quinta-feira, 17 de junho de 2010

DISCRIÇÃO

clique para ampliar

SAIA CURTA

ANTÓNIO ALMEIDA HENRIQUES

Opinião



Financiar as empresas


Na Semana Europeia das PME, num programa disseminado pelo País, o Governo enche a boca com o apoio às empresas e deixa esgotar ou suspende a linha PME INVESTE V, único instrumento disponível para aceder ao crédito junto da banca.

Na Semana Europeia das PME, num programa disseminado pelo País, o Governo enche a boca com o apoio às empresas e deixa esgotar ou suspende a linha PME INVESTE V, único instrumento disponível para aceder ao crédito junto da banca.

Não está em causa se esgotou a linha ou se foi simplesmente suspensa, o sinal é que não podia ser pior, o crédito está cada vez mais caro, com "spreads" que já ultrapassam os 5%, o acesso é muito difícil, e os próprios bancos canalizam os escassos recursos disponíveis para operações de menor risco.

Moral da história, são os pequenos comerciantes, os industriais e os agricultores que vêem esgotar-se a última oportunidade que teriam de aceder a uma linha de crédito que, além da bonificação do juro, tem a garantia mútua a "sossegar" a banca em caso de incumprimento.

É do conhecimento público que existiam inúmeras situações em análise nos balcões dos bancos aderentes e que o anúncio do Governo, quando apresentou a linha de 750 milhões de euros, era o da disponibilidade para ir até 2.000 milhões de euros.

De facto, o Governo porta-se mais uma vez mal com as empresas, devia ter acautelado esta situação, ter negociado com a banca atempadamente para que não houvesse qualquer hiato de tempo neste instrumento de apoio.

Sempre critiquei as linhas PME INVESTE, por não conterem uma cláusula que obrigasse a banca a oferecer linhas de crédito novas. Têm servido, sobretudo, para a consolidação de créditos, para além de fazer exigências contabilísticas e de inexistência de dívidas ao fisco (situação já consagrada na última linha), incompatíveis com a generalidade das empresas portuguesas.

Mas, apesar de tudo, é um bom produto porque formata a oferta de fundos com garantia mútua e bonificação da taxa de juro, para além de exigir um esforço pequeno ao Orçamento do Estado.

Assim, espero que o Governo rapidamente desbloqueie esta linha, direccionando-a para a consolidação de créditos e financiamentos novos, sob pena de a maior parte das micro e PME portuguesas não conseguirem aceder ao crédito nos próximos dias, com consequências gravosas.

Relembro também o anúncio de 2,2 milhões de euros do plano anticrise, denominado Iniciativas para o Investimento e Emprego, com cinco linhas, que entretanto foi suspenso sem que o Governo tivesse efectuado qualquer balanço da sua execução e impactos directos na economia.

A situação económica do País obriga a uma actuação célere e em cima dos acontecimentos. É preciso dar resposta às empresas e prestar contas do que se anuncia. Comemorar a Semana das PME implica mais acção e menos "show off".

Vice-presidente do grupo paralamentar do PSD

in "JORNAL DE NEGÓCIOS"
15/06/10

BOCCELLI e COMPANHIA

video

PEDIDO DE PADRE MORIBUNDO




Um velho Padre que durante anos, tinha trabalhado fielmente com o povo africano, mas agora estava de volta a Portugal, doente e moribundo, no Hospital de S. José. De repente ele faz um sinal à enfermeira, que se aproxima.
- Sim, Padre ? diz a enfermeira.
- Eu queria ver o Primeiro Ministro José Sócrates e o Ministro das finanças Teixeira dos Santos antes de morrer, sussurrou o Padre.
- Acalme-se, verei o que posso fazer, respondeu a enfermeira.
De imediato, ela entra em contacto com o Palácio de S. Bento e com José Sócrates e logo recebe a notícia: ambos gostariam muito de visitar o Padre moribundo.

