domingo, 31 de outubro de 2010

ADULTOS - ANIVERSÁRIO

3 - OBRIGATÓRIO ASSINAR

PEDRO TADEU


PEDRO TADEU

Como deve ser um bom Presidente da República


Gostava que no Palácio de Belém estivesse um homem que não olhasse as pessoas a partir de um trono, mas também gostava que ele fosse capaz de decidir as questões mais difíceis com a grandeza de um príncipe iluminado.
Gostava que no Palácio de Belém estivesse um pensamento verdadeiramente tolerante, capaz de respeitar e ouvir com seriedade quem pensa de forma diferente e de levar em conta todas as sensibilidades, ideologias, profissões, estratos sociais e culturais, religiões, credos e simples opiniões. Gostava igualmente que no Palácio de Belém estivesse um cidadão capaz de, quando já ninguém se entende, dar um tonitruante grito de "basta!" e um seco murro na mesa, que acabasse logo com a desordem.
Gostava de ter um Presidente da República que não tivesse compaixão pelos pobres. Gostava de ter um Presidente da República que ficasse completamente revoltado com a pobreza.
Gostava de ter um Presidente da República que não amasse ou odiasse os ricos. Gostava, apenas, que ele lidasse com os detentores do dinheiro através da racionalidade fria, da análise séria sobre o bem e o mal que eles, caso a caso, fazem à Nação. Gostava que, face a essa avaliação, agisse em conformidade, sem teias.
Gostava de ter um Presidente da República que tudo fizesse para impedir que Portugal fique nas mãos de interesses não portugueses, que não olhasse para a União Europeia em pose reverencial e de aluno bem-comportado, que fosse à briga, que rejeitasse os abusos dos países mais poderosos. Gostava, por outro lado, de ter um Presidente da República que visse na União Europeia uma grande oportunidade de ajudar o mundo a ser mais justo e que lutasse para que os povos europeus tivessem voz e influência real nas decisões que afectam os seus próprios destinos.
Gostava de ter um Presidente da República que amasse, muito, a Língua Portuguesa.
Gostava, enfim, de ter um Presidente da República que fosse mais do que um político. Gostava de ter um Presidente da República que fosse um amigo.
Olho para o que eu gostava num Presidente da República, neste dia em que Cavaco Silva se apresenta como candidato a segundo mandato. Penso que, no fundo, qualquer ser humano normal, um português classificável como "boa pessoa" poderia, face às exigências simples, quase infantis, que aqui alinho, qualificar-se para o cargo. Porque terei então esta certeza de que o próximo Presidente da República, mais uma vez, não vai conseguir ser o Presidente que todos sonhamos ter?

IN "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"
26/10/10

SOCRATICES, TEIXEIRICES......INTRUJICES

MOMENTOS

TIGRES SIBERIANOS

SAÚDE.......NA BOA

video

ONDAS, QUANDO SÃO UMA BELEZA

SURFISTA VAI DE AVIÃO



Clique para ecrã total e na fase final do vídeo veja o que acontece....

ÁFRICA NO CORAÇÃO

video

MERAPI

LOUCURA OU TESTE DE SALVAMENTO??



NÃO SABEMOS SE ESTA EXPERIÊNCIA É APENAS UMA ATITUDE RADICAL, OU UM EXERCÍCIO PARA TESTAR AS ALMOFADAS COLOCADAS NO SOLO PARA UTILIZAÇÃO EM CASO DE SOCORRO.
HAVERÁ QUEM NOS ESCLAREÇA? OBRIGADO

2 - FIGURAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA










 AUGUSTO DE VASCONCELOS

Primeiro ministro de  Portugal
Mandato: 12 de novembro de 1911 - 16 de junho de 1912
Precedido por: João Pinheiro Chagas
Sucedido por: Duarte Leite Pereira da Silva

