sexta-feira, 29 de outubro de 2010

3 - LOIRA LOUCA

clique para ampliar

A PRETO E BRANCO

video

HOMMER SIMPSON É REAL


EXISTE MESMO....

enviado por BÉ

MIGUEL TORGA

video

MÁRIO RAMIRES




A mãe Europa e o amigo americano


Num país de paradoxos, a viabilização do Orçamento do Estado acaba por interessar muito mais aos partidos da oposição do que ao partido do Governo.
Em 2009, um em cada cinco portugueses ou era pobre ou vivia no limiar da pobreza. Os dados são do INE e foram divulgados na quarta-feira.
Acontece que nos mais de nove meses que entretanto passaram, que não foram de bonança, a situação só pode ter piorado. E, como dizia ontem ao Público o padre Jardim Moreira, da Rede Europeia Antipobreza, o que se antevê para os próximos tempos é que «o cenário vai agravar-se e muito» com as medidas contidas na proposta de Orçamento de Estado para 2011.

Pobre gente. Pobre país.

Esse é o drama da gente: é que o país é pobre. E andou tempo de mais a viver a fingir que era rico - a fingir, porque rico não vive assim: não pede, cobra; não gasta, investe; não desperdiça, cria valor; não subtrai, multiplica... Por isso é que é rico.

Portugal é pobre. E mais pobre vai ficar com um Orçamento que inevitavelmente vai ter de ser viabilizado no Parlamento, com ou sem sensibilidade do Governo às propostas, às sugestões, às condições, aos pressupostos, ao ultimato, seja qual for o nome que se quiser dar aos seis pontos que o PSD esta semana lançou para o centro do debate político nacional.

Não tem alternativa, nem há volta a dar.

Os mercados internacionais não perdoariam, a Europa não toleraria, os Estados Unidos não compreenderiam e por aí fora.

Pobre não manda, sujeita-se.

Uma notícia divulgada nesta semana pela Agência Lusa reproduzia as seguintes declarações do embaixador americano em Lisboa, Allan Katz: «A nossa esperança é a de que Portugal consiga chegar a um consenso no que diz respeito ao Orçamento do Estado e siga em frente». E continuava o take da Lusa: «Allan Katz admitiu ainda que os EUA têm trabalhado em proximidade com o Governo português «na tentativa de ajudar»».

Ninguém ligou muito à notícia, mas ela tem que se lhe diga.

Pedido esclarecimento pelo SOL, a resposta oficial foi formal e diplomaticamente correcta: «A Embaixada dos EUA segue de perto os acontecimentos políticos e económicos portugueses. Na era económica exigente que vivemos, muitos governos enfrentam decisões difíceis e é um assunto interno do Governo de Portugal decidir qual o melhor rumo a tomar».

Pois sim, na era económica exigente que vivemos , Portugal não tem margem de manobra.

A soberania, em matéria económica e financeira, há muito que está hipotecada e não só por via dos tratados europeus a que voluntária e acertadamente o Estado se vinculou.

Ganhou enquanto foi bom aluno, apesar de todas as batotas a que não foi capaz de pôr cobro, mas desbaratou tudo mal se viu com folga no saco.

Não há mais. A questão é essa.

Nem a Europa nem os Estados Unidos estão para continuar a alimentar países párias.

O braço-de-ferro entre os socialistas no governo e os sociais-democratas na oposição nos termos em que publicamente se tem manifestado é, por isso, inútil e fantasioso.

As negociações agora iniciadas entre o Governo PS e o maior partido da oposição, seja qual for a medida das cedências de cada um, só podem ter uma conclusão: o Orçamento do Estado será viabilizado.

É claro que, independentemente das preocupações com o presente e o futuro do país, os partidos não deixam obviamente (também ou sobretudo) de cuidar dos seus próprios interesses e projectos de poder.

Porque no estado a que chegámos, as eleições antecipadas são inevitáveis mais semestre, menos semestre - excluído o próximo, por condicionalismos constitucionais inultrapassáveis (e ao menos isso que sirva de lição para o futuro).

E, por paradoxal que pareça, só ao partido da maioria pode interessar uma crise política já (as consequências externas de um chumbo do Orçamento dar-lhe-iam o álibi que não tem para a situação a que conduziu o país) e só os partidos da oposição podem beneficiar com a obrigatoriedade de o Governo continuar a governar.

Porque toda a gente já sabe que os sacrifícios são inevitáveis.

Mas se serão suficientes e virão a valer mesmo a pena é que o pobre desconfia... e, neste caso, o rico também.

IN "SOL"
22/10/10

NA HOLANDA É ASSIM

video

Uma máquina holandesa que é movimentada por poucos operários e pavimenta as ruas da povoação dum modo inovador.

enviado por M. COUTINHO

HUMANOS- ESTOU ALÉM

EXPLIQUEM-NOS..................................................


clique para ampliar

VAMOS PRESERVAR O MEIO AMBIENTE

INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA BEM MODERNAS



NA CEBU PACIFIC AIRLINES é assim...