A caminho do Hospital, Sócrates diz a Teixeira dos Santos:
- Eu não sei porque é que o velho padre nos quer ver, mas certamente que isso vai ajudar a melhorar a nossa imagem perante a Igreja, o que é sempre bom.
Teixeira dos Santos concordou. Era uma grande oportunidade para eles e até foi enviado um comunicado oficial à imprensa sobre a visita.

Quando chegaram ao quarto, o velho Padre, pegou na mão de Sócrates, com a sua mão direita, e na mão de Teixeira dos Santos, com a sua esquerda. Houve um grande silêncio e notou-se um ar de pureza e serenidade no semblante do Padre.
Sócrates então disse:
- Padre, porque é que fomos nós os escolhidos, entre tantas pessoas, para estar ao seu lado no seu fim.
O velho Padre, lentamente, disse:
- Sempre, em toda a minha vida, procurei ter como modelo o Nosso Senhor Jesus Cristo-Amém, disse Sócrates.
-Amém, disse Teixeira dos Santos.
E o Padre continuou:

- Então ...como Ele morreu entre dois ladrões, eu queria fazer o mesmo...!!!

APRENDENDO - o Cavalo romano ...

para melhor ler as legendas clique na imagem












2 - OFÍCIOS DO SEC XX

clique para ampliar








enviado por E. FRANÇA

GIOCONDA DE LEONARDO

EM ÁFRICA



NA INDIA



NOS U.S.A.



EM MARROCOS



EM LONDRES



NO IRÃO



NO EGIPTO



NO DUBAI



NA SÍRIA



NA PALESTINA



NO PAQUISTÃO



NO AFEGANISTÃO



enviado por ANTÓNIO CUNHA

TENHA UM BOM DIA


AMI sem alimentos para responder aos pedidos
A Assistência Médica Internacional (AMI) não tem alimentos suficientes para responder às necessidades. São cada vez mais as famílias a pedir ajuda às organizações, mas os excedentes do programa comunitário e a ajuda da sociedade civil não chegam.
Aos casos já existentes de pobreza, somam-se novas vítimas da crise e cada vez mais as famílias pedem alimentos para cozinhar em casa. O Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados não cobre todo o ano e, durante um trimestre, a população necessitada fica “a descoberto”, destaca Ana Martins, directora do Departamento de Acção Social da AMI. Além disso, os excedentes da Europa, distribuídos através da Segurança Social e mediante regras rigorosas, não chegam para resolver as carências alimentares.
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Federação pede despenalização de cartão amarelo a Ronaldo
A Federação Portuguesa de Futebol enviou à FIFA pedido de despenalização do cartão amarelo exibido a Cristiano Ronaldo no jogo diante da Costa do marfim, que marcou a estreia no Campeonato do Mundo.
Em comunicado, o organismo começa por lembrar a situação que levou o árbitro da partida, o uruguaio Jorge Larrionda, a admoestar o camisola 7 da Selecção, juntamente com um defesa da Costa do Marfim (Demel). «Aos vinte minutos da primeira parte, o internacional português foi rasteirado e empurrado à entrada da grande área da selecção da Costa do Marfim. Assim que se levantou, foi rodeado por jogadores adversários, tendo sido empurrado e insultado. Apesar das provocações, Cristiano Ronaldo aceitou, sem reclamar, o facto de o árbitro não ter assinalado falta disciplinar contra esses jogadores, a qual se impunha nos termos das Leis de Jogo. Após esta situação, o "capitão" luso apenas se procurou afastar daqueles jogadores. O árbitro decidiu mostrar cartão amarelo ao número 7 da Selecção Nacional e a um jogador da Costa do Marfim», pode ler-se.
"A BOLA"

Noventa por cento de candidatos a advogados chumbados no exame
Cerca de 90 por cento dos 275 licenciados em Direito que realizaram, em Março, o exame de acesso ao estágio da Ordem dos Advogados (OA) foram excluídos. “Entendemos que essas pessoas formadas com três e quatro anos pelo processo de Bolonha não têm os conhecimentos de Direito necessários para exercer a profissão”, disse o bastonário da Ordem, Marinho Pinto, ao PÚBLICO.
"PÚBLICO"

