quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

11 - UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA



ANÁLISES CLÍNICAS
- Doutor, o que eu tenho?
- Não sei, mas fique tranquilo, em caso de dúvida vamos descobrir na autópsia.

ACUTE - CONTEÚDO SENSUAL


Acute from Gene Geter on Vimeo.

DELIRANTE


The Best of "Delirium". from Ilya Dementiev on Vimeo.

PROFESSOR ATENTO

video

ALMORRÓIDA ARRUINADA



Krugman: 
    Juro do leilão de OT de Portugal 
                                      é “ruinoso”


O Nobel da Economia alerta que mais sucessos 
como o do leilão português de ontem 
e a periferia europeia será “destruída".

Na apreciação que Paul Krugman faz no seu blogue, o economista considera a taxa de juro do leilão da dívida pública portuguesa "pouco menos que ruinosa".

Portugal colocou hoje no mercado 1.249 milhões de euros em obrigações do Tesouro com maturidades a 10 e a 4 anos. Nos títulos a 10 anos, a taxa média ponderada baixou para 6,716% face aos 6,806% observados no leilão anterior. Nessa maturidade foram emitidos 599 milhões de euros, tendo a procura superado em mais de três vezes a oferta. Já nos títulos a 4 anos, os juros dispararam para 5,396% face aos 4,041% do leilão anterior comparável. Nesta maturidade foram dadas ordens que superaram em 2,6 vezes o montante da oferta, tendo sido emitidos 650 milhões de euros.

Em reacção, o primeiro-ministro considerou a colocação da dívida "um sucesso, qualquer que seja o parâmetro pelo qual se analise".O leilão foi "um sucesso na procura e um sucesso no preço, e isso é a melhor demonstração de confiança na economia portuguesa por parte dos mercados", sublinhou José Sócrates, à entrada para a Heimtextil, em Frankfurt.

No seu comentário, Krugman afirma que "considerar um sucesso a capacidade de Portugal colocar obrigações a dez anos a uma taxa de juro de 'apenas' 6,7% diz alguma coisa do profundo desespero da situação europeia".

O Nobel argumenta que, "se se pensar sobre a dinâmica da dívida, uma taxa de juro tão alta é pouco menos que ruinosa". Adianta, porém, que "não é, de facto, tão má como as pessoas estavam à espera na semana passada, daí o sucesso". Mas alerta: "Mais alguns sucessos e a periferia europeia será destruída."

No início do dia de quarta-feira, antes do leilão que se realizou durante a manhã, a Bloomberg citava o Financial Times alemão para divulgar que a Comissão Europeia e o fundo de resgate europeu estavam a preparar uma ajuda a Portugal que poderia chegar aos 100 mil milhões de euros se fosse necessária. Pormenorizava-se que a ajuda poderia ser disponibilizada muito brevemente, se o leilão da dívida registasse juros considerados insustentáveis.

IN "DIÁRIO ECONÓMICO"
13/01/11

ACHA QUE CONHECE A CHINA????

video

Coleção História Geral da África em Português



Coleção História Geral da África em Português
8 volumes da edição completa.

Brasília: UNESCO, Secad/MEC, UFSCar, 2010.

Resumo: Publicada em oito volumes, a coleção História Geral da África está agora também disponível em português. A edição completa da coleção já foi publicada em árabe, inglês e francês; e sua versão condensada está editada em inglês, francês e em várias outras línguas, incluindo hausa, peul e swahili. Um dos projetos editoriais mais importantes da UNESCO nos últimos trinta anos, a coleção História Geral da África é um grande marco no processo de reconhecimento do patrimônio cultural da África, pois ela permite compreender o desenvolvimento histórico dos povos africanos e sua relação com outras civilizações a partir de uma visão panorâmica, diacrônica e objetiva, obtida de dentro do continente. A coleção foi produzida por mais de 350 especialistas das mais variadas áreas do conhecimento, sob a direção de um Comitê Científico Internacional formado por 39 intelectuais, dos quais dois terços eram africanos.
Download gratuito (somente na versão em português):

NR:ESTA COLECÇÃO É MUITO IMPORTANTE.
Na primeira página do blogue, na coluna da esquerda e sob o título "A PEIDA AOS SITES" encontra o "caminho" para consulta em qualquer dos volumes ou para fazer o "download" de todos.