TENHA UM BOM DIA............

 ...que o tempo não é o pior


compre jornais

ANDA POVO, AGUENTA
Face Oculta: empresas ligadas ao Estado 
foram lesadas em milhões numa rede de corrupção
Procurador de Aveiro considera o empresário Manuel José Godinho o vértice de um esquema que envolveu diversas figuras públicas ligadas a empresas, como a EDP, a Refer e a REN.
O Ministério Público (MP) faz uma descrição detalhada dos casos, mas não soma os prejuízos. Contudo, ao ler as 525 páginas da acusação da Face Oculta, onde se descreve a teia de influências do principal arguido e o único preso preventivamente, Manuel José Godinho, percebe-se o custo destes crimes nas 10 empresas públicas ou em que o Estado detém uma participação, que fazem parte da acusação. São milhões de euros de prejuízos causados de forma criminosa e com a conivência de funcionários das próprias empresas.
Só na Rede Ferroviária Nacional - Refer que, entre 2004 e 2006 era apresentada como a principal fornecedora da O2, a maior empresa do universo Godinho, há sete funcionários acusados pelo Ministério Público. Há imputações de burla qualificada, corrupção, participação económica em negócio, mas dois dos funcionários, José Valentim e António Correia, são incluídos na associação criminosa de que Godinho seria o líder.
O mesmo acontece com o antigo chefe da repartição de Finanças de Santa Maria da Feira, Mário Pinho, que conseguiria manter as empresas do universo Godinho longe dos processos fiscais.
Exemplo disso foi o que aconteceu com um contrato adjudicado pela Refer à SEF, uma das empresas de Godinho que, em Dezembro de 2000, procedeu a uma desobstrução na linha ferroviária do Douro após a queda de uma pedra de grandes dimensões. Contudo, o facto dos trabalhos terem sido adjudicados a duas empresas e de não terem sido devidamente fiscalizados por um dos funcionários da Refer, agora acusado, fizeram a empresa ter um prejuízo de perto de 390 mil euros. Na acusação, nota-se, que as horas de máquinas e mão-de-obra suportadas pela Refer correspondem a mais de 24 horas por dia, se divididas pelo período em que os trabalhos se prolongaram.
"PÚBLICO"

PORTUGAL É UMA BURLA
BPN: Megaburla tem mais arguidos 
ligados à Caixa Agrícola
As duas instituições de crédito foram lesadas em vários milhões de euros por fraudes praticadas com a conivência de funcionários internos. Há três detidos e mais seis arguidos.
São mais os arguidos ligados à Caixa de Crédito Agrícola Mútuo (CCAM) do que ao BPN no caso da megaburla desmantelada na terça-feira pela Polícia Judiciária (PJ), de que resultou a detenção de três indivíduos e outros seis constituídos arguidos.
Em causa estão mais de cem milhões de euros obtidos ilicitamente junto daquelas entidades financeiras com o envolvimento de advogados, bancários, notários e empresários. Só um dos detidos foi ontem ouvido durante todo o dia no Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), não sendo ainda conhecida a medida de coacção aplicada. Hoje serão ouvidos os restantes dois, assim como os demais seis arguidos, um dos quais Luís Duque, antigo presidente da SAD do Sporting e actual vereador da Câmara de Sintra.
A operação da Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC), envolveu 160 elementos, bem como magistrados do Ministério Público e judiciais, tendo sido feitas 55 buscas domiciliárias e não domiciliárias, em grande parte do território nacional, incluindo escritórios de advogados, notários, a Câmara Municipal de Sintra, contabilistas, empresas de avaliação imobiliária, sociedades financeiras e ainda a CCAM e o BPN.
Em comunicado, a Judiciária adianta que na origem desta operação designada "Rollerball", realizada nos dias 26 e 27, estão suspeitas da prática de crimes de burla qualificada, fraude fiscal qualificada, falsificação de documentos, abuso de confiança, branqueamento e corrupção.
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

A FARSA CONTINUA...
Encenação esperada
Secretário geral da Fenprof classifica as negociações PS/PSD sobre o OE2011 como uma 'rábula', que tem Cavaco Silva como 'padrinho',
Comentando a interrupção das negociações, Mário Nogueira afirmou ser natural e esperada: 'Tipo o casal apaixonado que assim talvez até, com este tipo de encenação, crie no outro uma paixão maior, daquele que tem medo de perder alguma coisa e vá ceder',
'Registamos a encenação, mas não a levamos a sério, até porque em último caso, e se outros motivos não houvesse, o padrinho deste casamento, o senhor Presidente da República e candidato Cavaco Silva, tudo faria para que as coisas acabassem em felicidade', ironizou Mário Nogueira numa conferência de imprensa destinada a antecipar o impacto das medidas de austeridade na escola. Mário Nogueira alegou que Cavaco Silva 'apadrinhou tudo desde a primeira hora', porque não só esteve de acordo, como 'tem vindo a pressionar ou a colocar a necessidade', de o OE ser aprovado.
'Esses desacordos, esses arrufos, pensamos que fazem parte do cenário', frisou Mário Nogueira, para quem 'ninguém se zangaria por 450 milhões de euros', valor avançado pelo PSD e considerado pela Fenprof 'uma gota de água'
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