Nascimento: 25 de Setembro de 1867 (143 anos)
Lisboa, Portugal
Falecimento: 27 de setembro de 1951
Lisboa, Portugal
Primeira-dama: Hermínia Laura de Albuquerque Moreira
Partido: Partido Republicano Português
Profissão: médico, professor de Medicina e político
Wp ppo.png
Augusto César de Almeida de Vasconcelos Correia (Lisboa, 25 de setembro de 1867 — Lisboa, 27 de setembro de 1951), mais conhecido por Augusto de Vasconcelos, foi um médico e professor de Medicina, político e diplomata português do período da Primeira República.
Republicano moderado desde a sua juventude, era considerado amigo pessoal de Afonso Costa e politicamente próximo de Brito Camacho. Era professor catedrático de Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, pela qual se tinha licenciado em 1891.
Estreou-se na governação como Ministro dos Negócios Estrangeiros do governo presidido por João Pinheiro Chagas, no período de 12 de outubro a 12 de novembro de 1911, tendo nesta última data assumido a presidência do Ministério, mantendo em acumulação a pasta dos Negócios Estrangeiros. Manteve-se como Presidente do Conselho de Ministros até 16 de junho de 1912.
Em 16 de junho de 1912 abandonou a presidência do Ministério, que passou a ser ocupada por Duarte Leite, permanecendo, contudo, no cargo de Ministro dos Negócios Estrangeiros até 9 de janeiro de 1913.
Enveredou então pela diplomacia, ocupando o posto de embaixador de Portugal em Madrid nos anos de 1913 e 1914, passando depois para a embaixada em Londres, que ocupou de 1914 a 1919, período que compreendeu a participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial, altura em que a embaixada em Londres tinha um papel crucial na condução política do conflito.
Terminada a Guerra, chefiou em 1919 a delegação portuguesa à Conferência de Paz de Paris, passando depois trabalhar na Sociedade das Nações, organismo no qual foi delegado português em 1934 - 1935, presidindo nessa altura à respectiva Assembleia Geral. Nessas funções ganhou algum destaque com os esforços diplomáticos que desenvolveu para pôr termo à Guerra do Chaco que em 1935 opôs a Bolívia ao Paraguai.

WIKIPÉDIA

1 - CARTILHA DE HIGIENE 1912


Um visitador e bom amigo enviou-nos este precioso documento "CARTILHA DE HIGIENE" datado de 1912, início da Primeira República e editado pelo Regimento de Infantaria nº13, constituindo um verdadeiro manual da saúde pública que, dada a sua notória actualidade, deveria ser distribuído ainda hoje pelas casernas deste País.
Vamos editá-la faseadamente.
Hoje pode saborear a Introdução e o Capítulo Generalidades.

Deve clicar 2xs em cada página para ler com conforto








(continua próximo domingo)
Se algum visitador possuir documentos interessantes que goste de ver editados, envie para "apxxdxdocorreio@gmail.com", que muito gratos ficaremos.

Muito Obrigado E. FRANÇA por este contributo valioso

A Redacção

QUINTA DA REGALEIRA

video

2 - OS CELTAS


(continuação de domingo anterior)

História


Distribuição dos celtas na Europa.

Teoria centro-europeia

A área verde na imagem sugere a possível extensão da área (proto-)céltica por volta de 1000 a.C.. A área laranja indica a região de nascimento da cultura de La Tène e a área vermelha indica a possível região sob influência céltica por volta de 400 a.C. Vestígios associados à cultura celta remontam a pelo menos 800 a.C., no sul da Alemanha e no oeste dos Alpes. Todavia, é muito provável que o grupo étnico celta já estivesse presente na Europa Central há centenas ou milhares de anos antes desse período.
Durante a primeira fase da Idade do Ferro céltica (do século VIII a.C. ao século V a.C.), as sepulturas encontradas pelos arqueólogos indicam o surgimento de uma nova aristocracia e de uma crescente estratificação social. Essa estratificação aprofundou-se a partir do século VI a.C., quando grupos do norte da Europa e da região oeste dos Alpes entraram em contato comercial com as colônias gregas fundadas no Mediterrâneo Ocidental.
O intercâmbio com os gregos, que chamavam aos celtas indistintamente de keltoi, é evidenciado pelas finas peças de cerâmica grega encontradas nos túmulos. É igualmente provável que os gregos tenham adotado o costume de armazenar o vinho em vasos de cerâmica após os contactos com os celtas, que já os utilizavam como forma de armazenamento de provisões.