 AGRADECEMOS A J.V.A. O ENVIO DESTA PRECIOSA INFORMAÇÃO

PEDRO SOUSA CARVALHO

Pedro Sousa Carvalho

O FMI, o assalto ao poder 

         e a Nossa Senhora de Fátima


A chegada do FMI a Portugal está por dias. Este fim-de-semana, várias publicações internacionais – o Financial Times, o El Mundo, o El País, o La Vanguardia, o Expansión e o Der Spiegel – diziam que a chegada do FMI a Portugal é uma inevitabilidade.

O alemão Der Spiegel afirmava mesmo que Merkel e Sarkozy estão a pressionar Sócrates para seguir o exemplo da Grécia e da Irlanda para evitar o contágio a outros países do euro. Estamos a ser tratados como uma espécie de leprosos do sistema financeiro europeu. A Reuters, que cita uma fonte do Eurogrupo, diz ainda que a Finlândia e a Holanda já se juntaram ao eixo franco-alemão para pressionar Portugal e avança mesmo com um valor para o auxílio a Portugal: 60 a 80 mil milhões de euros.
José Sócrates continua em negação. É o chamado esticar a corda. Brian Cowen e Georges Papandreou também mentiam com todos os dentes uma semana antes da Irlanda e da Grécia terem recorrido ao Fundo Europeu de Estabilização Financeira.

A confirmação de que Portugal terá mesmo de recorrer ao FMI poderá chegar esta quarta-feira quando regressar ao mercado para vender 750 a 1.250 milhões de dívida de longo prazo. E a julgar pelo preço que pagámos na semana passada, para vender 500 milhões a curto prazo, não se augura nada de bom.

E o que é que Portugal pode fazer para evitar a chegada do FMI? Nada! Como diz o ex-ministro das Finanças e ex-governador do Banco de Portugal, Jacinto Nunes, "agora não se pode fazer mais nada. Chegou a altura de invocar a Nossa Senhora de Fátima".

E enquanto dura este chega-não-chega do FMI, o PSD e o CDS preparam o assalto ao poder. Cavaco já tinha preparado o terreno ao dizer que se o FMI chegasse a Portugal é porque o Governo "de alguma forma falhou". E o que Passos Coelho veio insinuar ontem, em entrevista ao DN/TSF, é que Cavaco seja consequente com as suas palavras. Se Passos Coelho não quer apresentar uma moção de censura quando o FMI chegar, então é porque o líder do PSD está a contar com Cavaco para derrubar Sócrates. O CDS, claro está, assina por baixo. Cavaco diz bate, Passos diz mata, Portas diz esfola.

Com a chegada do FMI e eleições antecipadas vai ser um Deus nos acuda. Jacinto Nunes diz que chegou a altura de invocar a Nossa Senhora de Fátima. Eu sugiro que comecemos a rezar pela Santa Edwiges, padroeira dos endividados; pelo São Lourenço, protector dos pobres; pelo Santo Expedito, o santo das causas urgentes e das questões financeiras; pelo Santo Onofre que nos ajude a arranjar dinheiro; pelo São Judas Tadeu, o tal das causas perdidas; e pela Santa Rita de Cássia, a padroeira da causas impossíveis. E já agora, e por que não, pela Santa Dinfna, a padroeira dos loucos.
____
Subdirector

IN "DIÁRIO ECONÓMICO"
10/01/11

7 - RECEITAS


CLIQUE 2XS PARA PODER LER

Se quiser saber o início da 1ª receita consulte o 
nº 6 - RECEITAS editado em 06/01/11



UM MAR DE SAL

video

ALMORRÓIDA DESPESISTA


Derrapagens pagavam 
troço do TGV

por Carlos Diogo Santos e Rui Marques Simões

Se o Estado tivesse cumprido os orçamentos de algumas das grandes obras públicas da última década, teria poupado 1393 milhões de euros, o suficiente para pagar o troço de alta velocidade entre Poceirão e Caia. De resto, só as derrapagens nas concessões rodoviárias do Norte e Oeste - 319 milhões - seriam suficientes para suportar o projecto do Metro Mondego.

