 pontos acima da média europeia, ocupando a quinta posição mais elevada dos países da UE com informação disponível, ou a nona segundo a versão do Governo.
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

UM FARTAR VILANAGEM
Autarcas têm luz verde para gastar o dobro
Alteração ao regime de autorização de despesas para contratos públicos permite às câmaras gastar até 300 mil euros sem autorização das Finanças.
Os autarcas vão poder fazer despesas até 300 mil euros, o que representa o dobro do montante actual. Este aumento resulta da revisão do regime da autorização da despesa dos contratos públicos a celebrar pelo Estado, autarquias e entidades públicas.
Em causa estão despesas de contratos públicos em várias áreas, como as empreitadas e aquisição de bens e serviços, como a compra de equipamentos, por exemplo. Mas apesar do aumento do montante das despesas de 150 mil para 300 mil euros, o secretário de Estado da Administração Local, José Junqueiro, garantiu ao Diário Económico que os limites de despesa das autarquias não aumentam por causa desta modificação. Isto é, no final, o bolo total da despesa terá de ser o mesmo. O que muda é que os autarcas não tem que pedir autorização ao ministro das Finanças, e ganham assim poder para gastar o dobro sem ter que justificar.
"DIÁRIO ECONÓMICO"

 SENTIDO DESCENDENTE
Mercado de ligeiros cai 10,5 por cento em janeiro
A venda de automóveis ligeiros de passageiros e comerciais registou, em janeiro, uma quebra de 10,5 por cento.
O mercado de automóveis ligeiros de passageiros registou em Portugal, no mês de janeiro, uma queda de 9,2 por cento em relação a igual mês do ano anterior, tendo sido comercializados 13.223 veículos, refere em comunicado a ACAP - Associação Automóvel de Portugal. A esse número, acrescido de comerciais ligeiros (2.457), a venda de automóveis atinge uma queda de 10,5 por cento.
Esta contração do mercado acabou por ser menor do que o esperado, em virtude de terem sido matriculados no mês de janeiro cerca de 3.000 veículos referentes a processos submetidos ainda no passado mês de dezembro, no âmbito do programa de incentivos ao abate de veículos em fim de vida, os quais foram despachados no primeiro mês do ano.
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

AS MOEDAS SÃO PRETAS
Crise está a favorecer marcas brancas
Um produto de marca branca chega a ser 50% mais barato do que um de marca, mesmo quando o fabricante é o mesmo. Quem o diz é um grupo de consumidores seguido durante 10 visitas às compras. A Centromarca contesta esta ideia e classifica-a de "mito".
Um estudo promovido pela agência de publicidade BBZ, realizado pela Magma Research, confirma que os consumidores portugueses estão a seguir a tendência da Europa e a optar pela compra das marcas de distribuidor (MDD) em detrimento das marcas de fabricante (MDF). Na base desta mudança, que tem sido mais forte nos últimos cinco anos, está a questão financeira.
A DECO realizou o seu próprio estudo e publicou os resultados há uma semana: os produtos alimentares de marca própria são em média 30% mais baratos do que os MDF. A amostra da BBZ, composta por quatro grupos de consumidores (dois em Lisboa e dois no Porto), apresentou resultados que vão no mesmo sentido.
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

FORÇA CAMPEÃO
Rui Silva testa-se para Europeus
Inicia a época de pista coberta na final do nacional de clubes. Poderá correr 1500 ou 3000 m em Paris. Campeão há dois anos, tem vontade de competir num terreno de que tanto gosta.
Rui Silva ainda não decidiu se estará nos Europeus de pista coberta de Paris, entre 4 e 6 de Março. Ou até se defenderá o título conquistado há dois anos nos 1500 ou optar por competir nos 3000 metros. «Vamos ver como o Rui reage. Tudo depende da primeira experiência, durante a final do Nacional de clubes [a 12 e 13], e temos ainda agendado o meeting de Birmingham [a 19]», diz o técnico João Campos.
O atleta conquistou em 2009 a sua terceira medalha de ouro em Europeus de pista coberta, sempre nos 1500m, e tem ainda uma de prata nos 3000, obtida em 2000.
"A BOLA"

SAÚDE PÚBLICA PREOCUPANTE
Diabetes custa 1500 milhões
O custo da diabetes no Serviço Nacional de Saúde (SNS) ascendeu a 1500 milhões de euros, em 2010, o que equivale a cerca de sete por cento do Orçamento da Saúde, revelou ao CM o coordenador do Observatório Nacional da Diabetes (OND), Gardete Correia. Em 2009, os gastos com a doença oscilaram entre os 1050 e 1250 milhões de euros
Segundo o OND, que apresenta hoje o relatório com os dados actuais da doença, conhece-se pela primeira vez a prevalência da diabetes tipo 1 (insulino--dependente) nas crianças e jovens até aos 14 anos: 17 novos casos em cada 100 mil, o dobro do registado em 2000.
Outro dado do OND indica que 3,9 por cento das grávidas que utilizaram o SNS em 2009 apresentam diabetes gestacional, uma condição que afecta a saúde futura das mulheres, que pode levar ao desenvolvimento da diabetes do tipo 2.
A diabetes afecta 980 mil pessoas, o equivalente a 12,3 por cento da população portuguesa entre os 20 e os 79 anos. Destes, 44 por cento não estão diagnosticados nem têm qualquer tipo de tratamento.
"CORREIO DA MANHÃ"