Gália Cisalpina 391-192 a.C.

Os objetos inumados das sepulturas comprovam que o comércio dos celtas se estendia a regiões ainda mais afastadas, tendo sido encontradas peças de bronzeetrusca e tecidos de seda seguramente oriundos da China. de origem
A partir do século V a.C., verifica-se um deslocamento dos centros urbanos celtas, até então localizados ao longo dos rios Ródano, Saona e Danúbio, evento associado a segunda fase da Idade do Ferro europeia e ao desenvolvimento artístico da cultura La Tène. As sepulturas deste período apresentam armas e carros de combate, embora sejam menos ricas do que as do período pacífico anterior, provavelmente, reflexo da sua fase de maior expansão, quando invadiram o sul da Europa após 400 a.C..
Em 390 a.C. os celtas invadiram o norte da península Itálica (Gália Cisalpina) e saquearam Roma. Por volta de 272 a.C., pilharam Delfos na Grécia. As hostes celtas conquistaram territórios na Ásia Menor, nos Balcãs e no norte da Itália, onde o contingente mais numeroso era o dos gauleses.
A partir do século II a.C., os celtas começam a perder território para os povos de língua germânica, e os romanos, pouco a pouco, conseguem dominá-los, o que consolidam a partir de 192 a.C., quando anexam a Gália Cisalpina ao Império Romano.
Os golpes finais na dominância celta ocorrem no século I a.C., quando Júlio César conquista a Gália, e no século I d.C., quando o imperador Cláudio domina a Bretanha. Somente a Irlanda e o norte da Escócia, onde viviam os escotos, permaneceram fora da zona de influência direta do Império Romano.

Críticas

Criticas afirmam que não há qualquer evidência, linguística, arqueológica ou genética, que comprove que as regiões onde se originam as culturas Hallstatt ou La Tène sejam o local de origem dos povos celtas. Indicam que este conceito deriva de um erro feito pelo historiador Heródoto há 2500 anos, num comentário sobre os "Keltoi," onde os localizava na nascente do Danúbio a qual ele julgava ser perto dos Pirineus.
Este erro, foi depois mais tarde, em fins do século XIX, aproveitado pelo historiador francês Marie Henri d'Arbois de Jubainville para basear a sua teoria de que Heródoto queria dizer que a terra original dos celtas era no sul da Alemanha.

Teoria da idade do bronze atlântica

Segundo esta teoria os celtas teriam origem no sul da península Ibérica. Baseia-se na evidência histórica, de que Heródoto, localizava os Keltoi na Ibéria e dizia que eram vizinhos dos Kunetes localizados na atual região do Algarve; na hipótese da língua tartéssica ser uma língua celta, o que indicaria que as línguas celtas ter-se-iam originado na zona atlântica durante a Idade do Bronze; e em evidências genéticas.

Língua e cultura


Ornamento celta da Idade do FerroMuseu Nacional de Antiguidades, Saint-Germain-en-Laye, França). (

Língua

As línguas célticas derivam de dois ramos indo-europeus do grupo denominado centum: o celta-Q (goidélico), mais antigo, do qual derivam o irlandês, o gaélicoEscócia e a língua manx da Ilha de Man, e o celta-P (galo-britânico), falado pelos gauleses e pelos habitantes da Bretanha, cujos descendentes modernos são o galês (do País de Gales) e o bretão (na Bretanha). Os registos mais antigos escritos numa língua celta datam do século VI a.C..[52] da
As informações atualmente disponíveis sobre os celtas foram obtidas principalmente através do testemunho dos autores greco-romanos. Isto não permite traçar um quadro completo e imparcial do que foi a realidade quotidiana desses povos. O chamado "alfabeto das árvores" ou Ogham surgiu apenas por volta de 400 d.C.[53]
Edward Lhuyd, em 1707, identificou uma família de línguas, ao notar a semelhança entre o irlandês, o bretão, o córnico e o galês e a extinta língua gaulesa, as quais classificou como línguas celtas. Lhuyd justificou o uso da expressão pelo fato de estas pertencerem à mesma família linguística do gaulês e a língua gaulesa e a maioria das tribos gaulesas terem sido chamadas de celtas.[54][55][56][57]
Fontes clássicas e arqueológicas atestam que os celtas faziam uso limitado da escrita. Júlio César, no De Bello Gallico, comentou que os helvécios usavam o alfabeto grego para registar o censo da população e que os druidas recusavam-se a registar por escrito os versos, mas que faziam uso do alfabeto grego para as transações públicas e pessoais.[58] Diodoro disse que nos funerais os gauleses escreviam cartas aos amigos, e jogavam-nas na pira funerária, como se elas pudessem ser lidas pelos defuntos.[59]Ulpiano determina que os fidei comunis podiam ser escritos em gaulês, entre outras línguas, o que gerou especulações de que no século III esta língua ainda seria escrita e falada.[60]
O alfabeto ibérico foi usado para registar o celtibéro, uma língua celta da península Ibérica. O alfabeto de Lugano e Sondrio foi usado na Gália Cisalpina e o alfabeto grego na Gália Transalpina. Variações do alfabeto latino foram usadas na península Ibérica e na Gália Transalpina.[61] Estudos colocam a hipótese de haver uma relação entre as inscrições de Glozel e um dialecto celta.