SALTO À VARA

Vara acusado de ser parte 
de máquina de fazer dinheiro
Armando Vara acusado de traficar influências no Governo a troco de 25 mil euros e prendas de luxo no Natal
O antigo ministro do Governo PS Armando Vara é acusado pelo Ministério Público de, a troco de 25 mil euros em notas e prendas de luxo no Natal, ter aceite fazer parte de uma máquina de fazer dinheiro à custa do Estado, montada pelo sucateiro Manuel Godinho.
De acordo com a acusação, a que o JN teve acesso, o suposto papel do ex-administrador do Millenniumbcp assentaria - a par, em especial, de Fernando Lopes Barreira, consultor e ex-membro da Fundação para a Prevenção e Segurança Rodoviária, no Governo de António Guterres - em exercer influências junto do ministro das Obras Públicas, Mário Lino.
O objectivo era a normalização das relações entre a O2, empresa de Godinho, e a Refer, empresa pública responsável pela gestão dos caminhos de-ferro em Portugal, à custa da qual o sucateiro ganhou milhões de euros, através de furto de materiais ferrosos e adulteração dos respectivos carregamentos.
O procurador responsável pelo caso "Face Oculta" refere a existência de diligências entre 2006 e 2009 junto de Mário Lino e a secretária de Estado Ana Paula Vitorino. Mas esta governante defendeu sempre o presidente da Refer, Luís Pardal, recusando demiti-lo por causa de um diferendo com o sucateiro, motivado, em especial, por causa de um caso de furto de carris em Macedo de Cavaleiros. Não a convenceu, sequer, o argumento de Godinho ser "amigo do PS", aventado por Lino.
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

QUEM NASCE TORTO...
Sintético é forte possibilidade 
já na próxima época
Sétimo relvado da vida do novo Estádio José Alvalade será artificial. Época 2011/12 deve marcar viragem histórica. Leão estuda o cenário há algum tempo e a decisão está para breve.
A próxima temporada pode marcar uma viragem histórica não apenas em Alvalade mas no futebol português. O Sporting pode tornar-se o primeiro clube do principal escalão a instalar um sintético no seu estádio. Segundo A BOLA apurou, a possibilidade de em 2011/12 o recinto sportinguista estar equipado com um relvado artificial é fortíssima.
No início de Outubro, em entrevista ao jornal Sporting, o presidente leonino, José Eduardo Bettencourt, como que preparava os adeptos para a possibilidade da mudança drástica. E agora, cada vez mais, o cenário de instalação de um sintético em Alvalade é dado adquirido.
Em sete anos de vida, o novo Estádio José Alvalade já conheceu seis relvados. Os problemas do recinto são estruturais, nomeadamente a forma como as bancadas, muito inclinadas, estão construídas faz com que as temperaturas, no topo norte do recinto, atinjam valores elevadíssimos, com pouca circulação de ar, pelo que os problemas na relva natural tornaram-se crónicos.
Mudança após mudança, tratamento após tratamento, os problemas persistem e a medida deverá mesmo ser radical e ainda mais célere do que se podia imaginar.
"A BOLA"

ATÉ QUE ENFIM...
Aparelho evita morte nos centros
Um total de 67 desfibrilhadores automáticos externos (DAE) – aparelhos de ressuscitação para usar em caso de paragem cardiorrespiratória – encontram-se em locais públicos e aptos a serem usados numa situação de emergência por pessoas que não são médicas mas que têm formação para o efeito.
Estão localizados de norte a sul em centros comerciais, feiras e exposições, empresas e instituições. Oito centros comerciais do grupo Sonae Sierra, entre os quais o Colombo, em Lisboa, passaram a dispor de desfibrilhadores.
Isabel Santos, responsável pelo Programa DAE da Sonae Sierra e cardiologista da empresa Intelligent Life Solutions, empresa que fornece os aparelhos e dá a formação aos utilizadores, afirma que a "escolha dos locais de instalação dos DAE teve como critério a melhor acessibilidade em caso de emergência". Estão colocados na parede, protegidos da curiosidade do público por uma caixa.
Quanto ao número de aparelhos, Isabel Santos afirma que, para cada empresa, "foi tida em consideração a dimensão". Por exemplo, o Colombo tem três aparelhos.
O tempo de actuação é vital para salvar a vida de uma pessoa em paragem cardíaca. Isabel Santos diz que nos primeiros dois ou três minutos a vítima tem 70 a 80 por cento de hipóteses de ser salva, mas essa percentagem cai a pique conforme os minutos vão passando.
"CORREIO DA MANHÃ"