CONVITE AO ASSALTO
Funcionários da Segurança Social passam a transportar dinheiro do Estado em Lisboa
Decisão do ISS é justificada por "constrangimentos" orçamentais. Funcionários recusam transportar milhares de euros no distrito de Lisboa
O Instituto da Segurança Social (ISS) cancelou o contrato com a empresa de segurança que garantia o transporte de dinheiro no distrito de Lisboa. E informou os funcionários que, a partir deste mês, serão eles os responsáveis pelo depósito das quantias no banco.
A decisão é justificada com os "constrangimentos legais" que decorrem do Orçamento do Estado e pelo facto da renovação de contratos de aquisição de serviços ter que ser aprovada pelas Finanças. É desta forma que o vogal do Conselho Directivo do ISS, José Silva e Sá, explica o facto de ter sido cancelado o contrato de 16 tesourarias com a empresa de segurança Esegur, a 1 de Fevereiro.
"Como solução de contingência, os colaboradores ficam responsáveis por efectuar o depósito no banco dos valores cobrados nas tesourarias na conta bancária do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social", afirma ainda a nota interna, a que o Negócios teve acesso. Em contrapartida, é contratado um seguro individual com a Fidelidade, tal como acontece noutras tesourarias do País.
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

NOVOS RICOS
Jovens portugueses foram os que 
mais compraram carros novos na Europa
Um quinto dos compradores de automóveis novos em Portugal em 2009 tinha menos de 30 anos. A percentagem de 20% faz do nosso país aquele onde os compradores jovens tiveram uma maior fatia do mercado de automóveis novos, isto no ano em que estiveram em vigor importantes incentivos ao abate de veículos em segunda mão na compra de carro novo. Na média dos países europeus analisados, a percentagem dos jovens a comprar carros novos era de 11%, revela o observatório da Cetelem - marca do BPN Paribas, para crédito ao consumo.
O estudo da Cetelem analisa a relação dos jovens com o mercado automóvel em oito países da União Europeia: Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Itália, Polónia, Portugal e Reino Unido.
A apetência dos jovens portugueses pela compra de automóveis novos é ainda visível no quadro que revela que Portugal apresenta a idade média menos alta de compradores de veículos novos - 43,2 anos contra quase 50 anos da média europeia. Mais. Apesar de em Portugal a maioria dos condutores abaixo dos 30 anos ter um carro em segunda mão (68%), esta é uma das percentagens mais baixas na Europa - a média global é de 83% -, onde em apenas dois países a maioria dos jovens tem um carro novo: Itália e Espanha.
O comportamento dos jovens nacionais aproxima-se dos polacos na paixão pela condução. "Os jovens polacos e portugueses, em particular, parecem ter desenvolvido um verdadeiro culto na prática automóvel, já que 90% declaram sentir paixão pela condução", diz o observatório. O trio Polónia, Portugal e Espanha lidera no número condutores abaixo dos 30 anos que valoriza a estética e as linhas do carro. Esta resposta apenas nos países ibéricos está nos 84%. Na Europa, a média é de 77%.
"i"

 A MÁGICA CAVAQUISQUENSE
Portugal perdeu 43 por cento dos passageiros de comboio em 20 anos
Na maior parte dos países europeus, o uso do transporte ferroviário cresce. Em Portugal, diminui. A aposta nas auto-estradas ditou o destino dos comboios

Duas décadas de aposta em auto-estradas e de fechos sucessivos de linhas de comboio fizeram com que Portugal perdesse, durante este período, 99 milhões de passageiros de caminhos-de-ferro. Dos 231 milhões de viagens de comboio realizadas em 1988, passou-se para 131 milhões em 2009, uma redução de 43 por cento.
Este número ilustra, de forma clara, o que tem sido a evolução do uso da ferrovia em Portugal, em contraponto claro com aquilo que se passa na maior parte dos outros países europeus. E faz com que se questione o impacto das políticas seguidas neste sector no passado e no presente.
Ontem, foi retirado o serviço ferroviário regional em mais 138 quilómetros de vias-férreas, depois de, no ano passado, se terem encerrado 144 quilómetros de linhas (com a promessa de reabilitação que não aconteceu).
Este acto de gestão é defendido como uma forma de reduzir o défice da CP, permitindo à empresa melhor concentrar a sua oferta nos grandes eixos onde o caminho-de-ferro cumpre a sua função de transporte de grandes massas.
No entanto, o que as estatísticas dos últimos 20 anos provam é que sempre que se cortaram linhas férreas, o número de passageiros diminuiu. Em 1990, quando Cavaco Silva era primeiro-ministro, reduziram-se abruptamente 700 quilómetros de vias-férreas, sobretudo em Trás-os-Montes e no Alentejo. O resultado foi que as linhas principais, vendo-se amputadas dos ramais que as alimentavam, ficaram com menos gente.
"PÚBLICO"

1 - SÁBIOS ESCRITOS

7 - REFLEXÃO


CLIQUE PARA AMPLIAR

3 - EVASÕES

JORNAIS DE HOJE


COMPRE JORNAIS










BOM DIA