Patrões querem mais facilidade em despedir
Os patrões querem "liberalizar mais" a contratação e o despedimento. A medida foi ontem apresentada ao Governo, e o patronato pediu a adopção de medidas transitórias para melhorar a competitividade das empresas e aumentar o emprego.
Em nome das confederações da indústria, do turismo, do comércio e dos agricultores, o presidente da Confederação do Turismo de Portugal, Carlos Pinto Coelho, disse que as confederações defenderam ontem junto do Governo "reformas estruturais obrigatórias para fazer face à situação económica do País dos últimos três anos".
Uma das medidas transitórias pode passar pela diminuição do risco de empregar pessoas e não necessariamente pela redução de salários defendeu o porta-voz das confederações patronais.
"CORREIO DA MANHÃ"

Bettencourt: «Seremos dos maiores da Europa»
José Eduardo Bettencourt deixou esta quarta-feira uma mensagem ambiciosa durante a apresentação de 3 novos jogadores do leão. "Tenho a profunda certeza que o Sporting será um dos maiores clubes da Europa".
O presidente leonino sublinhou que está a "construir estrutura muito forte" e lembrou que não é fácil fazer depressa e bem. Principalmente porque, como afirmou , "o comboio foi apanhado a meio do caminho". Aliás, a questão da política de reforços e contratações (hoje por hoje colocada em dúvida por alguns observadores) foi bem destacada por Bettencourt. "Temos uma política de reforços, vamos mantê-la e fá-lo-emos com o nosso ritmo e sem nos desviarmos do caminho que foi traçado", garantiu o líder leonino.
"RECORD"

Linhas de crédito recusadas pela banca
Depois das barreiras no acesso ao crédito, a dificuldade em mantê-lo. As empresas estão a deparar-se com restrições cada vez maiores na banca, que chegam agora às corriqueiras linhas abertas de financiamento: na hora da sua renovação, é proposto um novo "spread" que chega a ser o dobro do anterior, o que leva muitas empresas a fechar essas linhas - os bancos chegam a agradecê-lo.
Várias empresas e associações contaram ao Negócios os seus próprios casos. São sobretudo as PME as afectadas, mas até as multinacionais têm dificuldades. Oficialmente, a banca nega a alteração das suas práticas.
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Cortes atingem alunos mais pobres e despesas de saúde
Candidatos a apoios têm de abdicar de sigilo bancário. Novos conceitos de rendimento e de família prometem baixar comparticipações.
Comparticipação de medicamentos, taxas moderadoras, acção social escolar, RSI, apoio a acamados, quase nada fica de fora das novas medidas de austeridade que prometem cortes nas prestações sociais. A partir de 1 de Agosto entram em vigor as novas regras que definem quem tem ou não direito a apoios sociais, em função dos novos conceitos de "rendimentos" e de "agregado familiar", ontem publicadas em Diário da República. Os beneficiários destes apoios têm, ainda, de abdicar do sigilo bancário e fiscal, sob pena de os mesmos lhes serem retirados.
Para além das já anunciadas alterações a aplicar ao Rendimento Social de Inserção (RSI), subsídio social de desemprego e apoios à parentalidade, o decreto-lei, ontem publicado, surpreende ao alterar também as condições de acesso à comparticipação de medicamentos e pagamento de taxas moderadoras. Mas vai mais longe, estendendo os novos pressupostos aos apoios no âmbito da acção social escolar e ensino superior e ainda para efeitos de comparticipação da Segurança Social aos utentes, na sua maioria idosos, da rede nacional de cuidados continuados. São pessoas doentes, acamadas, que precisam de cuidados permanentes e cuja estada nas instituições é maioritariamente financiada pelo Estado ou parcialmente pelas famílias. O esforço de comparticipação das famílias é, assim, passível de aumentar.
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Cardeal quer mais católicos na rua.
Bagão pressionadíssimo