GUERREIROS À FORÇA DESPREZADOS
Ex-combatentes ficam anos à espera da pensão
Governo promete reduzir prazo de resposta para 12 meses, em reacção às críticas da Provedoria de Justiça.
Os atrasos nos processos de invalidez ou de qualificação de ex-combatentes como deficientes das Forças Armadas (DFA) - que garantem a doentes e acidentados os benefícios a que têm direito por lei - arrastam-se há anos, o que tem motivado sucessivas críticas da Provedoria de Justiça. Em Maio, o Ministério da Defesa comprometeu-se a reduzir para um ano o prazo de resolução dos processos, afirmou ao Negócios fonte oficial da Provedoria.
Quem está no terreno afirma, porém, que a situação se tem vindo a agravar. "Estamos a falar de pessoas acamadas, com problemas gravíssimos, que não conseguem ser autónomas", declara Abel Fortuna, presidente da delegação da Associação de Deficientes das Forças Armadas (ADFA) do Porto, salientando que "a situação está pior".
"O que resta deste grande icebergue são sobretudo casos de pertubação stress-pós traumático. Muitas destas pessoas estiveram na guerra a cumprir o serviço militar obrigatório e depois nem sequer puderam desenvolver uma carreira profissional", acrescenta.
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

 PROTEGA-SE, TAMBÉM DOS POLÍTICOS
Mau tempo: chuva e vento fortes 
obrigam a alertas da Protecção Civil
A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) acionou o "alerta amarelo" para 14 distritos de Portugal continental devido à previsão de mau tempo para hoje e sábado, provocado pela passagem de duas superfícies frontais frias.
O "alerta amarelo" da ANPC -- o terceiro grau numa escala de quatro -- está em vigor desde as 06:00 de hoje até às 20:00 de sábado, nos distritos de Viana do Castelo, Braga, Vila Real, Bragança, Porto, Aveiro, Viseu, Guarda, Coimbra, Castelo Branco, Leiria, Santarém, Lisboa e Setúbal.
De acordo com o Instituto de Meteorologia (OM), prevê-se para hoje a passagem de "uma superfície frontal fria de actividade moderada a forte com ocorrência de períodos de chuva, por vezes forte em particular nas regiões norte e centro, passando a regime de aguaceiros, e condições favoráveis à ocorrência de trovoada".
"i"

HÁ-DE GANHAR MAIS QUE UMA VEZ
Mourinho: «Se não for este ano então nunca mais será»
Agora ou então... nunca. José Mourinho, pragmático como é hábito, opinou a seu favor na questão do prémio de melhor treinador do Mundo. “Se não for este ano, em que ganhei tudo com o Inter Milão, então nunca mais será”, disse o treinador português do Real Madrid, de 47 anos.
A decisão, marcada para o dia 10 de janeiro de 2011, está inserida na Bola de Ouro FIFA, que é a fusão dos prémios anuais da revista francesa “France Football” e do organismo que tutela o futebol mundial, e vai eleger o melhor treinador do Mundo. Mou compete com nomes como Guardiola, Ancelotti, Ferguson, Wenger, Löw ou Van Gaal, mas o grande opositor a este galardão é Vicente del Bosque, treinador campeão do Mundo com a seleção espanhola que encantou na África do Sul.
Porém, José Mourinho levou o Inter Milão a festejar na Serie A, Taça de Itália e Liga dos Campeões na temporada passada e espera que conte também a campanha levada a cabo pelo Real Madrid já neste ano. O clube merengue lidera o campeonato espanhol, invicto e com a defesa menos batida, superando o Barcelona de Guardiola, equipa que tem passeado toda a classe nos últimos dois anos.
"RECORD"

1 - BARBIE








CONTINUA........

2 - B A R B I E






SE NÃO ENTRA, NÃO ENTRA! NÃO FORCE!

video


enviado por MARTINS
.

S. O. S. - "AJUDA DE BERÇO"

A "AJUDA DE BERÇO" está com problemas de tesouraria.
Em 13 anos esta instituição acolheu perto de 200 bebés que foram assistidas nas duas pequenas casas onde exerce a sua actividade de assistência.


AJUDE A "AJUDA DE BERÇO" informe-se como
- 21 362 81 74
- 21 362 82 76
- 21 362 82 77
- ajudadeberco@ajudadeberco.pt
- http://www.ajudadeberco.pt/ab/?page_id=24

JORNAIS DE HOJE


compre jornais