O projecto ferroviário de alta velocidade é uma das maiores polémicas da política nacional nos últimos anos. Motivo de discórdia entre esquerda e direita, o TGV tarda em arrancar devido à débil situação económica do Estado. Mas tudo podia ser diferente. Segundo contas do DN, o valor perdido nas derrapagens das grandes obras na última década (1393 milhões de euros) chegava e sobrava para pagar o contrato da primeira etapa do projecto, o troço Poceirão-Caia (1349 milhões de euros).
Progressivamente, o TGV foi saindo dos carris. Os projectos de ligações Porto-Vigo e Porto-Lisboa cedo acabaram suspensos e mesmo o primeiro troço, Poceirão-Caia, cujo contrato foi assinado em Maio do ano passado, está em banho-maria à espera da aprovação do Tribunal de Contas. Na cabeça de muitos dos contestatários da obra ecoa a pergunta: "Onde é que Portugal ia arranjar dinheiro para pagar, sequer, esta obra?" A resposta podia estar ali perto, nas outras grandes obras públicas, da última década, que foram apresentando grandes derrapagens de custos.
O DN fez as contas: somando os custos acima do previsto nas obras das auto-estradas sem custos para o utilizador (Scut, 838 milhões de euros), dos estádios municipais do Euro 2004 (187 milhões), da Linha Amarela do Metro de Lisboa, Campo Grande-Odivelas (127 milhões), do Aeroporto Francisco Sá Carneiro (93 milhões), da Casa da Música (69 milhões), da Ponte Rainha Santa Isabel (38 milhões), do Túnel do Terreiro do Paço (29 milhões) e do Túnel do Rossio (12 milhões) chega-se aos tais 1393 milhões.
Estes investimentos - em redes viárias e recintos de espectáculos (culturais e desportivos) - foram de algumas das mais emblemáticas obras públicas da última década (ver infografia à direita). Mas não escaparam ao pesadelo das derrapagens. Nem às críticas do Tribunal de Contas. O caso específico das Scut (só uma é que não derrapou - ver texto nas páginas seguintes) preenche a maior fatia do bolo. Mas há mais. Nos estádios municipais do Europeu de Futebol 2004 (Braga, Guimarães, Aveiro, Coimbra, Leiria e Faro/Loulé), houve "uma estimativa inicial de custos bem distante da realidade", criticou a auditoria do TC, questionando mesmo se "o elevado montante de apoios públicos concedidos aos clubes não poderia ter tido uma utilização mais eficiente noutras áreas de relevante interesse e carência pública". Análises semelhantes tiveram quase todas as outras obras públicas com desvios de custos volumosos. Por exemplo, o projecto da Linha Amarela do Metro de Lisboa, começado em 1998 mas só concluído em 2005, foi arrasado pelo sua "suborçamentação" e "défice crónico".
Já as empreitadas de ampliação do Aeroporto Francisco Sá Carneiro (Porto), modernização e reabilitação do Túnel do Terreiro do Paço (Lisboa), e construção de Casa da Música (Porto), Ponte Rainha Santa Isabel (Coimbra), Túnel do Rossio (Lisboa) foram agrupadas pelo TC como um top 5 exemplar da "má prática que é generalizada em Portugal, pelo menos neste domínio das obras públicas realizadas por gestão directa". Este jackpot de problemas levou mesmo os juízes da entidade presidida por Guilherme d'Oliveira Martins a recomendarem a criação de um observatório para controlar as derrapagens nas obras públicas.

Auto-estradas pagavam Metro Mondego

As grandes derrapagens chegavam para pagar o primeiro troço da linha de alta velocidade, mas as contas do DN ainda têm espaço para outro número... e outra obra sobre carris. Os gastos acima do esperado em obras nas auto-estradas do Norte e do Oeste (319 milhões de euros) chegavam para pagar o projecto do Metro Mondego (300 milhões de euros), que foi suspenso recentemente pelo Governo, causando uma grande onda de contestação na zona de Coimbra e Lousã.
Segundo o relatório de auditoria do Tribunal de Contas, no caso concreto da Concessão do Norte (A7) o valor da derrapagem atingiu os 280 milhões de euros, resultantes de alterações e sobreposições de traçados. Já no que diz respeito à Concessão Oeste (A8) esse valor não foi tão elevado. Apenas 39,1 milhões: 24 com os "encargos do lanço CRIL/Loures" e 15,1 milhões de euros com "alterações unilaterais", "atrasos na disposição de terrenos", "efeitos adversos da pluviosidade" e "iluminação dos nós existentes". Fossem problemas expectáveis ou não, enquanto houver derrapagens, o País não andará sobre carris.