Cultura

As manifestações artísticas celtas possuem marcante originalidade, embora denotem influências asiáticas e das civilizações do Mediterrâneo (grega, etruscaromana). Há uma nítida tendência abstrata na decoração de peças, com figuras em espiral, volutas e desenhos geométricos. Entre os objetos inumados, destacam-se peças ricamente adornadas em bronze, prata e ouro, com incisões, relevos e motivos entalhados. A influência da arte celta está ainda presente nas iluminuras medievais irlandesas e em muitas manifestações do folclore do noroeste europeu, na música e arquitectura de boa parte da Europa ocidental. Também muitos dos contos e mitos populares do ocidente europeu têm origem na cultura dos celtas. e
Alguns estereótipos modernos e contemporâneos foram associados à cultura dos celtas, como imagens de guerreiros portando capacetes com chifres[65] e ou asas laterais (vide Asterix),[66][67] comemorações de festas com taças feitas de crânios dos inimigos,[68] entre outros. Essas imagens se devem em parte ao conhecimento divulgado sobre os celtas durante o século XIX.
Diógenes Laércio, na sua obra Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres, comenta que a origem do estudo da filosofia era atribuída aos celtas, (entre outros povos considerados bárbaros). O conhecimento da filosofia era atribuído aos druidas e aos semnothei.[69]
Massalia era um conhecido centro de aprendizagem onde os celtas iam aprender a cultura grega, a ler e a escrever.[70][71]

Organização social


A rainha Maeve e um druida (ilustração de Stephen Reid para The Boys' Cuchulainn de Eleanor Hull, 1904).

A unidade básica de sua organização social era o clã, composto por famílias aparentadas que partilhavam um núcleo de terras agrícolas, mas que mantinham a posse individual do gado que apascentavam.
Com base em estudos efectuados na Irlanda, determinou-se que a sua organização política era dividida em três classes: o rei e os nobres, os homens livres e os servos, artesãos, refugiados e escravos. Este último grupo não possuía direitos políticos. A esta estrutura secular, agregavam-se os sacerdotes (druidas), bardos e ovados, todos com grande influência sobre a sociedade.
Mais recentemente foram apresentadas novas perspectivas sobre a celtização do Noroeste de Portugal e a identidade étnica dos Callaeci Bracari.[81] No país, os povoados castrejos do tipo citaniense apresentavam características similares às dos povoados celtas. A citânia de Briteiros é exemplo de um povoado com características celtas, sendo, porém, necessário tomar esta designação no seu sentido lato: isto é - seria o local de habitação das numerosas tribos celtizadas (celtici).[82] Tongóbriga é um sítio arqueológico situado na freguesia de Freixo, também antigo povoado dos Callaeci Bracari.

