segunda-feira, 1 de novembro de 2010

VALE MAIS UM LIVRO NA MÃO....

CUIDADO, ELA PODE NÃO SER PARA GRAÇAS

video

AEROPORTO DE HARARE

ZIMBABWE

Espaço aéreo zimbabweano considerado dos mais perigosos
Pretoria - (Canalmoz)

O Departamento de Aviação Civil do Zimbabwe (CAAZ) admitiu que os sistemas de vigilância e comunicações de que dispõesão obsoletos, o que faz com que o espaço
aéreo do país seja considerado entre os mais perigosos de todo o mundo. David
Chawota, director executivo do CAAZ, é citado pelo semanário o «Sunday Times» de Joanesburgo como tendo declarado perante um comité parlamentar que o sistema de vigilância do Aeroporto Internacional de Harare havia-se tornado obsoleto há pelo menos seis anos.
Segundo a fonte, diversas transportadoras aéreas internacionais optaram por desviar as suas rotas para o espaço aéreo de Moçambique e do Botswana quando efectuam voos entre aeroportos europeus e a África do Sul.
A par disso, as infra-estruturas do sector da aviação encontram-se delapidadas.
A quebra registada no número de voos com destino ao Zimbabwe provou uma redução acentuada nas receitas do sector da aviação civil, facto que contribuiu para o actual estado de coisas. Dos 82 mil voos registados nos aeroportos do Zimbabwe em 1997, o país contabilizou dois anos mais tarde um total de 30.000 voos, cifra que não será ultrapassada em 2010.

IN "CANALMOZ
01/10/10AER
MOÇAMBIQUE

MILAGRE DA NATUREZA

video

ANA SÁ LOPES




Seria possível pior sem os "alertas" do professor Cavaco?

Com um Orçamento chumbado, haverá outro candidato cujo discurso se volatilizará: Cavaco Silva, aquele cujos "alertas" e "apelos" não servem para nada

Tivessem as negociações entre governo e PSD acabado em "bem" e o tom do anúncio da recandidatura do professor Cavaco Silva não pareceria tão a despropósito, tão descolado da realidade, tão desatinado - nomeadamente para os seus interesses pessoais enquanto candidato a segundo mandato no Palácio de Belém.

O professor Cavaco admite - e como não? - que "Portugal se encontra numa situação difícil". Pior, evidentemente, que há cinco anos, quando comprometeu na campanha presidencial a sua reputação de economista para combater "a situação difícil" que já estava instalada em 2006. Mas o Presidente da República pede-nos que acreditemos que o caos em que vivemos sem ele teria sido pior. Mas porque diabo decide o professor Cavaco convencer-nos das magnificências do seu contributo para o estado crítico do país? Um mistério que ficará para os anais da estratégia política.

Para o professor Cavaco, "há uma interrogação que cada um, com honestidade, deve fazer: em que situação se encontraria o país sem a acção intensa e ponderada, muitas vezes discreta, que desenvolvi ao longo do meu mandato?". Segunda pergunta: "O que teria acontecido sem os alertas e apelos que lancei na devida altura, sem os compromissos que estimulei, sem os caminhos de futuro que apontei, sem a defesa dos interesses nacionais que tenho incansavelmente promovido junto de entidades estrangeiras?"

Ora o prof. Cavaco não tem dúvidas de que a sua "magistratura de influência produziu resultados positivos" e o único problema foi que "podia ter sido mais bem aproveitada pelos diferentes poderes do Estado" - leia-se governo, uma vez que não há outro "poder do Estado" que esteja em posição de "o aproveitar" com a devida proporção.

É evidente que o maior risco da campanha de Cavaco Silva seria a (injusta) co-responsabilização do Presidente da República pela crise económica. Os poderes presidenciais não permitem a nenhum Presidente da República qualquer espécie de influência sobre os rumos da economia e dos Orçamentos. As responsabilidades do professor Cavaco sobre a actual crise podemos ir descobri-las nos três governos em que foi primeiro-ministro - e não nos últimos anos, em que os seus poderes de "árbitro" e "magistrado de influência" não servem para muito mais do que lançar vagas e crípticas mensagens à nação.

De resto, o Presidente Cavaco Silva não lançou tantos "alertas" e "apelos" quanto isso: até muitas personalidades da direita acreditam que o Presidente, nos seus "alertas", podia ter ido mais longe: ainda que não tenha armas concretas (à excepção da dissolução da Assembleia da República), um Presidente tem a possibilidade de pressionar o governo com instrumentos como mensagens à Assembleia da República ou reuniões do Conselho de Estado para discutir a crise económica. Nem uma coisa nem outra aconteceram. No meio da ruptura à volta do Orçamento do Estado e de uma trágica crise económico-financeira, o professor Cavaco a tentar convencer-nos de que sem ele seria o caos não deixa de ser uma estranha forma de arrancar uma campanha.

Já sabíamos que Manuel Alegre tinha ficado sem discurso: a amálgama entre o apoio ao governo e a acomodação do Bloco - nomeadamente a propósito do Orçamento - redunda em zero. Mas com um Orçamento chumbado haverá outro candidato cujo discurso se volatilizará: Cavaco Silva, aquele cujos "alertas" e "apelos" não servem para nada numa situação de emergência nacional.

IN "i"
28/10/10

NR: Este artigo foi escrito a 28/10 e o acordo PS/PSD a 29/10, no entanto a coerência do texto mantém actualidade, por isso, com a devida vénia, o publicamos.

INVENTOS INCRÍVEIS

COISAS PRÁTICAS









JOE COCKER - WITH A LITLE HELP FROM MY FRIENDS

BICICLETA DE 2006

Genial !!! Vídeo que ganhou o prémio de publicidade em Cannes !




video




.

TIGRE CAÇADOR

VELÓRIO ALENTEJANO



1 - AS PRAIAS HÁ 100 ANOS ATRÁS

                                                               clique para ampliar







JACKPOT

Primeiro tipo (orgulhosamente):
"A minha mulher é um anjo!"

O segundo:
"Você é um sortudo, a minha ainda está viva..."

FUTEBOL NO FEMININO

ALDEIA ANTIGA

video