IN "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"
13/01/11

BEER BOTLE ORCHESTRA

APRENDA A DESENHAR O CORPO HUMANO

DIA ERRADO PARA FAZER ACUPUNCTURA

video

VENEZA DE HELICÓPTERO

video

2 - NO FEMININO


CLIQUE PARA AMPLIAR








AVIÃO DA TAP, FESTIVAL AÉREO ÉVORA 2007

TENHA UM BOM DIA............



... informe-se, não se deixe enganar


COMPRE JORNAIS

LAMPIONICES
Paulo Ferreira e 25 milhões por David Luiz
O Chelsea não desiste de tentar contratar David Luiz já na reabertura do mercado de transferências e já fez saber – através de um intermediário – que está disposto a subir a parada inicial de 20 milhões de euros, prontamente recusada pelos responsáveis benfiquistas.
Ao que Record apurou, os campeões ingleses estão dispostos a dar 25 milhões mais o passe de Paulo Ferreira, calculando o negócio numa verba acima dos 30 milhões.
"RECORD"

OLHÓ O UMBIGO ALARANJADO
PSD trava cortes nos salários dos magistrados
Penalizações a juízes e magistrados dos Ministério Público deverão hoje ser chumbadas.
O maior partido da oposição estará ao lado da esquerda do PS contra as alterações ao novo estatuto dos magistrados judiciais e do Ministério Público. Para hoje (ou amanhã) está prevista a votação da proposta de lei que deverá merecer o chumbo do PSD, segundo apurou o Diário Económico. Caem, assim, por terra as medidas que o Executivo pretendia implementar em 2011 como cortes nos subsídios dos magistrados e contemplar os jubilados nas reduções salariais previstas no Orçamento de Estado, a quem seria também retirado o subsídio de casa se o diploma fosse aprovado.
A decisão será oficializada hoje, na reunião da bancada parlamentar dos social-democratas. Na proposta de lei entregue na Assembleia da República, o Executivo prevê cortes nos subsídios de compensação (renda de casa) e de fixação, bem como nos pagamentos da acumulação de funções dos magistrados e alterações na idade de reforma. Medidas que com o chumbo do diploma no Parlamento "deixarão de existir", frisou o deputado centrista Diogo Lobo D'Ávila. Restará ao Governo apresentar novo diploma, reformulando as alterações que pretendia ver agora aprovadas.
"DIÁRIO ECONÓMICO"

 É O SUCESSO SOCRETINO
Dívida vai custar 
3900 euros por pessoa este ano
Leilão de dívida pública foi tido como um "sucesso", mas cada português verá a factura subir 435 euros em 2011.
Cada português vai pagar cerca de 3900 euros este ano por conta das amortizações de dívida pública e em juros pelos créditos mais antigos, mostram dados oficiais.
A factura vai subir 435 euros por pessoa, quase 13% face a 2010, numa altura em que tudo aponta para uma nova recessão, para mais desemprego e para uma forte moderação salarial, mostram cálculos do DN com base em dados do Governo publicados no Orçamento do Estado. Os portugueses vão desembolsar mais, quer pelos juros (mais 27% ou um total de 593 euros em 2011) quer pela dívida que tem de ser saldada (amortizada). Esta última factura é a mais pesada: cada habitante terá de pagar 3310 euros este ano, mais 10% do que em 2010. Os cortes nos apoios sociais, nos salários da função pública, na prestação de serviços públicos, o congelamento de pensões e a forte subida de quase todos os impostos são, no fundo, as medidas que servirão para o Estado cumprir esse desígnio: ser bom pagador.
Para além disso, há sinais de que existe uma nova derrapagem nos custos das novas emissões de dívida, sobretudo nos empréstimos com prazos mais curtos, o que sobrecarrega ainda mais os juros e as amortizações futuros. O próprio Banco de Portugal deu conta dessa forte possibilidade no boletim económico que divulgou esta semana, ao apontar para uma subida pronunciada (e acima do esperado) das taxas de juro de longo prazo.
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