Bagão Félix já disse que não várias vezes, mas os activistas católicos acreditam que ainda vão conseguir convencer o ex-ministro das Finanças a candidatar-se à Presidência da República. Todos os dias aparecem novos apelos para que Bagão se apresente às eleições contra Cavaco Silva. Isilda Pegado, a ex-deputada do PSD que protagonizou os movimentos anti-aborto e pelo referendo ao casamento gay, vê "com bons olhos a candidatura do dr. Bagão Félix" e lembra o recente exemplo do social-democrata Paulo Rangel - que começou por recusar candidatar-se à liderança do PSD e depois mudou de ideias - para sustentar que "todos nós já vimos na política alguns 'nãos' converterem-se em "sins".
Ontem, o cardeal-patriarca de Lisboa fez um discurso fortíssimo de apelo ao envolvimento dos cristãos na política. "Estamos a cair na situação anacrónica que qualquer intervenção da Igreja, de modo particular da hierarquia (...) é facilmente julgada como intervenção na esfera do estritamente político, esquecendo que o domínio político é todo o interesse pelo bem da 'polis'", defendeu o cardeal. E se a hierarquia "por decisão própria e em defesa do carácter específico do seu ministério, abstém-se habitualmente de se imiscuir no âmbito estritamente político", já "os cristãos leigos não são a isso obrigados e devem ser porta-vozes, no seio da sociedade, dos autênticos valores cristãos".
"i"

Bulldozer rampage

video

enviado por MARTINS

Lufthansa borregando em Hamburgo

video

enviado por J. MILHAZES

DESPORTIVAMENTE NO MUNDIAL

DUAS ADEPTAS HOLANDESAS FORAM PRESAS
POR CAUSA DESTE "STRIP" PUBLICITÁRIO E COLECTIVO

TESTE DE ADMISSÃO


ENTREVISTA PARA EMPREGO...FABULOSO...FABULOSO...


Um sujeito está numa entrevista para emprego.
O psicólogo dirige-se ao candidato e diz:

- Vou fazer-lhe o teste final para a sua admissão.

- Perfeito! - diz o candidato.

O psicólogo pergunta:

- Você está numa estrada escura e vê ao longe dois faróis emparelhados a virem na sua direcção. O que acha que é?

- Um carro. - diz o candidato.

- Um carro é muito vago. Que tipo de carro? Um BMW, um Audi, um Volkswagen?
- Não dá para saber, não é?
- Hum... - diz o psicólogo, que continua - Vou fazer-lhe outra pergunta: Você está na mesma estrada escura e vê só um farol a vir na sua direcção. O que é?
- Uma mota - diz o candidato.
- Sim, mas que tipo de mota? Uma Yamaha, uma Honda, uma Suzuki?

- Sei lá, numa estrada escura, não dá para saber... (já meio nervoso)
- Hum..., diz o psicólogo. Aqui vai a última pergunta:

- Na mesma estrada escura você vê novamente um só farol, menor que o anterior, e você apercebe-se que vem mais lento. O que é?

- Uma bicicleta.
- Sim, mas que tipo de bicicleta? BTT, estrada, passeio...?
- Não sei.

- Lamento, mas reprovou no teste! - diz o psicólogo.


Aí o candidato dirige-se ao psicólogo e fala:

- Interessante esse teste. Posso fazer-lhe uma pergunta também?

- Claro que pode. Pergunte.

- Você está à noite numa rua iluminada.Vê uma mulher com maquilhagem carregada, vestidinho vermelho bem curto, a girar uma bolsinha... o que é?
- Ah! - diz o psicólogo - é uma puta.
- Sim, mas que puta? A sua irmã? A sua mulher? Ou a puta que o pariu?

enviado por NÔNÔ

JORNAIS DE HOJE E SEMANÁRIO

COMPRE JORNAIS

clique para ampliar