Religião

Os celtas exaltavam as forças telúricas expressas nos ritos propiciatórios. A natureza era a expressão máxima da Deusa Mãe. A divindade máxima era feminina, a Deusa Mãe, cuja manifestação era a própria natureza e por isso a sociedade celta embora não fosse matriarcal mesmo assim a mulher era soberana no domínio das forças da natureza.[84][85] A religião celta era politeístaanimistas, sendo os ritos quase sempre realizados ao ar livre. Suspeita-se que algumas das suas cerimônias envolviam sacrifícios humanos. O calendário anual possuía várias festas místicas, como o Imbolc e o Belthane, assim como celebrações dos equinócios e solstícios. com características
Embora se saiba que os celtas adoravam um grande número de divindades, do seu culto hoje pouco se conhece para além de alguns dos nomes. Tendo um fundo animista, a religião celta venerava múltiplas divindades associadas a atividades, fenômenos da natureza e coisas. Entre as divindades contavam-se Tailtiu e Macha, as deusas da natureza, e Epona, a deusa dos cavalos. Entre as divindades masculinas incluíam-se deuses como Goibiniu, o fabricante de cerveja, e Tan Hill, a divindade do fogo. O escritor romano Lucano faz menções a vários deuses celtas, como Taranis, Teutates e Esus, que, curiosamente, não parecem ter sido amplamente adorados ou relevantes.

Cernunnos (Museu da Idade Média, Paris).
Algumas divindades eram variantes de outras, refletindo a estrutura tribal e clânica dos povos celtas. A esta complexidade veio juntar-se a plêiade de divindades romanas, criando novas formas e designações. É nesse contexto que a deusa galo-romana dos cavalos, Epona, parece ser uma variante da deusa Rhiannon, adorada em Gales, ou ainda Macha, que era adorada na região do Ulster.
As crenças religiosa dos celtas também originaram muitos dos mitos europeus. Entre os mais conhecidos está o mito de Cernunnos, também chamado de Slough Feg ou Cornífero na forma latinizada, comprovadamente um dos mitos mais antigos da Europa ocidental, mas do qual pouco se conhece.
Com a assimilação no Roma, os deuses celtas perderam as suas características originais e passaram a ser identificados com as correspondentes divindades romanas. Posteriormente, com a ascensão do Cristianismo, a Velha Religião foi sendo gradualmente abandonada, sem nunca ter sido totalmente extinta, estando ainda hoje presente em muitos dos cultos de santos e nas crenças populares assimilados no cristianismo.
Com a crescente secularização da sociedade europeia, surgiram movimentos neo-pagãos pouco expressivos, que buscam a adaptação aos novos tempos das crenças do paganismo antigo, sendo alguns dos principais representantes a wiccaneo-druidas, que embora contenham alguns elementos celtas, não são célticos, nem representam a cultura do povo celta. e os
A wicca tem sua origem na obra de ocultistas do século XX, como Gerald Brousseau Gardner e Aleister Crowley. Já o neo-druidismo não tem uma fonte única, sendo uma tentativa de reconstruir o druidismo da Antiguidade, tendo sua estruturação sido iniciada em sociedades secretas da Grã-Bretanha a partir do século XVIII.

WIKIPÉDIA

do you speak english?


Woman has Man in it;
Mrs. has Mr . in it;
Female has Male in it;
She has He in it;
Madam has Adam in it;
No wonder men always want to be inside women!

Men were born between the legs of a woman, yet men spend all their life 
and time trying to go back between the legs of a woman....

Why?
BECAUSE THERE IS NO PLACE LIKE HOME

Okay, Okay, it all makes sense now...
I never looked at it this way before:

Ever notice how all of women's problems start with MEN?

MENtal illness
MENstrual cramps
MENtal breakdown
MENopause
GUYnecologist
and ..
When we have REAL trouble, it's a
HISterectomy. 

Send this to all the women you know to brighten their day.
Send this to all the men just to annoy them ......

enviado por ROGER

S. O. S. - "AJUDA DE BERÇO"

A "AJUDA DE BERÇO" está com problemas de tesouraria.
Em 13 anos esta instituição acolheu perto de 200 bebés que foram assistidas nas duas pequenas casas onde exerce a sua actividade de assistência.


AJUDE A "AJUDA DE BERÇO" informe-se como
- 21 362 81 74
- 21 362 82 76
- 21 362 82 77
- ajudadeberco@ajudadeberco.pt
- http://www.ajudadeberco.pt/ab/?page_id=24