MENTIRA DESCARADA
Nada de essencial está resolvido
O líder da bancada do PS, Francisco Assis, destacou que a reação dos mercados internacionais à colocação de dívida portuguesa foi favorável aos interesses do país mas ressalvou que 'nada de essencial está ainda resolvido',
'A reação dos mercados foi favorável aos interesses do país, é evidente que temos um longo caminho a percorrer e temos consciência, quer a nível nacional quer europeu, que nada de essencial está ainda resolvido', afirmou. Para Assis 'há bons indicadores', de que o Governo 'está a agir corretamente'.
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

ÀS VEZES É INTERMENTE
Aumento de crimes na Internet entope PJ
As denúncias, na PJ, por crimes praticados envolvendo a Internet aumentaram tanto que estão a ultrapassar o número de queixas por ilícitos de outras áreas. Este crescimento levou a PJ do Porto a apostar em acções de prevenção em escolas. Que querem mais.
O incremento tem sido verificado desde 2007 e 2008, anos em que se massificou em Portugal, por parte de crianças e adolescentes, o uso de computadores dos programas e-escolas, incluindo o "Magalhães" - e consequente acesso acrescido à Net.
Para travar o bloqueio do andamento dos inquéritos, a PJ tem, até, recusado mais de metade dos pedidos das escolas.
"O número de participações por crimes informáticos tem crescido de forma estrondosa. Está já a ultrapassar o número de crimes de outras áreas que não as da Internet. Por isso, não há recursos para, sem prejudicar investigações, acudir a todas as solicitações. Se pudermos aceder a 40 % dos pedidos em cada ano já será bom", explica, ao JN, João Batista Romão, director da PJ do Norte.
Falamos dos mais variados tipos de crime: injúrias, "phishing", burlas, divulgação ilícita de fotos, usurpação de identidades, contactos com vista a práticas sexuais e pedófilas, devassa da vida privada, acesso ilegítimo a dados pessoais, entre outros.
"Em 2008, quadruplicou o número de pedidos de escolas para acções de esclarecimento. Houve, por isso, necessidade de disciplinar os pedidos, através de um acordo com a Direcção Regional de Educação do Norte", acrescenta o responsável.
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

GOSTAMOS DE ACREDITAR
«Ninguém em toda a sua vida fez 
tantos controlos como eu» – Obikwelu
O atleta português Francis Obikwelu negou que alguma vez tivesse utilizado substâncias ilegais. O velocista esclareceu que caso tivesse tomado teria batido o recorde mundial dos 100 metros.
«Toda a gente sabe quem é o Francis Obikwelu. Se eu tomasse o que eles pensam, não corria em 9,86 segundos, mas em 9,50...», assegurou Obikwelu durante a apresentação do calendário português de pista coberta.
O velocista relembra que sempre fez inúmeros exames: «Ninguém fez tantos controlos como eu fiz na vida. Cheguei a fazer dois por dia".
Francis Obikwelu explicou igualmente a sua relação com Pascua: «eu não treinava com ele, as pessoas fazem confusão. Nunca vi nada de doping, ele treinava o meio-fundo e eu treinava na velocidade, com a mulher.»
"A BOLA"

CONSEQUÊNCIAS DOS NÚMEROS CLAUSUS
Cem colombianos vêm dar consultas
Mais de cem médicos colombianos foram contratados pelo Ministério da Saúde para fazerem consultas de medicina geral e familiar nos Centros de Saúde em Portugal. Os primeiros clínicos chegam nos próximos dias, segundo apurou o CM.
A maioria será integrada nos Centros de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, uma das regiões mais carenciadas de médicos devido ao número de clínicos que pediram a reforma antecipada em 2010.
Quando chegarem, os médicos não podem exercer logo funções. Têm de pedir o reconhecimento da licenciatura a uma Faculdade de Medicina. Se o não conseguirem, terão de o obter de uma universidade da União Europeia. Depois, inscrevem-se na Ordem dos Médicos, na qual farão uma prova de comunicação médica, oral e escrita, para testar os conhecimentos linguísticos. Todo este processo burocrático pode demorar mais de um mês.
O alto dirigente da Saúde, que se deslocou à Colômbia e acompanhou de perto a contratação dos médicos, escusou-se a prestar esclarecimentos quanto às condições da contratação, remetendo-os para a tutela. O gabinete de Comunicação do Ministério da Saúde afirmou que "não efectuou contrato com nenhum médico colombiano para trabalhar no Serviço Nacional de Saúde". Não referiu se a contratação foi feita directamente com o governo colombiano.
"CORREIO DA MANHÃ"

GESTÃO DOENTIA
"Arriscamo-nos a importar doenças" 
com aumento de taxas das vacinas
Para o presidente desta associação, "arriscamo-nos a importar doenças" que têm pouca ou nenhuma expressão em Portugal. A Direcção-geral de Saúde (DGS) admitiu ontem estar a "estudar" soluções de isenção. O ministério ainda não se pronunciou.
"O que temo é que as pessoas tomem a vacina da febre-amarela porque é obrigatória em muitos países e não tomem as outras recomendadas. Arriscamo-nos a importar doenças. Esta medida não favorece a saúde pública", criticou Mário Jorge Santos, acrescentando que "tecnicamente [a medida] não parece vinda da DGS".
Em 2010, e segundo os dados facultados ao Negócios pelo Ministério da Saúde, foram administradas 20 mil doses de vacina contra a febre-amarela, 10 mil doses contra a febre tifóide, 1.000 doses contra a encefalite e 5.000 doses contra a meningite tetravalente. Admitindo que estas vacinas eram cobradas segundo os novos preços , a receita seria superior a 2,8 milhões de euros.
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

A PAIXÃO DA EDUCAÇÃO JÁ ERA
Governo quer cortar mais de 70% 
o tempo para os projectos de escolas
Clubes de leitura ou de ciências e apoio individual 
podem acabar, alertam directores de escolas

Reduzir mais de 70% o tempo que os professores têm actualmente para se dedicarem a projectos de escolas ou a outras actividades não lectivas é a surpresa que assustou os dirigentes escolares assim que conheceram a proposta de despacho de organização do próximo ano lectivo do Ministério da Educação. As escolas têm hoje um mínimo de 16 e um máximo que pode ultrapassar as 300 horas para desenvolver iniciativas pedagógicas fora do horário das aulas. Se a proposta do governo for aprovada, porém, os directores escolares passam a contar em 2011/12 com um crédito que oscila entre as quatro e as 88 horas.
É essa redução que leva as associações de dirigentes escolares a temer pelo fim de projectos como clubes de ciências, de matemática, ateliês de arte ou de leitura ou apoios individuais prestados aos alunos com dificuldades de aprendizagem. "Este despacho, a ser aprovado, cria sérios problemas, pois corta nos recursos humanos impossibilitando as escolas de manterem a maioria das iniciativas", avisa o presidente do Conselho de Escolas, Manuel Esperança.
"i"

MELHORES PAIS
Dezasseis por cento dos pais partilharam 
licença parental com a mãe em 2010
São cada vez mais os pais que decidem ficar em casa após o nascimento dos filhos, mas, ainda assim, a maioria dos homens continua a deixar o cuidado de um bebé de meses nas mãos da mulher. No ano passado, 16 por cento dos pais ficaram em casa para cuidar dos filhos, uma percentagem superior aos 12 por cento que o fizeram em 2009 e muito acima dos 0,6 por cento de 2008.
Sandra Ribeiro, presidente da Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE), reconhece que os números ainda deixam a desejar, mas destaca a evolução significativa face ao passado recente. "Ainda é pouco, mas, relativamente à situação que tínhamos, foi a área em que a lei [o Código do Trabalho] foi mais eficaz. Apesar de a igualdade não vir por decreto, ajuda a haver um pendor financeiro. Por outro lado, houve uma grande discussão e uma grande promoção do novo regime, o que acabou por produzir resultados", realçou em declarações ao PÚBLICO.
Estas percentagens têm em conta o número de nascimentos em 2009 e 2010. Ou seja, das 102.090 crianças nascidas no ano passado, 16.336 pais optaram por partilhar a licença. Em 2009, quando nasceram 99.491 bebés, tinham sido 12.024 os pais a aproveitar a nova modalidade prevista na lei desde Maio desse ano.
"PÚBLICO"

3 - NEM TUDO O QUE PARECE É!!!

UMA PARTICIPAÇÃO DE ACIDENTE DE TRABALHO


CLIQUE 2XS PARA PODER LER

4 - PALHAÇOS

JORNAIS DE HOJE


COMPRE JORNAIS









BOM DIA